Moinho Luisa Dacosta, Aver-o-Mar, Póvoa de Varzim

moinho
Autor: Hugo Patrício

Mas as suas “Universidades” foram as mulheres de A-Ver-O-Mar, que murcham aos trinta anos, vivem e morrem na resignação de ter filhos e de os perder, na rotina de um trabalho escravo, sem remuneração, espancadas como animais de carga (-Ele não me bate muito, só o preciso) e que, mesmo afeitas, num treino de gerações,às vezes não aguentam e se suicidam (oh! Senhora das Neves! E tu permites!) depois de um parto, quando o mundo recomeça num vagido de criança! Às mulheres de A-Ver-O-Mar “Deve” a língua ao rés do coloquial.
Fonte: Wook, consultado a 7 de outubro de 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *