Notícias: “Salvem o planeta como salvaram a Notre-Dame”, pediu Greta Thunberg.

Greta Thunberg começa a ser uma cara cada vez mais conhecida no Parlamento Europeu. Na participação que fez esta terça-feira, 16 de abril, voltou a apresentar-se como tem feito nas últimas semanas: “O meu nome é Greta Thunberg, venho da Suécia e quero que entrem em pânico”. Desta vez a mensagem que quis passar foi: é preciso tanta urgência na vontade de salvar o ambiente como aquela demonstrada depois da que foi mostrada no incêndio na catedral de Notre-Dame, em Paris, esta segunda-feira.

“Ontem [segunda-feira], o mundo inteiro assistiu com tristeza e desespero ao fogo que assolou a Notre-Dame, em Paris. Mas a Notre-Dame vai ser reconstruída”, disse a jovem que incitou milhões de estudantes a tornarem-se mais civicamente ativos contra as alterações climáticas, em Estrasburgo.

Artigo completo: “Salvem o planeta como salvaram a Notre-Dame”

Fonte: Sábado, consultado a 22 de abril de 2019.

Notícias: DIA DA TERRA 2019: Quantos mais Dias da Terra serão precisos?

Em 1969, após a assistir a um derrame de petróleo em Santa Bárbara, no estado da Califórnia, o senador americano Gaylord Nelson começou a arquitectar a ideia ambiciosa de colocar as questões climáticas na agenda política nacional. A tarefa não seria fácil: canalizavam-se quantidades monstruosas de dinheiro para a exploração de combustíveis fósseis; as indústrias altamente prejudiciais triunfavam num crescimento mundial desenfreado; o cheiro a smog e a poluentes tóxicos nas vilas e cidades era apenas sinal de prosperidade e desenvolvimento económico. Tomar os impactos ambientais em conta nas decisões políticas era ainda extremamente rudimentar. O céu era o limite para o crescimento económico.

Um ano depois, escolheu-se o dia 22 de Abril de 1970 para se comemorar o primeiro Dia da Terra. Uma data que ficaria para a história da América e do mundo contemporâneo: foi a primeira vez que se reconheceu a necessidade de se assinalar um dia específico no calendário para celebrar a Terra e alertar para a destruição ambiental. Nelson, em conjunto com o congressista republicano Pete McCloskey e uma equipa de 85 funcionários, coordenaram e organizaram acções, demonstrações e protestos por todo o país. Vinte milhões de americanos saíram à rua nesse dia, alertando para a urgência de tomar medidas contra a iminente crise climática que se aproximava, e focando-se sobretudo nas questões de saúde pública, como água limpa e ar respirável para todos.

Artigo completo: Quantos mais Dias da Terra serão precisos?

Fonte: Público, consultado a 22 de abril de 2019.

Notícias: Dia da Terra. Planeta perdeu 40% dos animais desde 1970

O dia é da Terra, mas são os humanos que estão sob foco, desde o desaparecimento de animais ao desgaste de recursos do planeta. Estima-se que o homem tenha impactado 83% da superfície terrestre.

Celebra-se esta segunda-feira, 22 de abril, o Dia Internacional da Terra. Mas apesar de o dia ser do planeta, as estrelas somos nós, os humanos. Segundo dados publicados pela associação ambientalista Zero a propósito do efeméride festiva, a situação ambiental no nosso planeta tem-se alterado de forma alarmante desde 1970, ano em que o Dia da Terra começou a ser celebrado: segundo a associação, por exemplo, 40% dos animais do nosso planeta desapareceram desde aquele ano.

De acordo com a Zero, a Terra enfrenta “a maior taxa de extinção desde que perdemos os dinossauros há mais de 60 milhões de anos”. O motivo? Os humanos e as suas atividades. “Alterações climáticas, desmatamento, perda de habitat, tráfico e caça furtiva, agricultura insustentável, poluição e uso de pesticidas”, são algumas das causas humanas para a diminuição da biodiversidade dadas pela associação, que faz o apelo para que o Dia da Terra deste ano seja celebrado a pensar na proteção das espécies.

Artigo completo: Planeta perdeu 40% dos animais desde 1970.

Fonte: Observador, consultado no dia 22 de abril de 2019

Geografia 7.º Ano – Os fatores que influenciam a temperatura

A variação da temperatura com os fatores do clima:

– Latitude
• As regiões equatoriais são as mais chuvosas;
• A precipitação diminui à medida que nos deslocamos para as regiões tropicais;
• Nas regiões polares a precipitação é escassa.

– Altitude
• A precipitação é mais abundante na encosta exposta ao vento.

– Continentalidade e proximidade do mar
• Regiões próximas do mar apresentam mais humidade e por isso maior precipitação.

– Correntes Marítimas
•As correntes marítimas são deslocamentos horizontais e verticais de grandes extensões das águas oceânicas.
•Dependendo do lugar de origem, podem ser: quentes, se forem provenientes das regiões equatoriais e tropicais; frias, se provenientes das regiões polares;
Assim, se as correntes marítimas forem quentes, a temperatura dos lugares situados no litoral por onde passam vai ser mais elevada. Pelo contrario, se forem frias, a temperatura das áreas litorais vai ser menor.

– Relevo

• À medida que a altitude aumenta a temperatura diminui.
• A diminuição da temperatura em altitude deve-se:
•• à maior rarefação do ar, isto é, à menor concentração de gases e de partículas sólidas e líquidas no ar, diminuindo, então, a absorção de radiação solar; à menor influência da radiação terrestre, pois um lugar de maior altitude está menos próximo desta fonte de calor.
• As vertentes que estão expostas a sul são designadas soalheiras e, por isso, mais quentes.

Geografia 7.º Ano – Fatores do Clima

Fatores climáticos
• Latitude;
• Continentalidade/ Proximidade do mar;
• Altitude;
• Orientação das vertentes;
• Correntes marítimas.

Geografia 7.º Ano – Elementos do Clima

Os elementos do clima são:
• Temperatura;
• Humidade;
• Nebulosidade;
• Precipitação;
• Pressão atmosférica;
• Vento;
• Insolação.

Geografia 7.º Ano – Texto de Apoio: Estado do Tempo e Clima

O estado do tempo que se faz sentir numa localidade durante a manhã pode ser diferente do registado durante a tarde; do mesmo modo que o estado do tempo durante a manhã no centro de Portugal Continental pode ser completamente diferente do registado no norte ou no sul do país, bem como nos arquipélagos da Madeira e dos Açores.
Deste modo, o estado do tempo varia de momento para momento e de lugar para lugar. É, pois, mutável.
Quando numa região se verifica que ano após ano as características do estado do tempo se repetem de forma relativamente idêntica, por exemplo, que os invernos são frios e chuvosos e os verões quentes e secos, estamos a falar de clima.
Assim, por exemplo, o clima mediterrâneo possui um verão quente e praticamente sem chuva, dado que a maioria dos estados do tempo analisados para o estudo deste tipo de clima apresentam estas características.

Fonte: Porto Editora

Geografia 7.º Ano – Estado do Tempo e Clima

Frequentemente, utilizam-se os conceitos de estado do tempo e clima como sinónimos. No entanto, estes conceitos são bem distintos e a sua diferenciação está relacionada com o período de tempo que se tem em consideração na sua análise.

Estado de tempo e clima são noções diferentes:

Estado do tempo, estado da atmosfera, num determinado lugar e num curto período de tempo, resultante da conjugação de vários elementos do clima.

Clima, comportamento médio dos elementos climáticos durante, pelo menos, 30 anos.

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: Cartas Sinópticas

Geografia A – Cartas Sinópticas
Questões de Escolha Múltipla:

Questão de Escolha Múltipla:

1 – A Figura 1 corresponde à carta sinóptica do dia 3 de janeiro de 2014.

1. A depressão barométrica identificada na Figura 1 está centrada na proximidade

(A) da Noruega.
(B) da Islândia.
(C) das Ilhas Britânicas.
(D) das ilhas açoreanas.

2. As isolinhas traçadas na carta sinóptica da Figura 1 denominam-se

(A) isotérmicas.
(B) isóbaras.
(C) isoietas.
(D) isótimas.

3. O estado do tempo que se fez sentir na Região Autónoma da Madeira, de acordo com a Figura 1, caracterizou-se por

(A) estabilidade, com a ocorrência de céu limpo e a ausência de vento.
(B) instabilidade, com a ocorrência de vento fraco e de chuva contínua.
(C) estabilidade, com a ocorrência de forte nebulosidade e de vento moderado.
(D) instabilidade, com a ocorrência de vento forte e de precipitação abundante.

4. Numa depressão barométrica, como a identificada na Figura 1, a circulação do ar à superfície é

(A) ascendente e divergente.
(B) convergente e descendente.
(C) convergente e ascendente.
(D) descendente e divergente.

5. A diferença entre os valores da precipitação registados no noroeste e no nordeste de Portugal continental deve-se, entre outras razões, à

(A) presença de relevo montanhoso na região noroeste.
(B) orientação discordante das montanhas localizadas a norte do rio Douro.
(C) menor profundidade dos vales da bacia do rio Douro.
(D) passagem frequente das perturbações da frente polar, na região nordeste.

6. As medidas destinadas a minimizar os impactes negativos da ocorrência de precipitação intensa são, entre outras,

(A) a construção de diques e a impermeabilização das encostas.
(B) a florestação das cumeadas e a proibição de construção nos interflúvios.
(C) a construção de terraços nas vertentes e o estreitamento dos leitos normais dos rios.
(D) a florestação de vertentes e a interdição da construção nos leitos de cheia.

Questão de Desenvolvimento:

1 -A Figura 5 representa a carta sinóptica de superfície de parte do Atlântico e da Europa, no dia 16 de Fevereiro de 2009. A Figura 6 reproduz uma imagem de satélite do mesmo dia.

1. Apresente duas das razões explicativas da fraca nebulosidade originada pelo centro barométrico que, no dia 16 de Fevereiro de 2009, influenciava o estado do tempo em Portugal Continental.

2. Mencione duas das características do estado do tempo geralmente associadas à passagem de uma frente fria, como a que, no dia 16 de Fevereiro de 2009, influenciava o estado do tempo no arquipélago dos Açores (Figura 5).

3. Refira as duas condições meteorológicas que, além da temperatura baixa, proporcionam a formação de geada.

4. Explique a diferença entre os totais anuais de precipitação que, em Portugal Continental, se registam no Norte litoral e no Alentejo litoral, considerando:
• a influência da latitude;
• as características do relevo.

Fonte: IAVE, consultado a 18 de junho de 2017

Notícias -Ártico bate recordes de calor entre outubro de 2015 e setembro de 2016

A temperatura média anual do Ártico em terra supera em 3,5 graus Celsius (ºC) a registada em 1900.

O Ártico bateu recordes de calor no período de 12 meses terminado em setembro, quando o ar quente desencadeou uma fusão massiva de gelo e neve e atrasou o gelo do inverno, divulgaram cientistas na terça-feira.
A avaliação lúgubre foi feita no relatório sobre o Ártico relativo a 2016, um documento revisto por outros cientistas que não os seus autores, feito por 61 cientistas de todo o mundo, que é publicado pela agência governamental dos EUA para a Atmosfera e os Oceanos (NOAA, na sigla em Inglês).

Notícia completa: Dinheiro Vivo, consultado a 14 de dezembro de 2016