Questões de Filosofia 11.º Ano – Exame Nacional de Filosofia – Karl Popper

Exame Nacional de Filosofia – Karl Popper

1. Explique o que, de acordo com Popper, é requerido para que uma teoria seja aceite pelos cientistas.
Na sua resposta, deve:
•  explicitar a conceção indutivista de ciência e a crítica de Karl Popper a essa conceção;
•  apresentar uma posição crítica fundamentada.

2. Leia o texto.
As repetidas observações e experiências funcionam como testes das nossas conjeturas ou hipóteses, isto é, como tentativas de refutação.
K. Popper, Conjeturas e Refutações, Coimbra, Almedina, 2003, p. 82

2.1 – Apresente uma crítica à tese de Popper enunciada no texto. Na sua resposta, comece por explicar essa tese.

Tópicos de resposta:

1. – Explicitação da conceção indutivista:
• as hipóteses científicas resultam de generalizações baseadas na experiência;
• as hipóteses científicas não podem ser objeto de uma verificação conclusiva, mas podem ser confirmadas.
– Explicitação da crítica de Karl Popper:
• o ponto de partida da investigação científica são os problemas e não a observação de factos;
• a observação de casos particulares não permite nunca confirmar uma hipótese ou uma teoria;
• o único objetivo dos testes empíricos é falsificar as hipóteses ou teorias, e não verificá-las;
• uma hipótese científica é aceite/corroborada enquanto não for infirmada. – Avaliação crítica da posição de Karl Popper e do carácter conjetural das teorias científicas.

2.1 – Explicação da tese defendida:
– os testes que as hipóteses científicas têm de enfrentar não servem para confirmar a sua verdade;
– os testes e as experiências têm a finalidade de provar que as hipóteses científicas são falsas.

Apresentação de uma crítica à tese defendida:
– a caracterização que Popper faz da atividade científica não corresponde à prática dos cientistas no seu trabalho diário (a prática dos cientistas mostra que os testes e as experiências são tentativas de confirmação das hipóteses/teorias, e não de falsificação); – a perspetiva de Popper acerca da ciência não é descritiva (não caracteriza a prática científica tal como ela ocorre), mas é meramente normativa (diz como a prática científica deveria ser);
OU
– frequentemente, os cientistas interpretam o insucesso dos testes como insucessos experimentais, e não como falhas das hipóteses/teorias;
– mesmo após testes mal sucedidos, os cientistas não abandonam as hipóteses/teorias (e até prosseguem as tentativas experimentais de confirmação das hipóteses/teorias);
OU
– a nossa confiança na ciência depende de as previsões decorrentes das hipóteses/teorias serem frequentemente verificadas e não de não terem sido falsificadas; – previsões verificadas são o que se espera da ciência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *