Exame Nacional de Geografia 2020 – 1.ª Fase – Esperança Média de Vida, Cidades e Áreas Metropolitanas

Exame Nacional de Geografia 2020 – 1.ª Fase – Versão 1
Questões 1 – 2

1. O Instituto Nacional de Estatística (INE), nas estatísticas demográficas, considera dois indicadores para a esperança de vida (a esperança de vida à nascença e a esperança de vida aos 65 anos).
As Figuras 1A e 1B representam a variação espacial da esperança de vida à nascença e aos 65 anos, em Portugal continental, por NUTS III, no período 2014-2016.


A partir da análise da Figura 1A, associe cada letra do intervalo de idades, da coluna I, ao(s) número(s) da NUTS III, da coluna II, que lhe corresponde(m).

1.2. Da análise da Figura 1B, podemos inferir que, em Portugal continental, é expectável que um indivíduo com 65 anos consiga atingir, em média, uma idade
(A) superior a 84 anos.
(B) entre os 82 e os 84 anos.
(C) entre os 80 e os 82 anos.
(D) inferior a 80 anos.

1.3. De acordo com as Figuras 1A e 1B, é expectável que um indivíduo que nasça em 2016 viva, em média, até uma idade menos avançada do que um indivíduo que, no mesmo ano, tenha 65 anos.
Esta variação pode ser explicada, principalmente, pela
(A) adoção de hábitos alimentares mais saudáveis por parte dos jovens.
(B) inovação tecnológica na área da medicina pediátrica e geriátrica.
(C) maior exposição dos jovens e dos adultos a fatores de risco.
(D) falta de acompanhamento médico regular no período pré-natal.

1.4. Na atualidade, discute-se o prolongamento da idade da reforma associado ao aumento da esperança de vida, devido, principalmente, à necessidade de
(A) elevar o número de contribuintes ativos.
(B) assegurar a formação intergeracional de ativos.
(C) aumentar a percentagem de ativos qualificados.
(D) proporcionar o envelhecimento ativo.

2. Nas cidades das áreas metropolitanas, há um elevado número de idosos em situação de isolamento ou de abandono, para os quais há necessidade de intervenção social.
Refira duas medidas, justificando como podem dar resposta ao problema do isolamento dos idosos nas cidades das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto.

Correcção: AQUI
Fonte: IAVE, consultado a 8 de setembro de 2021

Geografia 10.º Ano – Pandemia fez cair a natalidade em Portugal

Pandemia fez cair a natalidade em Portugal

É possível que 2021 e o início de 2022 sejam os anos deste século com menor indicador de fecundidade em Portugal, que pela primeira vez pode ficar abaixo dos 80 mil nascimentos.

Dados preliminares de um estudo indicam uma descida de 6,6% na taxa bruta do nosso país.

Um declínio visível noutros países do sul da Europa, sobretudo em Itália, onde os nascimentos caíram 9,1% e Espanha com menos 8,4%.

Notícia completa com vídeo: Notícia + Vídeo

Fonte: RTP, consultado a 31 de agosto de 2021.

Geografia – Exercício de preparação para o Exame Nacional (Aprendizagens Essenciais) – A população: evolução e diferenças regionais

Sugestão de preparação para o Exame Nacional de Geografia.

Ler e definir os seguintes conceitos do Tema 1. A população, utilizadora de recursos e organizadora de espaços
Subtema: A população: evolução e diferenças regionais:

Conceitos: crescimento natural, saldo migratório, taxa de natalidade, taxa de mortalidade, taxa de mortalidade infantil, esperança de vida à nascença, crescimento efetivo, estrutura etária, taxa de fecundidade, índice de renovação de gerações, índice sintético de fecundidade,
envelhecimento demográfico, índice de dependência de idosos, índice de dependência de jovens, nível de qualificação profissional, estrutura
ativa, desemprego, emprego temporário, taxa de alfabetização, taxa de desemprego, tipos de emprego, desenvolvimento sustentável, qualidade
de vida.

Exemplo de Exercício:

1. Lê e comenta a seguinte afirmação.

“Devem considerar-se três causas fundamentais para o envelhecimento demográfico verificado em Portugal. Por um lado a retração do número de filho. Por outro lado, a diminuição da mortalidade ou o controlo da mortalidade precoce tem induzido ao aumento da esperança média de vida, conduzindo a um maior número de indivíduos com idades mais avançadas. Finalmente, uma terceira causa (mais indireta) que diz respeito aos fluxos migratórios – a saída de população, especialmente de determinados grupos etários (e.g. em idade ativa e em idade fértil), não compensada pela entrada de imigrantes. Adaptado de Oliveira e Gomes.

Fonte: Obervatório das Migrações, consultado a 11 de abril de 2021.

Notícias – Desemprego na UE e Zona Euro em mínimos de mais de sete anos

Em Outubro, a taxa de desemprego tanto na Zona Euro como na União Europeia atingiu o valor mais baixo em mais de sete anos. Os dados divulgados pelo Eurostat esta quinta-feira, 1 de Dezembro, revelam que a taxa de desemprego na Zona Euro situou-se nos 9,8% em Outubro – o valor mais baixo desde Julho de 2009. Este valor contrasta com a taxa de desemprego de 10,6% registada em Outubro de 2015 na área do euro. Em Setembro, o desemprego estava nos 9,9%.

No que diz respeito à União Europeia, a taxa de desemprego no último mês de Outubro fixou-se nos 8,3%, o que corresponde ao valor mais baixo desde Fevereiro de 2009. Em Outubro de 2015, a taxa de desemprego estava nos 9,1%, de acordo com os dados do Eurostat. Por conseguinte, é estimado que 20,448 milhões de cidadãos da União Europeia, dos quais 15,908 milhões são cidadãos da Zona Euro, estavam em situação de desemprego naquele mês. Face a Setembro, na União a 28 houve menos 190 mil pessoas desempregadas em Outubro.

Noticia completa: Jornal de Negócios, consultado a 1 de dezembro de 2016

Economia 10º Ano – Famílias portuguesas ficaram mais pobres e desiguais no arranque da década

A conjuntura do início da década de 2010, levou a que as famílias portuguesas não conseguissem aumentar a sua riqueza líquida mediana.
Para essa diminuição, contribuíram factores como a crise económica vivida em Portugal, o aumento da inflação, aumento do desemprego e o endividamento das famílias.

No segundo trimestre de 2013, a riqueza líquida mediana detida pelas famílias residentes em Portugal era de 71,2 mil euros, 16,2% abaixo da mediana de 85 mil euros apurada em 2010.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) e do Banco de Portugal, que divulgaram nesta quarta-feira, 26 de Outubro, os resultados do Inquérito à Situação Financeira das Famílias com base em dados parciais de 2013, a riqueza líquida mediana dos 10% de famílias com maior rendimento (240 mil euros) era, então, 9,8 vezes superior à riqueza líquida mediana dos 20% com menor rendimento (24,6 mil euros).

Notícia Complea: Jornal de Negócios, consultado a 27 de outubro de 2016