Filosofia 11.º Ano – Contraexemplos de Gettier: Caso I – Smith, Jones e as moedas no bolso

Suponha-se que Smith e Jones se tinham candidatado a um certo emprego. E suponha-se que Smith tem fortes provas a favor da seguinte proposição conjuntiva:

a) Jones é o homem que vai conseguir o emprego, e Jones tem dez moedas no bolso.

As provas que Smith tem a favor de a podem ser que o presidente da companhia lhe tenha assegurado que no fim Jones seria selecionado e que ele, Smith, tenha contado as moedas do bolso de Jones há dez minutos. A proposição a implica:

b) O homem que vai ficar com o emprego tem dez moedas no bolso.

Suponha-se que Smith vê que a implica b e que aceita b com base em a, a favor da qual ele tem fortes provas. Neste caso, Smith está claramente justificado em acreditar que b é verdadeira.

Mas imagine-se que, além disso, sem Smith o saber, é ele e não Jones que vai ficar com o emprego. Imagine-se também que, sem o saber, ele próprio tem dez moedas no bolso. A proposição b é assim verdadeira, apesar de a proposição a, a partir da qual Smith inferiu b, ser falsa.

Assim, no nosso exemplo, as seguintes proposições são verdadeiras: 1) b é verdadeira, 2) Smith acredita que b é verdadeira e 3) Smith está justificado a acreditar que b é verdadeira. Mas é igualmente claro que Smith não sabe que b é verdadeira; pois b é verdadeira em virtude das moedas que estão no bolso de Smith, ao passo que Smith não sabe quantas moedas tem no bolso e baseia a sua crença em b no facto de ter contado as moedas do bolso de Jones, que ele erradamente acreditar tratar-se do homem que irá ficar com o emprego.

Fonte: Edmund Gettier, «É a Crença Verdadeira Justificada Conhecimento?» (1963), in Analysis, vol. 23, pp. 121-123.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *