Preparação para o Exame Nacional de Filosofia: Immanuel Kant e John Stuart Mill

1. Leia os textos A e B.

Texto A
Conseguimos portanto mostrar, pelo menos, que, se o dever é um conceito que deve ter um significado e conter uma verdadeira legislação para as nossas acções, esta legislação só se pode exprimir em imperativos categóricos, mas de forma alguma em imperativos hipotéticos.
Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Coimbra, Atlântida, 1960, pp. 61 – 62

Texto B
O objecto da ética é dizer-nos quais são os nossos deveres, ou por que meios podemos conhecê‑los; mas nenhum sistema de ética exige que o único motivo de tudo o que façamos seja um sentimento de dever. […] O motivo nada tem a ver com a moralidade da acção, embora tenha muito a ver com o valor do agente. Quem salva um semelhante de se afogar faz o que está moralmente correcto, quer o seu motivo seja o dever, ou a esperança de ser pago pelo seu incómodo.
John Stuart Mill, Utilitarismo, Lisboa, Gradiva, 2005, p. 65

1.1. Distinga imperativo categórico de imperativo hipotético, considerando o Texto A.
1.2. Interprete o exemplo dado no Texto B segundo a perspectiva ética do autor.

2. Compare a ética de Kant com a ética de Stuart Mill.
Na sua resposta deve abordar, pela ordem que entender, os seguintes aspectos:
• o princípio ético da autonomia da vontade em Kant e o princípio ético da maior felicidade em Stuart Mill;
• o critério de moralidade em Kant e em Stuart Mill.

Respostas: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Filosofia: Immanuel Kant e John Stuart Mill

Filosofia 10.º Ano – Exame Nacional: Kant e Mill

Exame Nacional: Kant e Mill

1. «Não mintas se queres que acreditem em ti quando dizes a verdade.»
O imperativo anterior é hipotético ou categórico?
Justifique a sua resposta, distinguindo os dois tipos de imperativo.

2. Leia o texto.
Compete à ética dizer-nos quais são os nossos deveres, ou por meio de que teste podemos conhecê-los, mas nenhum sistema de ética exige que o único motivo do que fazemos seja o sentimento do dever; pelo contrário, noventa e nove por cento de todas as nossas ações são realizadas por outros motivos – e bem realizadas, se a regra do dever não as condenar. […]
O motivo, embora seja muito relevante para o valor do agente, é irrelevante para a moralidade da ação. Aquele que salva um semelhante de se afogar faz o que está moralmente certo, seja o seu motivo o dever, seja a esperança de ser pago pelo incómodo; aquele que trai um amigo que confia em si é culpado de um crime, mesmo que o seu objetivo seja servir outro amigo relativamente ao qual tem maiores obrigações.
J. S. Mill, Utilitarismo, Porto, Porto Editora, 2005, pp. 58-59 (adaptado)

2.1. Identifique a tese de Mill, exposta no texto, acerca da moralidade da ação.
Justifique a sua resposta com uma citação relevante do texto.

2.2. No texto, lê-se que «Compete à ética dizer-nos quais são os nossos deveres, ou por meio de que teste podemos conhecê-los». Segundo Kant, esse teste é o do imperativo categórico.
Explique como funciona o teste proposto por Kant. Na sua resposta, recorra a um exemplo.

Tópicos de correção:

1. Identificação do imperativo: Continuar a ler Filosofia 10.º Ano – Exame Nacional: Kant e Mill

Filosofia 10.º Ano – Questões de Exame Nacional: Kant e Mill

Questões de Exame Nacional de Filosofia
A filosofia moral Kantiana e a filosofia moral utilitarista de Mill

Questões de Escolha Múltipla:

1 – De acordo com a ética de Kant, o motivo moralmente válido para honrar compromissos é:

(A) o interesse dos envolvidos.
(B) o benefício social.
(C) o dever de o fazer.
(D) a simpatia pelos envolvidos.

2 – Segundo Kant, o imperativo categórico pode ser formulado do seguinte modo: age apenas segundo uma máxima tal que:

(A) ela se torne uma lei universal.
(B) ela se torne um hábito para ti.
(C) possas ao mesmo tempo querer que ela se torne um hábito para ti .
(D) possas ao mesmo tempo querer que ela se torne uma lei universal.

3 – Kant consideraria que uma pessoa que, motivada unicamente pelo sentimento de pena, ajudasse uma criança perdida na praia a encontrar os seus pais

(A) praticaria uma ação com valor moral.
(B) agiria em conformidade com o dever.
(C) praticaria uma ação imoral.
(D) agiria por dever.

4 – A maximização da utilidade, defendida por Mill, obriga a:

(A) considerar imparcialmente o bem de cada pessoa.
(B) dar prioridade às pessoas que nos são mais próximas.
(C) satisfazer apenas o nosso interesse próprio racional.
(D) valorizar mais a comunidade do que o indivíduo.

5 – A perspetiva ética de Mill enfrenta a objeção seguinte.

(A) A felicidade não pode ser uma questão meramente quantitativa.
(B) É errado não dar prioridade aos interesses da maioria das pessoas.
(C) Temos de ser responsáveis pelas consequências do que fazemos.
(D) Dar sempre prioridade à felicidade geral é demasiado exigente.

Questão de Desenvolvimento:

1. Haverá alguma circunstância em que seja moralmente aceitável matar uma pessoa inocente, sem o seu consentimento, para salvar a vida de outras cinco pessoas?
Apresente as respostas que Kant e que Mill dariam à questão anterior, comparando-as.

Fonte: IAVE, consultado a 11 de junho de 2017

Filosofia 10.º Ano – Kant: Boa Vontade

– A Filosofia Moral Kantiana
Boa Vontade

– Boa Vontade:
• É uma vontade que age de forma moralmente correta;
• Cumpre o dever respeitando absolutamente a lei moral, ou seja, a única intenção é cumprir o dever.
• Age segundo máximas que podem ser seguidas por todos porque não violam os interesses dos outros.
• Respeita todo e qualquer ser humano considerando-o uma pessoa e não um meio para atingir qualquer fim.
• É uma vontade autónoma porque decide cumprir o dever por sua iniciativa e não por opinião dos outros.