25 de abril – Cronologia (III)

– 13.00 – Militares da GNR, fiéis ao regime, ocupam posições na Rua Nova da Trindade, cercando as forças de Salgueiro Maia que, entretanto haviam tomado o Largo do Carmo. O Brigadeiro Junqueira dos Reis, comandando os militares que lhe permaneceram fiéis, ocupa o Largo de Camões.
– 13.15 – Forças do Regimento de Cavalaria 3 controlam a Ponte Salazar. Uma coluna deste Regimento segue então para Lisboa, para prestar auxílio ao contigente da EPC, que ocupava o Largo do Carmo.
– 13.30 – Um grupo de militares comandados por Jaime Neves ocupa as instalações da Legião Portuguesa (LP), na Penha de França.
– 14.00 – Em face do avanço das forças do Regimento de Cavalaria 3, o contigente que fiel ao regime que cercava o Largo do Carmo bate em retirada.
– 14.30 – Em comunicado transmitido pela rádio, o MFA garante que os lugares-chave que o Movimento previa ocupar estavam já sob o seu controlo e o principais dirigentes do regime presos ou sitiados.
– 15.00 – Perante o impasse vivido no Quartel do Carmo, onde as forças fiéis ao regime não davam sinais de rendição, Salgueiro Maia ordena a sua capitulação em quinze minutos.
– 15.15 – Em face da recusa da rendição dos militares sitiados no Carmo no prazo exigido, tem início o bombardeamento do Quartel, com recurso a armamento ligeiro, interrompido pouco depois
Simultaneamente, tem início a libertação dos militares envolvidos no golpe frustrado de 16 de Março, que se encontravam detidos no Presídio Militar da Trafaria.
– 16.30 – Sitiado no Quartel do Carmo, Marcello Caetano solicita ao General Spínola que ali compareça para lhe entregar o poder. Pedro Feytor Pinto, Director dos Serviços da Informação e Turismo e Nuno Távora, assessor do secretário de Estado da Informação, Pedro Pinto, serão os mediadores entre o Presidente do Conselho e o General.
– 18.00 – Spínola entra no Quartel do Carmo, sob o aplauso dos populares que enchem o largo. Marcello Caetano transmite o poder ao General, pedindo-lhe que evite que este caia na rua.
Forças da EPA entram no Regimento de Lanceiros 2. O Comandante Coronel Pinto Bessa recusa aderir ao Movimento, não sendo acompanhado pelos graduados milicianos e praças sob seu comando, que se colocam à ordens do MFA.
– 18.15 – Oficiais do Regimento de Cavalaria 7 aderem ao MFA.
– 18.40 – A emissão da RTP é interrompida. O locutor Fialho Gouveia lê um comunicado do MFA.
– 19.30 – Marcello Caetano, César Moreira Baptista, Ministro do Interior, Rui Patrício, Ministro dos Negócios Estrangeiros e Coutinho Lanhoso, adjunto militar do Presidente do Conselho, abandonam o Quartel do Carmo numa viatura Chaimite, sob os apupos da multidão.
– 20.00 – Rendidos o Presidente do Conselho e os principais membros do Governo, é lida, aos microfones do RCP, a Proclamação do MFA.
– 20.30 – O General Spínola chega ao Quartel da Pontinha, onde estava sedeado o Posto de Comando do MFA.
– 21.00 – Da sede da PIDE/DGS, que permanece cercada por populares, são disparados tiros que causam quatro mortes e várias dezenas de feridos.
– 23.30 – Ocorrem incidentes entre populares e a PSP na Avenida dos Aliados e na Praça da Liberdade, de que resultam feridos.

25 de abril – Cronologia (II)

– 4.45 – Através do RCP, é lido um segundo comunicado destinado aos militares em posição de comando, exortando-os, sob ameaça de punição, a não desencadearem operações contra o Movimento.
– 5.00 – O director da PIDE/DGS, Major Silva Pais, estabelece contacto telefónico com Marcello Caetano, dando-lhe conta das movimentações em curso, indicando o Quartel do Carmo, sede da GNR, como lugar de refúgio.
A Companhia de Caçadores 4241 ocupa as antenas do RCP e assume o controlo da Ponte Marechal Carmona, em Vila Franca de Xira.
– 05.50 – A coluna da EPC, comandada por Salgueiro Maia, chega à Baixa de Lisboa, ocupando o Banco de Portugal e a Rádio Marconi.
– 6.00 – Os militares comandados por Salgueiro Maia ocupam o Terreiro do Paço.
Marcello Caetano chega ao Quartel do Carmo.
– 7.00 – Forças da EPA ocupam posições junto ao monumento do Cristo-Rei, em Almada.
Uma força munida de auto-metralhadoras, comandada pelo Tenente-Coronel Ferrand de Almeida defronta-se com a coluna de Salgueiro Maia, que recusa a capitulação. Ferrand de Almeida rende-se.
– 8.30 – Os Ministros da Marinha e do Exército, que se haviam deslocado para os respectivos Ministérios, sitos no Terreiro do Paço, refugiam-se no Regimento de Lanceiros 2, onde começam a preparar a resistência ao golpe.
É emitido um novo comunicado do MFA, desta feita através da EN.
– 10.00 – Militares do Regimento de Cavalaria 7, comandados pelo Brigadeiro Junqueira dos Reis, adjuvados por um contigente de Lanceiros 2, deslocam-se para a Ribeira das Naus. Salgueiro Maia apela ao diálogo, recusado por Junqueira os Reis, que ordena ao Aspirante Sottomayor que abra fogo, ordem que este recusa, no que é acompanhado pelos atiradores dos carros de combate. Fracassada a confrontação, Junqueira dos Reis retira
para a Rua do Arsenal, com alguns dos seus homens.
– 10.30 – As forças do Regimento de Cavalaria 7 que ainda permaneciam na Ribeira das Naus rendem-se ao Major Jaime Neves.
– 11.00 – Salgueiro Maia inicia a marcha para o Quartel do Carmo, sendo vitoriado pela população que, desobedecendo às recomendações do MFA para permanecer em casa, sai à rua em apoio aos militares revoltosos.
O Agrupamento Norte, sob o comando do Capitão Gertrudes da Silva chega ao Forte de Peniche. A PIDE/DGS não mostra intenção de se render.
– Final da manhã – Um grupo de Fuzileiros desloca-se para a Rua António Maria Cardoso com destino à sede da PIDE/DGS. Após conversações com o Comandante Alpoim Calvão, que se encontrava nas instalações da polícia política, regressam ao quartel.

25 de abril – Cronologia (I)

– 0.30 – Os militares do MFA ocupam a Escola Prática de Administração Militar.
– 1.00 – É tomada a Escola Prática de Cavalaria de Santarém, ao mesmo tempo que se inicia a movimentação de tropas em Estremoz, Figueira da Foz, Lamego, Lisboa, Mafra, Tomar, Vendas Novas, Viseu, e outros pontos do país.
– 3.00 – As forças revoltosas, numa acção sincronizada, iniciam a ocupação dos pontos da capital considerados vitais para o sucesso da operação: o Aeroporto de Lisboa, o Rádio Clube Português, a Emissora Nacional, a RTP e a Rádio Marconi. Todos estes alvos serão ocupados sem resistência significativa.
No Norte, uma força do CICA 1 liderada pelo Tenente-Coronel Carlos Azeredo toma o Quartel General da Região Militar do Porto. Mais tarde estas forças são reforçadas por forças vindas de Lamego. Forças do BC9 de Viana do Castelo tomam o Aeroporto de Pedras Rubras.
– 3.30 – Os militares do MFA iniciam o cerco ao Quartel-General da Região Militar de Lisboa, em São Sebastião da Pedreira.
– 4.00 – Devido à falta de noticias sobre o controlo do Aeroporto de Lisboa, é adiada a transmissão do primeiro comunicado do Movimento, prevista para esta hora no RCP.
– 4.15 – O regime reagiu, com o ministro da Defesa a ordenar a forças sediadas em Braga para avançarem sobre o Porto, com o objectivo de recuperar o Quartel-General, mas estas forças tinham aderido ao MFA e ignoraram as ordens.
– 4.20 – As forças da Escola Prática de Infantaria de Mafra controlam o aeroporto de Lisboa que é encerrado. O tráfego aéreo é reencaminhado para Madrid e Las Palmas.

História 12º Ano – A difícil recuperação económica da Europa

Módulo 7 – Crises, embates ideológicos e mutações culturais na primeira metade do século XX
Unidade 1 – As transformações das primeiras décadas do século XX
– Um novo equilíbrio global
• A difícil recuperação económica da Europa

Após a I Guerra Mundial, a Europa ficou destruída a nível de infraestruturas, económico e finaceiro;
– Alterações demográficas: elevadas perdas humanas, diminuição da mão de obra, envelhecimento da população;
– Perdas materiais: destruição de casas, fábricas, minas, vias de comunicação, solos agrícolas devastados;
– Inflação galopante: procura excedia a oferta, racionamento dos bens essenciais, preços aumentam de forma abrupta, governos aumentam a circulação monetária;
Agravamento do défice: dependência dos empréstimos estrangeiros, contração de novos empréstimos;
Loucos Anos 20: período de estabilização económica, controlo dos défices e controlo da inflação e levou a um período (curto) de prosperidade;
Dependência em relação aos Estados Unidos: empréstimos, capitais investidos nos estados europeus, progressos técnicos, desenvolvimento industrial.

Economia 10º Ano – Os destinos da poupança, a importância do investimento

Conceitos essenciais para o tópico ” Os destinos da poupança, a importância do investimento”

A poupança pode ser feita de três formas: colocação financeira, entesouramento, investimento;
Colocação financeira: aplicação da poupança em produtos financeiros disponibilizados por intermédio de instituições financeiras (depósitos a prazo, acções, obrigações, certificados de aforro, bilhetes de tesouro, planos de poupança);
Entesouramento: parte da poupança que não é aplicada, limitando-se a ser reservada pelos seus proprietários (obras de arte, jóias)
Investimento: aplicar a poupança para a actividade produtiva, com o intuito de manter ou aumentar a sua capacidade;
Componentes de investimento: formação bruta de capital fixo(FBCF), variação de existências;
Natureza do investimento: material (aquisição de bens tangíveis) imaterial (aquisição de bens intangíveis, bens não corpóreos), financeiro (aquisição de activos financeiros);
Função do investimento: substituição (assegurar a capacidade produtiva), inovação (manter os equipamentos e processos de fabrico actualizados tecnologicamente), capacidade (aumento da capacidade produtiva);
Agente do investimento: público (estado), privado (agentes privados).

História 12º Ano – Sociedade das Nações

Módulo 7 – Crises, embates ideológicos e mutações culturais na primeira metade do século XX
Unidade 1 – As transformações das primeiras décadas do século XX
– Um novo equilíbrio global
• A Sociedade das Nações e a nova ordem internacional

Sociedade das Nações (SDN): formada em 1919, idealizada pelo presidente americano Wilson, 45 países signatários, criação de uma organização geral das nações após a I Guerra Mundial;
Objetivos SDN: desenvolver a cooperação entre as nações, garantir a paz e a segurança, manter relações francas e abertas, salvaguardar a paz, direito internacional, desarmamento, respeitar a integridade territorial, definição das sanções a aplicar, intervir em caso de conflito;
Fracasso da SDN: paz entre os intervenientes na I Guerra Mundial não foi “tratada”, humilhação por parte dos países vencedores aos países vencidos, desigual distribuição das reparações de guerra, interesses geostratégicos, questões das minorias não foram resolvidas na sua totalidade, descontentamento por parte dos Estados Unidos.