Notícias – Natalidade volta a aumentar em Portugal

Até ao final de Outubro, o número de bebés subiu no distrito de Lisboa e recuou no Porto, com Braga a ultrapassar Setúbal no terceiro lugar. Valores continuam abaixo do necessário para a renovação de gerações.

Lisboa (21.595) e Porto (13.048) continuam a ser, de longe, os distritos com mais fecundidade. No entanto, enquanto na zona da capital houve mais 725 registos no período em análise, na região da Invicta houve um decréscimo de 148 em relação aos primeiros dez meses de 2017.

Além do Porto, “apenas” Bragança, Évora, Setúbal e Coimbra viram nascer menos crianças, segundo os dados do Instituto Nacional Ricardo Jorge, com base no teste do pezinho feito à saída da maternidade, citados pelo JN esta segunda-feira, 3 de Dezembro. Nos restantes distritos portugueses houve uma recuperação.

A seguir a Lisboa, o maior crescimento em termos absolutos foi registado em Braga, que teve mais 148 nascimentos, para um total de 5.563. Este comportamento permitiu ao distrito minhoto superar o de Setúbal (5.439). O pior registo nacional aconteceu em Bragança (496), onde até Outubro só nasceram 1,6 crianças por dia.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), em termos médios, em 2017 cada mulher em Portugal tinha 1,37 filhos. Apesar de ficar muito abaixo do valor necessário para garantir a renovação de gerações (2,1), este número tem vindo a recuperar ligeiramente todos os anos desde 2013, quando o número médio de filhos por mulher era de 1,21.

Fonte: Jornal de Negócios, consultado a 30 de dezembro de 2018

Notícias – Turismo em Portugal valeu 26,7 mil milhões de euros em 2017

A dinâmica do turismo em Portugal tem permitido mais receitas e a criação de postos de trabalho, com os dados do INE divulgados esta segunda-feira a mostrarem que a procura turística (consumo por parte de estrangeiros e residentes) subiu para os 26,7 mil milhões de euros em 2017, mais 14,5% face a 2016, e passou a pesar 13,7% do PIB (1,2 pontos percentuais acima). Ao nível do valor acrescentado bruto (VAB) gerado pelo sector, este subiu 13,6% para os 12,6 mil milhões (equivalente a 7,5% do VAB nacional).

Na informação hoje apresentada pelo INE, referente à conta satélite do turismo, este são os únicos dados referentes a 2017. De resto, a informação mais pormenorizada reporta-se a 2016. Nesse ano, de acordo com o INE, o turismo receptor (não residentes) representou 63,1% do total, quando em 2015 esse peso era de 61,8%. Ou seja, o que os dados confirmam é que muito do crescimento do sector tem sido suportado pelos estrangeiros, com destaque para os sectores do alojamento (26,5% do total das despesas feitas pelos visitantes que pernoitam em Portugal) restauração e bebidas (26%), e transportes (20,6%).

Fonte: Público, consultado a 30 de dezembro de 2018

Notícias – Póvoa de Varzim: Hospital chega ao parto 1000 pela primeira vez em 7 anos

O Serviço de Obstetrícia do Centro Hospitalar Póvoa de Varzim – Vila do Conde (CH) realizou hoje o parto número 1000 do ano de 2018.

A pequena Diana nasceu às 10h40 de parto natural. Os pais, Luís e Kateryna, vivem no Porto e escolheram o CH pelas “boas práticas implementadas, quer no nascimento, quer no período de preparação para o parto”, refere o hospital em comunicado.

Desde 2011 que esta marca dos 1000 não era atingida. Para o CH, ela traduz “o trabalho que tem vindo a ser implementado pelo Serviço de Obstetrícia”, e o Conselho de Administração enaltece “o investimento feito nas práticas de excelência, bem como o brio e o empenho de todos os profissionais”.

Em paralelo, o agradecimento é reiterado “junto dos casais que escolhem o CH para o nascimento dos seus bebés, confiando na excecional equipa que eleva a um patamar de referência esta vertente essencial da missão de cuidar”.

Fonte: Mais Semanário, consultado a 26 de dezembro de 2018

Notícias – Alunos não conseguem localizar Portugal no continente europeu

45% dos alunos não conseguem situar Portugal no mapa (localizar Portugal no continente europeu)

Grande parte dos alunos que fizeram as provas de aferição de História e Geografia do 2.º ciclo, em 2017, não conseguiam localizar o país no Sudoeste da Europa.

Entre os mais de 90 mil alunos que fizeram provas de aferição de História e Geografia do 2.º ciclo, em 2017, 45% não conseguiram localizar Portugal continental em relação ao continente europeus. Esta conclusão consta num novo relatório que abrange dois anos de provas de aferição – 2016 e 2017 – de várias disciplinas e anos de escolaridade, citado pelo Diário de Notícias.

Ou seja, utilizando os pontos colaterais da rosa-dos-ventos, os alunos não conseguiam localizar o país no Sudoeste da Europa. Além disso, apenas 45% dos estudantes localizaram correctamente “o continente europeu em relação ao continente asiático, o continente africano em relação ao continente europeu e Portugal continental em relação ao continente americano”

Fonte: Sábado, consultado em 5 de junho de 2017

Notícias – Balança corrente da zona euro com mais excedente em novembro, BCE

A balança corrente da zona euro registou um excedente de 32.500 milhões de euros em novembro de 2017, mais 0,93% do que no mesmo mês de 2016, anunciou hoje o Banco Central Europeu (BCE).

Fonte: Lusa, consultado a 21 de janeiro de 2018

Notícias – Orçamento de Estado 2018: Aprovadas novas regras de tributação para ‘recibos verdes’

Notícias de Economia:

O novo regime, que abrange apenas os profissionais liberais e os outros prestadores de serviços (como os do alojamento local), deverá limitar a presunção automática de despesas, mantendo-se os coeficientes que atualmente existem (e que garantem uma dedução automática ao rendimento tributável), mas uma parte ficará dependente das despesas suportadas e registadas no ‘e-fatura’, tendo estes trabalhadores de justificar 15% das despesas.

Para preencher estes requisitos é considerada automaticamente uma dedução de 4.014 euros (igual à admitida para os trabalhadores dependentes) e também as despesas com pessoal, as rendas e os encargos com imóveis e outras despesas, como “materiais de consumo corrente, eletricidade, água, transportes e comunicações e rendas”, entre outros.

Notícia completa: Recibos verdes, Orçamento de Estado 2018

Fonte: Sapo 24, consultado a 11 de janeiro de 2018

Notícias – Nasceram menos sete crianças por dia em 2017

Notícias de Geografia:

Dados do Ministério da Justiça registam que há menos 2702 crianças em 2017 do que em 2016. Os registos e notariado indicam 88 150 nascimentos no ano passado, quando no período anterior eram 90 852, uma diferença de, em média, menos 7,3 bebés por dia. E, apurou o DN, os testes do pezinho revelam também uma descida, informação que deverá ser hoje disponibilizada pelo Instituto Nacional Ricardo Jorge.

Notícia completa: Nasceram menos sete crianças por dia em 2017

Fonte: Diário de Notícias, consultado a 11 de janeiro de 2018

Notícias – Resultados das Eleições Autárquicas Anteriores

Pode consultar o resultado das Eleições Autárquicas de 2009 e 2013 no site Eleições – Ministério da Administração Interna.
Fonte: Eleições – MAI, consultado a 29 de agosto de 2017

Notícias – Actividade económica com o maior aumento em 16 anos

“O consumo privado continua a acelerar, o que estará a contribuir para que a actividade económica continue a crescer, tendo mesmo registado o maior aumento desde Maio de 2001.~
(..)
O indicador de actividade económica cresceu 3%, em Maio, quando comparado com o mesmo período do ano passado. Este é o aumento mais acentuado da actividade económica desde Maio de 2001. Ou seja, a economia está a dar sinais de um acelerar do seu crescimento, segundo os dados divulgados esta quarta-feira, 19 de Julho, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
A contribuir para esta evolução têm estado a indústria e os serviços, ambos a registarem melhorias no seu desempenho.
Mas não só, os consumidores continuam a contribuir para a melhoria da economia. Os dados do consumo privado, divulgados esta quarta-feira, são já de Junho e apontam para um aumento do consumo. O indicador cresceu 2,5%, quando em Maio o aumento tinha sido de 2,3%, segundo a média móvel dos últimos três meses.”

Fonte: Jornal de Negócios, consultado a 20 de julho de 2017