Música – Canção Simples

A primavera é a estação mais simples, mais encantadora e aquela que mais gosto… é o sair das noites frias, chuvosas e passar para as noites amenas, calmas e com uma breve brisa. Por outro lado, o cinzento e o castanho dão lugar ao verde e ao “arrebentar” das árvores, flores…. e claro as pessoas ganham novos tons e um sorriso “brilhante”.
A canção simples do Tiago Bettencourt traduz bem a primavera!!

Notícias – Eclipse Solar

Dentro de minutos ocorrerá o eclipse parcial do Sol e será visível em Portugal. Este fenómeno acontece duas vezes por ano, o próximo será no dia 13 de setembro de 2015 e será visível em África, Índia e na Antartica, terá uma duração aproximada de 2 horas tendo início às 7h59, atinge o seu ponto máximo às 09h01 e termina às 10h08.
A observação deste acontecimento deve ser feita com o máximo cuidado, ou seja, com óculos apropriados e para os mais curiosos o planetário do Porto e alguns centros de Ciência Viva vão colocar à disposição telescópios para que todos possam ver o eclipse.

Público – Eclipse Solar
Nasa – Lista de eclipses solares

Geografia 10º Ano – Principais tipos de precipitação

Principais tipos de precipitação:
Precipitações orográficas ou de relevo: resulta de uma subida forçada do ar quando este, tem que ultrapassar uma elevação. O ar ao subir arrefece, a humidade aumenta e se o ponto de saturação for atingido, dá-se a condensação, formação de nuvens e ocorre a precipitação;
Precipitações convectivas ou de convecção: dá-se um sobreaquecimento da superfície terrestre que, aquecendo o ar em contacto com ela, torna-o menos denso e leva à sua subida. Ao subir, o ar arrefece, atinge o ponto de saturação e respectiva condensação e origina precipitação;
Precipitações ciclónicas ou frontais: resultam do encontro de duas massas de ar com características diferentes de temperatura e humidade. A massa de ar quente sobe, o ar arrefece e aproxima-se do ponto de saturação, dando origem a formação de nuvens e consequente precipitação.

Economia 10º Ano – Rendimentos e repartição dos rendimentos

Repartição dos rendimentos: é a forma como os rendimentos são distribuidos pelos vários agentes;
Rendimento do trabalho: é o salário (nominal, real, ilíquido, liquido);
Rendimento do Capital: rendas, juros, lucros;
Principais disparidades na repartição dos rendimentos: fator capital, famílias que acumulam vários tipos de rendimentos, diferenças salariais, disparidades regionais, disparidades em função do género;
Leque salarial: é o quociente entre o salário minimo/salário máximo;
Curva Lorenz: a reta representa a igual distribuição dos rendimentos, a curva representa a desigualdade da distribuição do rendimento, quanto maior o seu afastamento perante a recta, maior a desilgualdade;
Rendimento per capita: indicador do nível médio de rendimento de uma população que é calculado através do quociente entre o Rendimento Nacional e o número de individuos que compõem essa população;
Rendimento pessoal disponível:somatório dos rendimentos primários (salários, juros, rendas, lucros) e dos rendimentos secundários (transferências internas, transferênciass externas) e retiramos os impostos e quotizações sociais

Geografia 10º Ano – Circulação Geral da Atmosfera

Definições essenciais para a unidade “Circulação Geral da Atmosfera”:
Equador: Devido à elevada temperatura, o ar sobe, formando-se baixas pressões. Em altitude, o ar, já mais frio, dirige-se para as regiões subtropicais;
Regiões subtropicais: O ar desce, originando altas pressões e, à superfície, diverge em direcção ao equador e às latitudes médias (40º a 60º N e S); ​
Latitudes Médias: O ar tropical encontra-se com o ar que vem dos pólos, provocando um movimento ascendente e a formação de baixas pressões;
Pólos: Devido às baixas temperaturas, formam-se altas pressões, por isso, o ar diverge à superfície, a partir dessas duas regiões;
– A circulação geral da atmosfera origina ventos contantes ou dominantes que sopram durante todo o ano com a mesma direcção: alísios (ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões equatoriais), ventos de oeste (ar que se desloca das altas pressões subtropicais para as baixas pressões subpolares, sentido influenciado pelo movimento de rotação da Terra, de Oeste no hemisfério morte), ventos polares (ar que se desloca das altas pressões polares para as baixas pressões subpolares);
A frente polar no hemisferio norte: frente Fria​ (é o ar frio que avança, introduzindo-se como uma cunha por baixo do ar quente, obrigando-o a subir), frente quente​ (é o ar quente que avança, sobrepondo-se ao ar frio);
Perturbações frontais: é constituída por um sector de ar tropical quente, entre dos sectores de ar polar frio (anterior e posterior), verificando-se uma dupla ascensão dinâmica do ar (frente fria: efeito da interposição do ar frio por baixo do ar quente, frente quente: sobreposição do ar quente ao ar frio);
Massa de ar: extensa porção da atmosfera que, noplano horizontal, apresenta características físicas muito homogéneas (massas de ar: tropical, polar)

Música – Preguiça

A sugestão musical de hoje está ligada ao dia internacional do sono, 13 de março. O número de horas varia de pessoa para pessoa mas há dois factores comuns para a generalidade das pessoas: o melhor sono é o da manhã e só mais 5minutos, todos fazemos isso.
Por fim, destaco a criação da linha do sono, 707 100 015 – das 11h30 às 16h30, uma forma de ajudar os portugueses a dormir melhor.

Geografia 10º Ano – Centros de altas pressões e Centros de baixas pressões

Definições para o tema “Centros de altas pressões e Centros de baixas pressões:
Pressão atmosférica: força exercida pela atmosfera em cada unidade da superfície terrestre, mede-sem milibares (mbar),
– A pressão atmosférica é: normal (quando o valor é igual a 1013 mbar), alta (quando o valor é superior a 1013 mbar), baixa (quando o valor é inferior a 1013 mbar);
Linhas isóbaras: linhas que unem pontos com a mesma pressão atmosférica;
Centros de altas pressões (anticiclones): a pressão aumenta da periferia para o centro, o movimento vertical do ar é descendente e, à superficie é divergente, ao descer, a temperatura do ar aumenta, não se dando a condensação do vapor de água. Os centros de altas pressões associam-se a céu limpo e tempo seco;
Origem dos centros de altas pressões: térmica (o arrefecimento do ar, pelo contacto com a superficie da Terra muito fria, torna-o mais denso e pesado), dinâmica (resultam do movimento descendente do ar frio que se encontra a maior altitude);
Centro de baixas pressões (depressão barométrica): a pressão diminui da periferia para o centro, o movimento do ar, à superfície, é convergente e o movimento vertical é ascendente. Ao subir, a temperatura do ar diminui, o que provoca a condensação do vapor de água, formando-se nuvens que podem originar precipitação;
Origem dos centros de baixas pressões: térmica ( aquecimento do ar, pelo contacto com a superficie da Terra muito quente, torna-o menos denso, provocando a ascensão), dinâmica ( ascensão é provocada pela convergência de ar proveniente da direcções opostas);

História 12º Ano – Portugal no primeiro pós-guerra

Síntese do tema “Portugal no primeiro pós-guerra:

Com a participação de Portugal na I Guerra Mundial: agravou-se a situação económica e financeira do país;
Os governos republicanos não conseguiam impor as suas medidas politicas e sociais e foram perdendo credibilidade ao longo do tempo;
Agricultura: rudimentar, estagnada, solos pobres, agricultura de subsistência, no Norte mantinha-se o emparcelamento, no Sul estavam as grandes propriedades;
Indústria: debilidade nos transportes e comunicações, o fontismo ainda se mantinha em prática;
Dificuldades financeiras: aumentos dos preços, fuga de capitais para o estrangeiro, défice da balança comercial, dívida pública insustentável;
Instabilidade política: divergências dentro do partido republicano, predomínio do poder legislativo sobre o poder executivo, corrupção;
Instabilidade social: dificuldades da classe média, desemprego, manifestações, greves, situação do operariado cada vez mais grave;
Falência da 1ª República: 45 governos e 7 presidentes da República (entre 1910 e 1926), agitação social, atentados;
– A 28 de maio de 1926 tem início a Ditadura Militar.