Preparação para o Exame Nacional de Geografia: União Europeia

1. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as afirmações
consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) O Tratado de Maastricht foi assinado em Outubro de 2007, durante a última presidência portuguesa da União Europeia, numa cidade francesa.
b) A Comissão Europeia é responsável pela execução das decisões do Parlamento e do Conselho e assegura a gestão corrente da União Europeia: aplicar as políticas, executar os programas e utilizar os fundos.
c) O reforço da posição da União Europeia no contexto político internacional e no mercado mundial é um dos aspetos positivos dos alargamentos de 2004 e 2007.
d) As primeiras medidas comunitárias no domínio ambiental datam de finais dos anos 50 e a Política Ambiental foi importante desde o Tratado de Roma.
e) As alterações climáticas tornam o tempo mais instável, trazendo mais tempestades e secas e, com elas, inundações e escassez de água.

Soluções:

2. a) Falsa. O Tratado de Lisboa foi assinado em 2007, durante a última presidência portuguesa da União Europeia, em Lisboa. O Tratado de Maastricht foi assinado em 1992.
b) Verdadeira.
c) Verdadeira.
d) Falsa. As primeiras medidas comunitárias no domínio ambiental datam de finais dos anos 50 e a Política Ambiental começou a ser valorizada no Tratado de Maastricht e foi reforçada no Tratado de Amesterdão.
e) Verdadeira.

Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Áreas Rurais

1. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as afirmações
consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) Em Portugal foram definidas 10 regiões agrárias, oito no Continente e duas nas Regiões Autónomas.
b) As políticas agrícolas constituem um fator condicionante da agricultura, sobretudo na União Europeia, depois da criação da PAC.
c) Em Portugal, o sistema de cultura extensivo associa-se à policultura e aos campos fechados e irregulares do Noroeste e da ilha da Madeira.
d) Em Portugal predomina a exploração da SAU em sistema de arrendamento, sobretudo no norte do país.
e) Um dos principais objetivos da PAC, aquando da sua criação, foi criar um nível de vida para os agricultores que fosse mais próximo do da população dos outros setores de atividade.
f) A produção da biomassa é uma das atuais formas de promover o desenvolvimento do espaço rural.

Soluções: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Áreas Rurais

Geografia 11.º Ano – Ficha de Trabalho: Áreas Rurais

Ficha de Trabalho: Áreas Rurais – Agricultura

A figura representa uma área de olival.


Fonte: Vida Rural, consultado a 31 de janeiro.

1. O clima húmido do Noroeste
(A) promove a região agrária com maior área de olival.
(B) encontra no território continental português condições favoráveis ao desenvolvimento do trigo.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) traduz uma diversidade de solos essencialmente característica do clima temperado mediterrâneo.

2. O Alentejo
(A) é a região agrária com maior área de olival.
(B) encontra no território continental português condições favoráveis ao desenvolvimento do trigo.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) traduz uma diversidade de solos essencialmente característica do clima temperado mediterrâneo.

3.O azeite, produção mediterrânea por excelência,
(A) promove a região agrária com maior área de olival.
(B) encontra no território Continental Português condições favoráveis ao desenvolvimento.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) traduz uma diversidade de solos essencialmente característica do clima temperado mediterrâneo.

4.A fragmentação do solo
(A) encontrada em Entre Douro e Minho e na Beira Litoral, deve-se por exemplo, às elevadas taxas
brutas de natalidade e à partilha das terras por herança.
(B) tem como objetivo o agrupamento de pequenas explorações, de forma a constituírem-se uni- dades
de maiores dimensões.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) representa a exploração agrícola com um reduzido número de blocos.

5.O associativismo
(A) favorece o carácter tradicional da atividade agrícola.
(B) favorece a extensificação racional de um maior número de explorações agrícolas.
(C) favorece o parcelamento.
(D) favorece a reconversão e modernização da agricultura portuguesa.

Soluções: 1. C 2. A 3. A 4. A 5. D

Economia 11.º Ano – Orçamento da União Europeia

União Europeia: Orçamento da União Europeia

Fonte: EuroParlTv, consultado a 15 de janeiro de 2018

Geografia 11.º Ano – Indicação Geográfica Protegida (IGP)

Indicação Geográfica Protegida (IGP):

é a designação regulamentada pela União Europeia que protege os nomes dos produtos cuja relação com o meio geográfico subsiste, pelo menos, numa das fases de produção, transformação ou elaboração.

Tal como a menção DOP, a menção IGP garante que o produto foi obtido tradicionalmente e que tem uma reputação ou características ligadas ao território e que foi sujeito a um rigoroso sistema de controlo independente. Todos os produtos com IGP apresentam a respetiva menção, assim como a marca de conformidade e o logótipo comunitário.

– Exemplos de IGP: Carne dos Açores, Ovos Moles de Aveiro, Pastel de Chaves, Pastel de Tentúgal, Cereja da Cova da Beira, Citrinos do Algarve, Maçã de Alcobaça, Cacholeira Branca de Portalegre, Chouriça Doce de Vinhais, Queijo mestiço de Tolosa, etc.

indicacao-geografica-protegida-igp

Fontes: ADRAL, DGADR, consultado em 20 de novembro de 2016

Geografia 11.º Ano – Estratégias integradas de desenvolvimento rural

A promoção do desenvolvimento rural, está consagrada no segundo pilar da PAC.
– Em Portugal, os contrastes de desenvolvimento entre as áreas urbanas e as áreas rurais são acentuados, por este motivo as políticas de desenvolvimento rural têm vindo a ocupar um lugar reforçado na luta por uma sociedade territorialmente mais equilibrada.
– O desenvolvimento rural tem vindo a ser promovido através de políticas estruturais que permitiram a implementação de medidas de apoio, que foram financiadas por Fundos Estruturais Comunitários (FEDER, FEOGA-O e FSE) e se encontram enquadradas por vários programas, como o AGRO e o LEADER.
Programa AGRO, insere-se numa estratégia de desenvolvimento agrícola e rural que visa incentivar uma ligação entre a Agricultura e o Desenvolvimento RURAL Sustentável.
Objectivos do Programa AGRO:
• Reforço da competitividade económica das actividades agroflorestais;
• Incentivo à multifuncionalidade das explorações agrícola;
• Promoção da qualidade e da inovação da produção agroflorestal e agrorural;
• Valorização do potencial específico dos territórios;
• Melhoria das condições de vida do trabalho e do rendimento;
• Reforço da organização e iniciativa de associações dos agricultores.

Programa LEADER, tem como objectivo apoiar acções inovadoras de desenvolvimento rural nas regiões mais desfavorecidas da União Europeia. Estes projectos são desenvolvidos a nível local, envolvendo parcerias entre diferentes agentes.
Principais aspectos do Programa LEADER:
• Carácter inovador;
• Agilidade e eficiência dos apoios financeiros;
• Incremento dado ao Turismo em Espaço Rural;
• Criação de emprego nas áreas rurais;
• Apoio às iniciativas inovadoras e diversificadas.

Geografia 11.º Ano – Denominação de Origem Protegida (DOP)

– Denominação de Origem Protegida (DOP):

é a designação regulamentada pela União Europeia que protege os nomes dos produtos cuja produção, elaboração e transformação ocorrem numa região delimitada, com um saber-fazer devidamente reconhecido e verificado.
Garante ao consumidor que o produto tem sabor e aroma diferenciados, que foi obtido ou processado de forma tradicional, que tem uma enorme ligação ao território e ao saber fazer, e que foi sujeito a um rigoroso sistema de controlo independente.
Todos os produtos com DOP apresentam a respetiva menção, assim como a marca de conformidade e o logótipo comunitário.

Exemplos de produtos DOP: Azeite de Trás-os-Montes, Pera Rocha do Oeste, Carne Barrosã, etc.
denominacao-de-origem-protegida-dop

Fontes: ADRAL, DGADR, consultadas em 20 de novembro de 2016

Geografia 11.º Ano – Os Serviços no Espaço Rural

Nas últimas décadas do século XX, o sector terciário tornou-se o sector mais importante da economia portuguesa.

O processo de terciarização em Portugal foi heterogéneo, devido à distribuição irregular da população activa pelo território nacional, por exemplo, os distritos do Porto e de Lisboa tem os valores mais elevados a nível nacional.

Os distritos do interior e as regiões autónomas têm os valores mais baixos de terciarização, devido à pouca indústria e à grande importância da agricultura.

A implantação e a diversificação dos serviços nas rurais são fundamentais devido:
• melhorar as condições de vida da população;
• suporte ao desenvolvimento das actividades ligadas ao turismo e à industria.

Geografia 11.º Ano – Turismo em Espaço rural

Turismo em Espaço Rural (TER): “apresenta características próprias, pouco tendo em comum com as modalidades convencionais de turismo. Com efeito, esta atividade tem como objetivo essencial, oferecer aos utentes a oportunidade de reviver as práticas, os valores e as tradições culturais e gastronómicas das sociedades rurais, beneficiando da sua hospedagem e de um acolhimento personalizado.”
Fonte: DGADR, consultado em 13 de novembro de 2016.

Existem dois tipos de modalidades no TER;
Empreendimentos de turismo de habitação, como exemplos temos os palácios e solares;
Empreendimentos de turismo no espaço rural, como exemplos temos as casas de campo, agroturismo e hotéis rurais.

– Em resumo, o TER tem como principais vantagens:
• Diversificação das actividades económicas e da oferta turistica;
• Promoção e conversação dos recursos humanos e naturais das áreas rurais, recursos endógenos;
• Melhoria da qualidade de vida das populações rurais.

Geografia 11º Ano – As novas oportunidades para as áreas rurais

A (re)descoberta da multifuncionalidade do espaço rural.

As áreas rurais não são uniformes e apresentam grandes contrastes entre si:
junto ao litoral: apresentam um forte dinamismo económico, áreas densamente povoadas, agricultura moderna (mecanizada e mercantil), pluriatividade.
localizadas no interior: envelhecimento demográfico, despovoamento, baixo nível de instrução, pouca mão de obra qualificada, poucos equipamentos e serviços, menor capacidade de atrair população e de fixar população.

Os factores que valorizam as áreas rurais do interior relativamente às áreas rurais junto aos grandes centros urbanos. Esses factores são:
– Património paisagístico;
– Arquitectura tradicional;
– Património histórico;
– Conservam as raízes culturais da região.

Actualmente, as áreas rurais são vistas como áreas multifuncionais devido à potencialidade de actividades económicas e a promoção da pluriactividade.