Notícias: Significado e história do 1° de maio, Dia do Trabalhador

Significado e história do 1° de maio, Dia do Trabalhador

1 de maio é o Dia do Trabalhador, data que tem origem a primeira manifestação de 500 mil trabalhadores nas ruas de Chicago, e numa greve geral em todos os Estados Unidos, em 1886.
Três anos depois, em 1891, o Congresso Operário Internacional convocou, em França, uma manifestação anual, em homenagem às lutas sindicais de Chicago. A primeira acabou com 10 mortos, em consequência da intervenção policial.
Foram os factos históricos que transformaram o 1 de maio no Dia do Trabalhador. Até 1886, os trabalhadores jamais pensaram exigir os seus direitos, apenas trabalhavam.
No dia 23 de abril de 1919, o Senado francês ratificou as 8 horas de trabalho e proclamou o dia 1º de maio como feriado, e uns anos depois a Rússia fez o mesmo.
No Brasil é costume os governos anunciarem o aumento anual do salário mínimo no dia 1 de maio.
No calendário litúrgico celebra-se a memória de São José Operário por tratar-se do santo padroeiro dos trabalhadores.
Em Portugal, os trabalhadores assinalaram o 1.º de Maio logo em 1890, o primeiro ano da sua realização internacional. Mas as ações do Dia do Trabalhador limitavam-se inicialmente a alguns piqueniques de confraternização, com discursos pelo meio, e a algumas romagens aos cemitérios em homenagem aos operários e ativistas caídos na luta pelos seus direitos laborais.

Notícia completa: euronews – dia do trabalhador, consultado a 28 de abril de 2019.
Fonte: euronews, consultado a 28 de abril de 2019.

Geografia 10.º Ano – Quadro estatístico de Lisboa e Porto

Quadro estatístico de Lisboa e Porto

Fonte: Pordata, consultado a 28 de abril de 2019

Notícias: “Livros na rua” no Dia Mundial do Livro.

Para comemorar o Dia Mundial do Livro, a Biblioteca Municipal Rocha Peixoto promove, em parceria com as lojas aderentes na Rua da Junqueira, a iniciativa “Faça compras, receba Livros!” integrada no evento “Livros na Rua”.
No dia 23 de Abril, terça-feira, entre as 10h00 – 12h30 e 14h30 – 18h30, quem fizer uma compra no valor mínimo de 10 euros nas lojas aderentes receberá gratuitamente um livro de edição municipal, até ao limite dos exemplares disponíveis, no espaço da Biblioteca Municipal situado na Rua da Junqueira.

Data: 23 de abril
Horas: 10h00 – 12h30/ 14h30-18h30
Local: Rua da Junqueira

Fonte: CMPV, consultado a 22 de abril de 2019

Notícias: Venda de livros caiu mais de 20% em dez anos

Dia Mundial do Livro

No ano passado venderam-se menos três milhões de exemplares do que em 2009. Será possível inverter esta tendência?

Em 2009, venderam-se em Portugal 14,9 milhões de livros. De então para cá, foi sempre a descer. No ano passado, os portugueses compraram apenas 11,7 milhões de exemplares. Uma redução de 21,5% numa década. Previsivelmente, a quebra mais significativa deu-se entre 2011 e 2013, durante a crise da dívida pública, com a presença da troika no país, mas os anos seguintes não inverteram a tendência.

Fonte: Expresso, consultado a 23 de abril de 2019.

Notícias: “Salvem o planeta como salvaram a Notre-Dame”, pediu Greta Thunberg.

Greta Thunberg começa a ser uma cara cada vez mais conhecida no Parlamento Europeu. Na participação que fez esta terça-feira, 16 de abril, voltou a apresentar-se como tem feito nas últimas semanas: “O meu nome é Greta Thunberg, venho da Suécia e quero que entrem em pânico”. Desta vez a mensagem que quis passar foi: é preciso tanta urgência na vontade de salvar o ambiente como aquela demonstrada depois da que foi mostrada no incêndio na catedral de Notre-Dame, em Paris, esta segunda-feira.

“Ontem [segunda-feira], o mundo inteiro assistiu com tristeza e desespero ao fogo que assolou a Notre-Dame, em Paris. Mas a Notre-Dame vai ser reconstruída”, disse a jovem que incitou milhões de estudantes a tornarem-se mais civicamente ativos contra as alterações climáticas, em Estrasburgo.

Artigo completo: “Salvem o planeta como salvaram a Notre-Dame”

Fonte: Sábado, consultado a 22 de abril de 2019.

Notícias: DIA DA TERRA 2019: Quantos mais Dias da Terra serão precisos?

Em 1969, após a assistir a um derrame de petróleo em Santa Bárbara, no estado da Califórnia, o senador americano Gaylord Nelson começou a arquitectar a ideia ambiciosa de colocar as questões climáticas na agenda política nacional. A tarefa não seria fácil: canalizavam-se quantidades monstruosas de dinheiro para a exploração de combustíveis fósseis; as indústrias altamente prejudiciais triunfavam num crescimento mundial desenfreado; o cheiro a smog e a poluentes tóxicos nas vilas e cidades era apenas sinal de prosperidade e desenvolvimento económico. Tomar os impactos ambientais em conta nas decisões políticas era ainda extremamente rudimentar. O céu era o limite para o crescimento económico.

Um ano depois, escolheu-se o dia 22 de Abril de 1970 para se comemorar o primeiro Dia da Terra. Uma data que ficaria para a história da América e do mundo contemporâneo: foi a primeira vez que se reconheceu a necessidade de se assinalar um dia específico no calendário para celebrar a Terra e alertar para a destruição ambiental. Nelson, em conjunto com o congressista republicano Pete McCloskey e uma equipa de 85 funcionários, coordenaram e organizaram acções, demonstrações e protestos por todo o país. Vinte milhões de americanos saíram à rua nesse dia, alertando para a urgência de tomar medidas contra a iminente crise climática que se aproximava, e focando-se sobretudo nas questões de saúde pública, como água limpa e ar respirável para todos.

Artigo completo: Quantos mais Dias da Terra serão precisos?

Fonte: Público, consultado a 22 de abril de 2019.

Notícias: Dia da Terra. Planeta perdeu 40% dos animais desde 1970

O dia é da Terra, mas são os humanos que estão sob foco, desde o desaparecimento de animais ao desgaste de recursos do planeta. Estima-se que o homem tenha impactado 83% da superfície terrestre.

Celebra-se esta segunda-feira, 22 de abril, o Dia Internacional da Terra. Mas apesar de o dia ser do planeta, as estrelas somos nós, os humanos. Segundo dados publicados pela associação ambientalista Zero a propósito do efeméride festiva, a situação ambiental no nosso planeta tem-se alterado de forma alarmante desde 1970, ano em que o Dia da Terra começou a ser celebrado: segundo a associação, por exemplo, 40% dos animais do nosso planeta desapareceram desde aquele ano.

De acordo com a Zero, a Terra enfrenta “a maior taxa de extinção desde que perdemos os dinossauros há mais de 60 milhões de anos”. O motivo? Os humanos e as suas atividades. “Alterações climáticas, desmatamento, perda de habitat, tráfico e caça furtiva, agricultura insustentável, poluição e uso de pesticidas”, são algumas das causas humanas para a diminuição da biodiversidade dadas pela associação, que faz o apelo para que o Dia da Terra deste ano seja celebrado a pensar na proteção das espécies.

Artigo completo: Planeta perdeu 40% dos animais desde 1970.

Fonte: Observador, consultado no dia 22 de abril de 2019

Geografia 11.º Ano – Zona Euro

Todos os países da União Europeia fazem parte da União Económica e Monetária (UEM) e alinham as suas políticas económicas pelos objetivos económicos da UE. Alguns países da UE foram ainda mais longe, substituindo as moedas nacionais por uma moeda única, o euro. Estes países constituem a zona euro.

Dos países da UE que não fazem parte da zona euro, a Dinamarca e o Reino Unido recorreram a uma opção de não participação (opt­out) estabelecida em protocolos anexos ao Tratado, embora possam mudar de opinião no futuro se assim o desejarem, e a Suécia ainda não satisfaz as condições necessárias para aderir à zona euro.

Andorra, Mónaco, São Marinho e a Cidade do Vaticano adotaram o euro como moeda nacional por força dos seus acordos monetários com a UE e podem emitir as suas próprias moedas de euro dentro de determinados limites. No entanto, não fazem parte da zona euro, dado que não são países da UE

paises zona euro 19 portugal

Fonte: Comissão Europeia, consultado em 8 de abril de 2019.

Geografia 10.º Ano – Módulo Inicial: A inserção de Portugal em diferentes espaços

Geografia 10.º Ano – Módulo Inicial

A posição geográfica insere Portugal no espaço atlântico do território, cada vez mais vasto, da União
Europeia.

portugal localização na uniao europeia europa mundo

1. Portugal localiza-se nas latitudes médias do hemisfério norte, tendo como limites aproximados
(A) 32°, na Região Autónoma dos Açores, e 6° de latitude oeste, em Portugal Continental.
(B) 30°, na Região Autónoma dos Açores, e 42° de latitude norte, em Portugal Continental.
(C) 32°, na Região Autónoma da Madeira, e 6° de latitude norte, em Portugal Continental.
(D) 30°, na Região Autónoma da Madeira, e 42° de latitude norte, em Portugal Continental.

2. As ilhas assinaladas na Fig. 1, correspondem
(A) a A, à ilha Terceira, e a B, à ilha de Porto Santo, nos Açores e na Madeira, respetivamente.
(B) a A, à ilha de S. Miguel, e a B, à ilha de Porto Santo, nos Açores e na Madeira, respetivamente.
(C) a A, à ilha de S. Miguel, e a B, à ilha da Madeira, nos Açores e na Madeira, respetivamente.
(D) a A, à ilha Terceira e a B, à ilha da Madeira, nos Açores e na Madeira, respetivamente.

3. A União Europeia, cuja primeira designação foi Comunidade Económica Europeia, surgiu em
(A) 1957 pelo Tratado de Roma.
(B) 1992 pelo Tratado de Maastricht.
(C) 1957 pelo Tratado de Amesterdão.
(D) 1962 pelo Tratado de Nice.

4. Portugal apenas aderiu à comunidade em 1986 porque
(A) pertencia a outra associação que lhe garantia uma melhor integração económica e política.
(B) o seu comércio resumia-se às trocas que mantinha com as suas colónias de África.
(C) não queria perder a situação privilegiada que detinha no comércio com as colónias.
(D) não era aceite na Comunidade por manter um regime político democrático.

5. Da Zona Euro fazem parte, entre outros países
(A) Portugal, Espanha, Itália e Polónia.
(B) França, Bélgica, Irlanda e Eslovénia.
(C) Suécia, Finlândia, Holanda e Alemanha.
(D) Áustria, França, Grécia e Reino Unido.

Soluções: Continuar a ler Geografia 10.º Ano – Módulo Inicial: A inserção de Portugal em diferentes espaços

Filosofia 10.º Ano – Exame Nacional: Kant e Mill

Exame Nacional: Kant e Mill

1. «Não mintas se queres que acreditem em ti quando dizes a verdade.»
O imperativo anterior é hipotético ou categórico?
Justifique a sua resposta, distinguindo os dois tipos de imperativo.

2. Leia o texto.
Compete à ética dizer-nos quais são os nossos deveres, ou por meio de que teste podemos conhecê-los, mas nenhum sistema de ética exige que o único motivo do que fazemos seja o sentimento do dever; pelo contrário, noventa e nove por cento de todas as nossas ações são realizadas por outros motivos – e bem realizadas, se a regra do dever não as condenar. […]
O motivo, embora seja muito relevante para o valor do agente, é irrelevante para a moralidade da ação. Aquele que salva um semelhante de se afogar faz o que está moralmente certo, seja o seu motivo o dever, seja a esperança de ser pago pelo incómodo; aquele que trai um amigo que confia em si é culpado de um crime, mesmo que o seu objetivo seja servir outro amigo relativamente ao qual tem maiores obrigações.
J. S. Mill, Utilitarismo, Porto, Porto Editora, 2005, pp. 58-59 (adaptado)

2.1. Identifique a tese de Mill, exposta no texto, acerca da moralidade da ação.
Justifique a sua resposta com uma citação relevante do texto.

2.2. No texto, lê-se que «Compete à ética dizer-nos quais são os nossos deveres, ou por meio de que teste podemos conhecê-los». Segundo Kant, esse teste é o do imperativo categórico.
Explique como funciona o teste proposto por Kant. Na sua resposta, recorra a um exemplo.

Tópicos de correção:

1. Identificação do imperativo: Continuar a ler Filosofia 10.º Ano – Exame Nacional: Kant e Mill