Exame Nacional Geografia 2018 – 1.ª Fase: As áreas rurais em mudança

6. A Lezíria do Tejo apresenta uma ocupação cultural diversificada, com tomate, oliveira, trigo, melão, vinha e sobreiro.
Identifique as duas culturas que são temporárias de regadio.

7. O desenvolvimento da região do Alentejo passa pela exploração dos seus recursos endógenos. Duas das estratégias possíveis a fomentar são:
A – o desenvolvimento da fileira associada à extração dos minerais metálicos;
B – o desenvolvimento da fileira associada à extração das rochas ornamentais.

Selecione a estratégia, A ou B, que, como autarca, escolheria para desenvolver a região do Alentejo.
De acordo com a estratégia selecionada, apresente duas medidas, explicando de que modo contribuem para o desenvolvimento da região.

8. Em 2010, a agricultura e a floresta ocupavam cerca de 60% do território continental.
As Figuras 4A e 4B representam, respetivamente, os padrões de uso e ocupação do solo da agricultura e da floresta

8.1. A partir da análise da Figura 4A, identifique as duas regiões agrárias, além da região agrária do Alentejo, onde há maior representatividade dos concelhos com uma área agrícola superior a 40%.

Aqui estão três questões do exame nacional de Geografia, 1.ª fase, de 2018, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (oito no total) e as respectivas soluções.

Exame Nacional Geografia 2018 – 1.ª Fase: A população, como se movimenta e comunica.

2. Na Figura 2, observa-se parte do Parque das Nações, onde se localiza a Gare do Oriente, construída na área oriental da cidade de Lisboa, na margem norte do rio Tejo, aquando da Exposição Mundial de Lisboa (Expo’98 Lisboa). Esta infraestrutura é constituída por uma estação ferroviária, por uma central rodoviária, por praças de táxis, por parques de estacionamento e por uma estação de metropolitano.

2.1. As afirmações seguintes são verdadeiras.

I. O pavilhão Altice Arena está localizado a este da estação ferroviária.
II. A ponte Vasco da Gama tem, aproximadamente, 17 km.
III. A central rodoviária estabelece a ligação entre os transportes urbanos e os suburbanos.
IV. A Gare do Oriente apresenta elevada centralidade, o que contribui para a fixação de empresas no Parque das Nações.
V. O Parque das Nações é um espaço multifuncional, cuja génese está associada à Expo’98 Lisboa.

Identifique as duas afirmações cujo conteúdo pode ser comprovado através da leitura do texto introdutório ou da análise da Figura 2.

2.2. A Gare do Oriente, observada na Figura 2, é considerada um interface, porque constitui

(A) uma plataforma logística, onde existe um terminal de passageiros com ligação direta ao aeroporto de Lisboa.
(B) um nó, onde se muda do modo de transporte ferroviário para o modo de transporte fluvial.
(C) um nó, onde se estabelecem conexões entre os modos de transporte rodoviário e ferroviário.
(D) uma plataforma logística, onde ocorre transbordo de mercadorias entre os vários modos de transporte.
2.3. A ponte Vasco da Gama, observada na Figura 2, é um eixo rodoviário que veio contribuir para

(A) acentuar as assimetrias regionais entre os concelhos ribeirinhos a norte e a sul do rio Tejo.
(B) intensificar a frequência dos movimentos pendulares entre as duas margens do rio Tejo.
(C) diminuir a renda locativa nos concelhos ribeirinhos a sul do rio Tejo.
(D) reduzir a área da zona húmida da Reserva Natural do Estuário do Tejo.

3. A maioria dos turistas oriundos da União Europeia que viajam para Lisboa utiliza o transporte aéreo, em detrimento do transporte ferroviário,

(A) pelo elevado número de ligações diretas com Lisboa no espaço europeu, que reduzem a distância tempo nas viagens.
(B) por Portugal pertencer ao Espaço Schengen, o que dispensa a utilização de documentos de identificação individual.
(C) pelo elevado número de placas giratórias no espaço europeu, que aumentam a flexibilidade nos itinerários intercontinentais.
(D) por Portugal pertencer à Zona Euro, o que isenta os turistas do pagamento de taxas nos locais de embarque e desembarque.

No Scribd podem consultar e guardar a ficha e as respectivas soluções.

Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Áreas Rurais

1. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as afirmações
consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) Em Portugal foram definidas 10 regiões agrárias, oito no Continente e duas nas Regiões Autónomas.
b) As políticas agrícolas constituem um fator condicionante da agricultura, sobretudo na União Europeia, depois da criação da PAC.
c) Em Portugal, o sistema de cultura extensivo associa-se à policultura e aos campos fechados e irregulares do Noroeste e da ilha da Madeira.
d) Em Portugal predomina a exploração da SAU em sistema de arrendamento, sobretudo no norte do país.
e) Um dos principais objetivos da PAC, aquando da sua criação, foi criar um nível de vida para os agricultores que fosse mais próximo do da população dos outros setores de atividade.
f) A produção da biomassa é uma das atuais formas de promover o desenvolvimento do espaço rural.

Soluções: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Áreas Rurais

Geografia 11.º Ano – Ficha de Trabalho: Áreas Rurais

Ficha de Trabalho: Áreas Rurais – Agricultura

A figura representa uma área de olival.


Fonte: Vida Rural, consultado a 31 de janeiro.

1. O clima húmido do Noroeste
(A) promove a região agrária com maior área de olival.
(B) encontra no território continental português condições favoráveis ao desenvolvimento do trigo.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) traduz uma diversidade de solos essencialmente característica do clima temperado mediterrâneo.

2. O Alentejo
(A) é a região agrária com maior área de olival.
(B) encontra no território continental português condições favoráveis ao desenvolvimento do trigo.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) traduz uma diversidade de solos essencialmente característica do clima temperado mediterrâneo.

3.O azeite, produção mediterrânea por excelência,
(A) promove a região agrária com maior área de olival.
(B) encontra no território Continental Português condições favoráveis ao desenvolvimento.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) traduz uma diversidade de solos essencialmente característica do clima temperado mediterrâneo.

4.A fragmentação do solo
(A) encontrada em Entre Douro e Minho e na Beira Litoral, deve-se por exemplo, às elevadas taxas
brutas de natalidade e à partilha das terras por herança.
(B) tem como objetivo o agrupamento de pequenas explorações, de forma a constituírem-se uni- dades
de maiores dimensões.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) representa a exploração agrícola com um reduzido número de blocos.

5.O associativismo
(A) favorece o carácter tradicional da atividade agrícola.
(B) favorece a extensificação racional de um maior número de explorações agrícolas.
(C) favorece o parcelamento.
(D) favorece a reconversão e modernização da agricultura portuguesa.

Soluções: 1. C 2. A 3. A 4. A 5. D

Geografia – Os transportes e a organização do espaço urbano

3.2 – As áreas urbanas: dinâmicas internas
Os transportes e a organização do espaço urbano

– A tendência para o aumento da taxa de urbanização e o consequente despovoamento das áreas rurais, é, em parte, resultado da evolução dos transportes.
A organização interna das cidades pode ser alterada devido à criação de novas acessibilidades.
Os transportes, e outros factores, levaram ao crescimento dos subúrbios e ao despovoamento dos centros das cidades.
A renda locativa (preço do solo) aumenta consoante o número de acessibilidades (vias de comunicação e rede de transportes públicos).
Com a criação de novas vias de comunicação surge a especulação fundiária, ou seja, a sobrevalorização do preço do solo.

Geografia 11.º Ano – Indústria no Espaço Rural

O crescimento industrial fez-se sentir nos distritos do litoral, onde existe, entre outros factores, maior número de mão-de-obra qualificada, melhores vias de comunicação e uma grande número de serviços de apoio às empresas.

– Devido à concentração industrial nas zonas litorais e próximas das duas maiores cidades portuguesas, Porto e Lisboa, as áreas rurais começaram a sentir o efeito do despovoamento (devido ao êxodo rural e à emigração), envelhecimento da população (a população jovem procura áreas mais atractivas) e uma quebra da taxa de natalidade.

Com a melhoria e expansão da rede viária, construção de parques industriais e aproveitamento dos recursos endógenos alguns distritos do interior conseguiram um significativo crescimento industrial. Grande parte das indústrias estão ligadas às actividades tradicionais dos respectivos distritos. Como exemplo deste crescimento, temos Guarda e Castelo Branco.

– Os restantes distritos do interior e as regiões autónomas, estão poucos industrializados e as indústrias existentes estão ligadas à agricultura, exploração dos recursos do subsolo, entre outros.

Para que as áreas rurais sejam mais atractivas, para a indústria e para a população, é necessário:
• Criar infraestruturas para a implementação industrial, como parques industriais, vias de comunicação, criação de serviços de apoio às empresas, entre outros;
• Benefícios fiscais para as indústrias, como redução de impostos, redução do IMI, entre outros;
• Benefícios fiscais para a população para reduzir o êxodo rural e a baixa natalidade, como redução no IRS, aumento do apoio às famílias numerosos, incentivos à natalidade, entre outros;
• Aproveitamento dos recursos endógenos.

Geografia 11º Ano – As novas oportunidades para as áreas rurais

A (re)descoberta da multifuncionalidade do espaço rural.

As áreas rurais não são uniformes e apresentam grandes contrastes entre si:
junto ao litoral: apresentam um forte dinamismo económico, áreas densamente povoadas, agricultura moderna (mecanizada e mercantil), pluriatividade.
localizadas no interior: envelhecimento demográfico, despovoamento, baixo nível de instrução, pouca mão de obra qualificada, poucos equipamentos e serviços, menor capacidade de atrair população e de fixar população.

Os factores que valorizam as áreas rurais do interior relativamente às áreas rurais junto aos grandes centros urbanos. Esses factores são:
– Património paisagístico;
– Arquitectura tradicional;
– Património histórico;
– Conservam as raízes culturais da região.

Actualmente, as áreas rurais são vistas como áreas multifuncionais devido à potencialidade de actividades económicas e a promoção da pluriactividade.