Geografia – Exercícios de Preparação para o Exame Nacional: Bacias Hidrográficas

Grupo I

Na figura estão representadas, por bacia hidrográfica, as principais origens de águas subterrâneas e de águas superficiais que abastecem mais de 10 000 habitantes, em Portugal continental.

1. As bacias hidrográficas assinaladas com as letras X, Y e W são, respetivamente, as correspondentes aos rios
(A) Vouga, Mira e Guadiana.
(B) Lis, Sado e Guadiana.
(C) Mondego, Sado e Guadiana.
(D) Mondego, Mira e Guadiana.

2. A leitura da figura permite concluir que as principais origens de água para abastecimento de mais de 10 000 habitantes se localizam, sobretudo, a
(A) oeste da bacia hidrográfica do rio Guadiana.
(B) sul da bacia hidrográfica do rio Mondego.
(C) sul da bacia hidrográfica do rio Sado.
(D) norte da bacia hidrográfica do rio Tejo.

3. A orientação dos principais rios das bacias hidrográficas assinaladas, na figura, com as letras Y e W são, respetivamente
(A) sul-norte e norte-sul.
(B) norte-sul e sul-norte.
(C) este-oeste e norte-sul.
(D) norte-sul e este-oeste.

4. A principal utilização das águas subterrâneas verifica-se no setor
(A) urbano.
(B) industrial.
(C) agrícola.
(D) terciário.

[…]

Grupo III
A figura representa as cargas difusas de azoto na região hidrográfica Minho e Lima.

1. Mencione as duas principais bacias hidrográficas que integram esta região hidrográfica.
2. Identifique a origem provável do facto representado, referindo o impacte das cargas de azoto sobre os cursos de água desta região.

[…]

Aqui estão seis questões de preparação para o exame, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (treze no total) e as respectivas soluções.

Geografia – Exercícios de Preparação para o Exame Nacional: Precipitação

Grupo I
Os mapas representam a altitude e a distribuição da precipitação em Portugal continental.

1. O fator climático mais influente na distribuição da precipitação, subjacente na imagem anterior, é a
(A) latitude.
(B) altitude.
(C) disposição do relevo.
(D) proximidade/afastamento do oceano.

2. A natureza do relevo observado é
(A) convectivo.
(B) discordante.
(C) orográfico.
(D) concordante.

3. Uma das serras que atravessa o território continental, segundo o corte AB é a
(A) Serra da Estrela.
(B) Serra do Gerês.
(C) Serra do Marão.
(D) Serra do Montesinho.

4. Os baixos valores de precipitação verificados em Trás-os-Montes são condicionados
(A) apenas pela barreira de condensação.
(B) pela influência da latitude, devido à perturbação da frente polar que afeta o interior.
(C) pela barreira de condensação e pela influência dos ventos secos de leste.
(D) pela influência da altitude e devido à influência das altas pressões subtropicais.

[…]

Aqui estão quatro questões de preparação para o exame, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (catorze no total) e as respectivas soluções.

Geografia – Exercícios de Preparação para o Exame Nacional: Cartas Sinópticas

GRUPO I
A figura representa a carta meteorológica do dia 15 de fevereiro de 2014.

1. Na imagem é possível distinguir uma depressão situada a
(A) norte de Portugal Continental, que permitirá a ocorrência de céu limpo em todo o território.
(B) norte de Portugal Continental, que trará a todo o país céu muito nublado e chuva.
(C) noroeste de Portugal, que condicionará muito o estado do tempo no sul do país.
(D) oeste de Portugal, que não afetará o estado do tempo no território continental.

2. O anticiclone dos Açores encontra-se
(A) sobre o Atlântico, estendendo a sua influência até ao noroeste da Europa.
(B) bastante deslocado para norte, permitindo céu limpo e bom tempo em Portugal.
(C) sobre o Atlântico, condicionado pelo sistema depressionário que afeta o noroeste europeu.
(D) muito deslocado para sul, exercendo grande influência sobre o sul do território continental.

3. O sistema frontal resultante do encontro das massas de ar polar e tropical, no hemisfério norte
(A) no inverno, desloca-se para norte, influenciando menos a Europa e o nosso país.
(B) no verão, desloca-se para sul, influenciando mais a Europa e o nosso país.
(C) no inverno, desloca-se para sul, influenciando mais a Europa e o nosso país.
(D) mantém-se sempre à mesma latitude e exerce a mesma influência durante todo o ano.

[…]

Grupo II
A figura que se segue representa a carta sinóptica de superfície de parte da Atlântico e da Europa, no dia 16 de fevereiro de 2009.

1. Apresente duas das razões explicativas da fraca nebulosidade originada pelo centro barométrico que, no dia 16 de fevereiro de 2009, influenciava o estado do tempo em Portugal continental.

2. Mencione duas das características do estado de tempo geralmente associado à passagem de uma frente fria, como a que, no dia 16 de fevereiro de 2009, influenciava o estado de tempo no arquipélago dos Açores.

[…]´

Aqui estão cinco questões de preparação para o exame, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (nove no total) e as respectivas soluções

Geografia 7.º Ano – Dinâmica de uma Bacia Hidrográfica e Mapa das Bacias Hidrográficas de Portugal Continental

Dinâmica de uma bacia hidrográfica
– A água, na superfície terrestre, está em constante movimento, permitindo uma constante modelação da paisagem.
– Essa modelação está a cargo, em grande parte, dos rios que são um dos mais importantes elementos do ciclo hidrológico.


Fonte: SNIRH, consultado a 1 de março de 2020.

Geografia 7.º Ano – Mapa da Rede Hidrográfica de Portugal Continental

Mapa da Rede Hidrográfica de Portugal Continental

Fonte: SNIRH, consultado a 1 de março de 2020

Geografia 7.º Ano – Como se organizam os Rios? Definição: Rede Hidrográfica, Bacia Hidrográfica e Erosão Fluvial

Como se organizam os rios?

Rede hidrográfica: Conjunto de cursos de água constituído por um rio principal e respetivos afluentes.
Bacia hidrográfica: Área constituída por terras cujas águas escorrem para um rio e seus afluentes.
Erosão fluvial: Designa-se erosão fluvial a que é provocada pelos rios e cursos de água.
– As ações de erosão fluvial são três: Desgaste, Transporte, Acumulação.

Geografia 7.º Ano – Definição de Regime, Rio, Leito e Caudal.

Definições:

Regime: variação de do caudal de um rio ao longo do ano.
Rio: curso de água permanente que corre num leito escavado e alargado por si próprio.
Leito: área ou superfície coberta pela água de um rio.
Caudal: quantidade de água de um rio que passa numa secção do seu leito. Exprime-se em m³/s.

Geografia 7.º Ano – Os principais rios de Portugal Continental

Os principais rios de Portugal Continental

– Douro e Mondego são do norte, o Tejo do centro, Sado e Guadiana ficam no sul. Estes são os cinco rios mais importantes de Portugal que apresentamos nesta infografia. Entra na corrente e descobre as diferenças entre eles.
– Os rios são cursos de água doce que provêm da nascente, situada normalmente numa encosta, e desaguam na foz, que pode ser o mar, outro rio ou até um lago.
– Os principais rios portugueses são os que têm um maior caudal, seja porque recebem água de rios mais pequenos, chamados afluentes, ou porque estão localizados numa zona onde a chuva é abundante, como acontece no norte do país.
– Sabias que muitos dos nossos rios nascem em Espanha e desaguam no oceano Atlântico?


Figura 1 – Infografia dos principais rios de Portugal Continental.

Fonte: RTP Ensina, consultado a 1 de março de 2020.

Geografia 7.º Ano – Como se movimenta a água na superfície terrestre?

Como se movimenta a água na superfície terrestre?
– A água, na superfície terrestre, está em constante movimento, permitindo uma constante modelação da paisagem.
– Essa modelação está a cargo, em grande parte, dos rios que são um dos mais importantes elementos do ciclo hidrológico.
Para mais informação podes consultar a publicação Ciclo Hidrológico, do meu Blog.


Figura 1 – Ciclo Hidrológico.

Fonte: Porto Editora, consultado a 1 de março de 2020

Geografia 11.º Ano – Transportes: Aeroporto do Montijo.

7 grandes números do novo aeroporto no Montijo
Com a “luz verde” da Agência Portuguesa do Ambiente, o novo aeroporto do Montijo tem tudo pronto para avançar. Conheça sete grandes números deste projeto.

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) disse “OK” à reconversão da Base Aérea n.º 6 num novo aeroporto comercial no Montijo, que deverá complementar a capacidade do atual Aeroporto Humberto Delgado. Era o último passo visto como crucial para a obra arrancar. Conheça sete grandes números do projeto.

2022
Estima-se que o novo aeroporto do Montijo comece a operar em 2022, segundo o acordo fechado entre o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal, que é controlada pelos franceses da Vinci. A intenção passa pela reconversão da atual base aérea num aeroporto comercial, para complementar o aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

1,3 mil milhões de euros
É o montante total que a ANA se comprometeu a investir até 2028 no novo aeroporto do Montijo. O valor inclui não só a reconversão da base onde atualmente está instalada a Força Aérea como também a expansão do atual aeroporto de Lisboa.

Notícia completa: 7 grandes números do novo aeroporto no Montijo
Fonte: Eco, consultado a 23 de fevereiro de 2020.