Geografia 7.º Ano – Sistema Frontal: Superfície Frontal, Frente Fria e Frente Quente

Sistema frontal
Superfície frontal – é uma superfície que separa duas massa de ar diferentes.
Frente – linha de interseção entre a superfície frontal e a superfície terrestre.

Frente Quente:
– Na frente quente, o ar quente empurra o ar frio.

Legenda: Frente Quente

Frente Fria:
– Na frente fria, o ar frio empurra o ar quente.

Legenda: Frente Fria

Geografia 7.º Ano – Massa de ar e Tipos de Massa de ar

O que é uma massa de ar?
– É uma extensa porção de atmosfera, com as mesmas características de temperatura e de humidade.

As massas de ar classificam-se tendo em conta:
– A latitude da região de origem;
– As características da superfície terrestre sobre a qual se formou.

Tipos de massas de ar:

– Latitude da região de origem:
Polar -> Temperatura baixa.
Tropical -> Temperatura elevada.

– Características da superfície terrestre:
Marítima -> Elevada humidade sobre a qual se formou.
Continental -> Baixo teor de humidade.

Geografia 7.º Ano – Centro de Baixas Pressões

Centros de baixas pressões ou ciclone oudepressão-barométrica
• Se o valor da isóbara for menor no centro do que na periferia, designa-se centro de baixas pressões, depressão barométrica ou ciclone.
• Céu nublado.
• Possibilidade de ocorrência de precipitação.
• Instabilidade atmosférica.

Movimento do ar:
1. O ar, à superfície, converge e ascende.
2. Ao ascender arrefece.
3. Arrefecendo, o ar contrai-se.
4. Diminui a capacidade do ar conter vapor de água.
5. Aumento da nebulosidade – condensação do vapor de água.
6. Possibilidade de ocorrer precipitação.


Legenda: Centros de Baixas Pressões

Geografia 7.º Ano – Centro de Altas Pressões

Centro de altas pressões, Anticiclone.

• Se o valor das isóbaras for maior no centro do que na periferia designa-se por centro de altas pressões ou anticiclone.
• céu limpo.
• ausência de precipitação.
• estabilidade atmosférica.

Movimento do ar:
1. O ar tem um movimento descendente.
2. Ao descer a temperatura aumenta.
3. O ar expande-se.
4. Aumenta a capacidade de conter vapor de água.
5. Não ocorre precipitação.


Legenda: Centro de altas pressões

Geografia 7.º Ano – Isóbaras

Isóbaras
• Linhas que unem pontos de igual pressão atmosférica
•As isóbaras apresentam-se como curvas fechadas de forma mais ou menos concêntrica, formando centros de pressão.


Legenda: Pressão média ao nível do mar
Fonte: ECMWF, consultado a 31 de janeiro de 2019

Geografia 7.º ano – Pressão atmosférica

O que é a pressão atmosférica?
• Força que o ar exerce sobre a superfície terrestre.
• É medida por um instrumento denominado barómetro em hectopascais (hPa) ou milibares (mb).
A pressão normal, à superfície, é de 1013 hPa.
• Os diversos valores da pressão atmosférica registada ao longo da superfície terrestre são representados por isóbaras.
• À medida que a altitude aumenta, a pressão atmosférica diminui.

Fatores que influenciam a pressão atmosférica
• A pressão atmosférica varia com:
• a temperatura.
• a altitude.
• a latitude.


Figura 1 – Pressão atmosférica em Portugal Continental, consultado em 31 de janeiro de 2019
Fonte: IPMA

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: Cartas Sinópticas

Geografia A – Cartas Sinópticas
Questões de Escolha Múltipla:

Questão de Escolha Múltipla:

1 – A Figura 1 corresponde à carta sinóptica do dia 3 de janeiro de 2014.

1. A depressão barométrica identificada na Figura 1 está centrada na proximidade

(A) da Noruega.
(B) da Islândia.
(C) das Ilhas Britânicas.
(D) das ilhas açoreanas.

2. As isolinhas traçadas na carta sinóptica da Figura 1 denominam-se

(A) isotérmicas.
(B) isóbaras.
(C) isoietas.
(D) isótimas.

3. O estado do tempo que se fez sentir na Região Autónoma da Madeira, de acordo com a Figura 1, caracterizou-se por

(A) estabilidade, com a ocorrência de céu limpo e a ausência de vento.
(B) instabilidade, com a ocorrência de vento fraco e de chuva contínua.
(C) estabilidade, com a ocorrência de forte nebulosidade e de vento moderado.
(D) instabilidade, com a ocorrência de vento forte e de precipitação abundante.

4. Numa depressão barométrica, como a identificada na Figura 1, a circulação do ar à superfície é

(A) ascendente e divergente.
(B) convergente e descendente.
(C) convergente e ascendente.
(D) descendente e divergente.

5. A diferença entre os valores da precipitação registados no noroeste e no nordeste de Portugal continental deve-se, entre outras razões, à

(A) presença de relevo montanhoso na região noroeste.
(B) orientação discordante das montanhas localizadas a norte do rio Douro.
(C) menor profundidade dos vales da bacia do rio Douro.
(D) passagem frequente das perturbações da frente polar, na região nordeste.

6. As medidas destinadas a minimizar os impactes negativos da ocorrência de precipitação intensa são, entre outras,

(A) a construção de diques e a impermeabilização das encostas.
(B) a florestação das cumeadas e a proibição de construção nos interflúvios.
(C) a construção de terraços nas vertentes e o estreitamento dos leitos normais dos rios.
(D) a florestação de vertentes e a interdição da construção nos leitos de cheia.

Questão de Desenvolvimento:

1 -A Figura 5 representa a carta sinóptica de superfície de parte do Atlântico e da Europa, no dia 16 de Fevereiro de 2009. A Figura 6 reproduz uma imagem de satélite do mesmo dia.

1. Apresente duas das razões explicativas da fraca nebulosidade originada pelo centro barométrico que, no dia 16 de Fevereiro de 2009, influenciava o estado do tempo em Portugal Continental.

2. Mencione duas das características do estado do tempo geralmente associadas à passagem de uma frente fria, como a que, no dia 16 de Fevereiro de 2009, influenciava o estado do tempo no arquipélago dos Açores (Figura 5).

3. Refira as duas condições meteorológicas que, além da temperatura baixa, proporcionam a formação de geada.

4. Explique a diferença entre os totais anuais de precipitação que, em Portugal Continental, se registam no Norte litoral e no Alentejo litoral, considerando:
• a influência da latitude;
• as características do relevo.

Fonte: IAVE, consultado a 18 de junho de 2017