Exame Nacional de Geografia A e Critérios de Correção – Ano Letivo 2017/2018

Os alunos do 11º ano realizaram o Exame Nacional de Geografia A.
Podes consultar aqui o enunciado e os critérios de correção do Exame Nacional de Geografia A.

Exame Nacional – Geografia A – 2017-2018
Critérios de Correção

Fonte: IAVE, consultado em 22 de junho de 2018

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: Recursos Marítimos

Geografia A – Recursos Marítimos

Questões de Escolha Múltipla:
1 – As Figuras 2A e 2B representam duas formas de exploração dos recursos marinhos.

1. Os problemas associados às atividades económicas representadas nas Figuras 2A e 2B são, entre outros, respetivamente,

(A) a redução da biodiversidade oceânica e o aumento do preço unitário do produto.
(B) a captura exclusiva de espécies selecionadas e o aumento do preço unitário do produto.
(C) a redução da biodiversidade oceânica e o aumento da produção de efluentes.
(D) a captura exclusiva de espécies selecionadas e o aumento da produção de efluentes.

2. A aquicultura contribui para a gestão racional dos recursos piscatórios, uma vez que

(A) permite a preservação dos stocks de espécies piscícolas em perigo de extinção.
(B) garante o abastecimento dos mercados em espécies piscícolas de águas profundas.
(C) assegura o cumprimento das quotas de pesca atribuídas a cada país.
(D) impede a captura de espécies piscícolas por artes de pesca ilegais.

3. A afirmação «o sector das pescas apresenta uma importância estratégica para a Região Autónoma dos Açores» é

(A) falsa, porque a plataforma continental tem uma extensão reduzida e predomina a pesca costeira artesanal.
(B) verdadeira, porque o sector incrementa o desenvolvimento da pesca turística e evita a extinção de espécies.
(C) falsa, porque o tipo de costa não permite a existência de portos de abrigo e os barcos são de pequeno calado. (D) verdadeira, porque o sector contribui para o abastecimento alimentar da região e promove a criação de emprego.

4. O fenómeno do upwelling ao longo da costa ocidental portuguesa deve-se

(A) ao aquecimento das águas, o que facilita a prática de atividades de lazer associadas ao mar.
(B) à ascensão das águas frias, o que contribui para o aumento dos recursos piscícolas.
(C) ao arrefecimento das águas, o que ajuda a preservar a fauna e a flora da plataforma continental.
(D) à subsidência de águas quentes, o que favorece o crescimento rápido de espécies marinhas.

5. Portugal propôs, nas Nações Unidas, o alargamento da área oceânica sob jurisdição nacional para além das 200 milhas náuticas, o que, a concretizar-se, permitirá

(A) aumentar a área de instalação de aerogeradores offshore.
(B) garantir o controlo do tráfego marítimo em águas nacionais.
(C) fomentar o comércio, por via marítima, entre Portugal e os países americanos.
(D) explorar uma maior diversidade de recursos naturais do fundo do oceano.

Questão de Desenvolvimento:

1 – A Figura 4 representa um troço da costa portuguesa na região de Lisboa.

1. Indique duas das características do tipo de costa que a Figura 4 representa.

2. Refira duas das causas do recuo da linha de costa que se tem verificado em alguns troços do litoral português, como o representado na Figura 4.

3. Apresente duas das medidas contempladas em planos de ordenamento da orla costeira que visam a proteção do litoral.

4. Explique a importância de Portugal ter uma estratégia nacional para o mar, tendo em conta os tópicos de referência seguintes:
• a posição geográfica do país;
• as potencialidades económicas do oceano.

Em cada um dos tópicos, a explicação deve focar dois aspetos.

Fonte: IAVE, consultado a 18 de junho de 2017

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: Recursos do Subsolo

Geografia A – Recursos do Subsolo

Questões de Escolha Múltipla:

1 – O que é que o palácio de Versalhes, em França, o Ground Zero, em Nova Iorque, o edifício do Banco Mundial, no Catar, ou a sede da Petro China, em Pequim, podem ter em comum? Pedra portuguesa.

O mapa da Figura 2 representa a localização dos principais núcleos de exploração de rochas ornamentais, em Portugal continental

1. A maioria das explorações de rochas ornamentais, de acordo com o mapa da Figura 2, localiza-se
(A) na Orla Meridional.
(B) na Bacia do Tejo e do Sado.
(C) na Orla Ocidental.
(D) no Maciço Antigo.

2. A procura internacional de rochas ornamentais portuguesas está associada à

(A) pouca utilização das rochas no mercado nacional.
(B) forte incorporação de design nacional nas peças exportadas.
(C) boa relação qualidade/preço da pedra nacional.
(D) grande dimensão das empresas nacionais do sector.

3. A exploração de recursos do subsolo em minas e em pedreiras gera impactes ambientais como

(A) a descida do nível freático e o aumento de incidência de doenças respiratórias.
(B) a alteração da morfologia do terreno e a contaminação das águas.
(C) a degradação da paisagem e o esgotamento dos solos.
(D) a produção de resíduos perigosos e a redução dos níveis de segurança no trabalho.

4. O sector dos minerais metálicos que, a seguir ao das rochas ornamentais, tem registado maior crescimento engloba a exploração

(A) de cobre, de zinco e de estanho.
(B) de urânio, de ardósia e de quartzo.
(C) de cobre, de urânio e de quartzo.
(D) de ardósia, de estanho e de zinco.

5. A localização de fábricas de produtos cerâmicos no distrito de Aveiro deveu-se, inicialmente, à

(A) proximidade do porto de Aveiro, por onde chega a maior parte das matérias-primas.
(B) abundância de caulinos e de argilas, as principais matérias-primas destas indústrias.
(C) forte concentração de empresas de construção civil que utilizam esses produtos.
(D) utilização de novos materiais, desenvolvidos em colaboração com a universidade.

Fonte: IAVE, consultado a 18 de junho de 2017

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: Radiação Solar

Exame Nacional de Geografia A – Radiação Solar

As Figuras 4A e 4B representam, respetivamente, a distribuição espacial da radiação solar global nos meses
de janeiro e de julho de 2011, em Portugal continental.

1. Mencione dois dos processos que ocorrem na atmosfera e que afetam a quantidade da radiação solar que
chega à superfície da Terra.

2. Refira os dois principais fatores climáticos explicativos da distribuição da radiação solar em Portugal
continental, um para o mês de janeiro e outro para o mês de julho.

3. Apresente duas das vantagens associadas aos elevados valores anuais da radiação solar recebida em
Portugal continental.

4. Explique as diferenças que se registam nos valores da radiação solar recebida em Portugal continental, ao
longo do ano, tendo em consideração os tópicos de referência seguintes:
•  a altura meridiana do Sol;
•  as condições de transparência da atmosfera.
Em cada um dos tópicos, a explicação deve focar dois aspetos.

Fonte: IAVE, consultado a 18 de junho de 2017

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: A População

A população, utilizadora de recursos e organizadora de espaços
As estruturas e comportamentos sociodemográficos – Estrutura Etária

Grupo de escolha múltipla

As Figuras 1A e 1B representam, respetivamente, a estrutura etária da população portuguesa em 2010 e a projeção da estrutura etária para 2030.

1. A análise comparativa das pirâmides etárias de 2010 e de 2030 permite concluir que:

(A) a taxa de mortalidade infantil vai aumentar, porque o número de indivíduos dos 0 aos 4 anos diminui.
(B) a taxa de emigração vai aumentar, porque o número de indivíduos em idade ativa diminui.
(C) o índice de dependência de idosos vai aumentar, porque a relação entre os indivíduos com 65 e mais anos e os indivíduos dos 0 aos 14 anos aumenta.
(D) o índice de envelhecimento vai aumentar, porque a relação entre os indivíduos com 65 e mais anos e os indivíduos dos 0 aos 14 anos aumenta.

2. Os indivíduos que, em 2030, farão parte da classe com maior número de efetivos tinham, em 2010,

(A) 5-9 anos.
(B) 25-29 anos.
(C) 30-34 anos.
(D) 35-39 anos.

3. A elaboração de projeções nacionais para o comportamento demográfico permite

(A) fundamentar as decisões sobre o tipo de políticas demográficas a adotar.
(B) corrigir as assimetrias regionais na distribuição da população portuguesa.
(C) inverter, a curto prazo, as tendências demográficas negativas para o país.
(D) prever a dimensão dos fluxos migratórios nas próximas décadas.

4. A afirmação «foi entre 1981 e 1985 que, de acordo com a informação da Figura 1A, se registou a inflexão no comportamento da natalidade» é:

(A) verdadeira, porque o número de indivíduos que nasceram neste período diminuiu relativamente ao número dos que nasceram entre 1976 e 1980.
(B) verdadeira, porque entre 1981 e 1985 houve um forte fluxo migratório para os países do continente europeu, o que levou à redução da taxa de natalidade.
(C) falsa, porque as alterações na natalidade, em Portugal, têm ocorrido muito lentamente, não sendo visíveis numa pirâmide.
(D) falsa, porque a partir de uma pirâmide de idades não é possível tirar conclusões sobre o comportamento da natalidade ao longo do tempo.

5. A confirmarem-se as projeções demográficas elaboradas para 2030, Portugal vai necessitar de

(A) construir mais escolas do ensino básico e do ensino secundário.
(B) proceder ao encerramento de hospitais nas áreas urbanas.
(C) investir em serviços de medicina geriátrica e de cuidados paliativos.
(D) alargar a rede de centros de atividades de tempos livres para crianças.

Alargamentos da União Europeia

1957 – Países fundadores: Alemanha (antiga República Federal Alemã, RFA), a França, a Itália e os países do BENELUX, a Bélgica, os Países Baixos e o Luxemburgo.
1973 – 1.º Alargamento: Reino Unido, Dinamarca, República da Irlanda.
1981 – 2.º Alargamento: Grécia.
1986 – 3.º Alargamento: Portugal e Espanha.
1995 – 4.º Alargamento: Suécia, Finlândia, Áustria.
2004 – 5.º Alargamento: Hungria, República Checa, Polónia, Chipre, Malta, Estónia, Eslováquia, Eslovénia, Letónia e Lituânia.
2007 – 6.º Alargamento: Roménia e Bulgária.
2013 – 7.º Alargamento: Croácia.

Fonte: Map Soft, consultado a 31 de maio de 2017

Formação da União Europeia

– O Tratado que institui a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA), denominado Tratado de Paris, foi assinado em 18 de abril de 1951 e entrou em vigor em 25 de julho de 1952.
– Os Tratados que instituem a Comunidade Económica Europeia (CEE) e a Comunidade Europeia da Energia Atómica (CEEA, dita «Euratom»), igualmente denominados Tratados de Roma, foram assinados em 25 de março de 1957 e entraram em vigor em 1 de janeiro de 1958. Ao contrário do Tratado CECA, os Tratados de Roma têm «uma vigência ilimitada» (artigo 240.º do Tratado CEE e artigo 208.º do Tratado CEEA), o que lhes conferiu um caráter quase constitucional.
Os seis países fundadores foram a Alemanha (antiga República Federal Alemã, RFA), a França, a Itália, a Bélgica, os Países Baixos e o Luxembrugo (BENELUX).

Fonte: Parlamento Europeu, consultado a 30 de maio de 2017

Geografia 11.º Ano – A Distribuição Espacial das Redes de Comunicação

– A revolução das telecomunicações e o seu impasse nas relações interterritoriais
• A distribuição espacial das redes de comunicação

A sociedade moderna em que vivemos caracteriza-se pela crescente internacionalização da economia, pela rapidez e facilidade de acesso à informação, pela uniformização de padrões de vida, pela simplificação de complexos processos de gestão e administração;
– Aldeia Global;
Programa STAR (Programa especial de Apoio ao Desenvolvimento Regional), programa criado em 1986 e que foi entretanto extinto, permitiu que algumas empresas ligadas ao setor das comunicações beneficiassem de ajudas comunitárias, melhorando o serviço disponibilizado;
Um dos grandes objetivos das políticas comunitárias é promover a igualdade de condições de acesso à informação entre todos os cidadãos da União Europeia;
– Outra iniciativa comunitária importante para o desenvolvimento das redes de comunicação foi, eEuropa – Uma sociedade de informação para todos;
Portugal pretende dar resposta aos desafios colocados pela Sociedade da Informação e do Conhecimento, tendo definidos os objetivos a atingir, que se enquadram no Plano Tecnológico, através do Programa Ligar Portugal.