Exame Nacional de Geografia 2020 – 1.ª Fase – Bacias Hidrográficas, Rios, Barragens e Painéis Fotovoltaicos

Exame Nacional de Geografia 2020 – 1.ª Fase – Versão 1
Questões 4 – 5

4. Na Figura 3, estão representadas as principais bacias hidrográficas e algumas das albufeiras existentes em Portugal continental.
No mapa, para cinco bacias hidrográficas, são apresentados dois valores percentuais, um para o armazenamento do mês de agosto de 2019 e outro para a média de armazenamento dos meses de agosto no período de 1991 a 2018.
Nos gráficos, para cada albufeira considerada, são apresentadas as percentagens de armazenamento nos meses de agosto dos anos de 2015, de 2017 e de 2019.
Na figura, é ainda referida a capacidade máxima das albufeiras em hm3 (hectómetros cúbicos).

4.1. As afirmações seguintes são todas verdadeiras.
I. A albufeira de Castelo de Bode abastece a rede pública de água da cidade de Lisboa.
II. A albufeira de Alqueva dispõe de uma capacidade máxima de armazenamento superior à da albufeira de Castelo de Bode.
III. A bacia hidrográfica do rio Mondego apresenta, em agosto de 2019, uma percentagem de armazenamento superior à média dos meses de agosto no período de 1991 a 2018.
IV. A albufeira de Alqueva apresenta, em média, uma área inundada de 25 000 ha.
V. A capacidade total de armazenamento de água de todas as albufeiras existentes em Portugal a norte do rio Tejo é maior do que a capacidade total de armazenamento das albufeiras a sul do rio Tejo.

Identifique as duas afirmações que podem ser comprovadas através da análise da Figura 3.

4.2. Das albufeiras identificadas na Figura 3, as duas cujos níveis de armazenamento podem ser afetados pela ocorrência de precipitação em Espanha são
(A) a de Castelo de Bode e a de Aguieira.
(B) a de Alqueva e a de Aguieira.
(C) a de Castelo de Bode e a do Alto Lindoso.
(D) a de Alqueva e a do Alto Lindoso.

4.3. De acordo com a Figura 3, as albufeiras da bacia hidrográfica do rio Sado são as que registam as percentagens mais baixas de armazenamento de água nos meses de agosto de 2015, de 2017 e de 2019.

Dois fatores que podem justificar esses valores são
(A) o consumo industrial e a criação de gado no montado.
(B) a fraca precipitação no verão e a produção hidroelétrica.
(C) o abastecimento doméstico e a atividade náutica no espelho de água.
(D) a forte evaporação no verão e a irrigação dos campos agrícolas.

4.4. Considere a possível construção de um transvase no local assinalado na Figura 3.

Explique a razão pela qual a construção de um transvase nesse local permitiria minimizar o défice hídrico na bacia hidrográfica do rio Sado.

5. As Figuras 4A e 4B ilustram duas formas de potencializar a produção de energia elétrica, em complementaridade com a produção de energia de origem hídrica.

Na Figura 4A, está ilustrada a instalação de painéis fotovoltaicos sobre o espelho de água da albufeira do Alto Rabagão.
Na Figura 4B, no Esquema I, a água da albufeira de Alqueva flui para a albufeira de Pedrógão durante o dia, produzindo-se energia elétrica através do movimento de turbinas. No Esquema II, durante a noite, água da albufeira de Pedrógão é reenviada para a albufeira de Alqueva, recorrendo-se a bombas que são alimentadas por aerogeradores.

5.1. Numa sessão de trabalho de planeamento do território, foram apresentadas duas estratégias de complementaridade à produção de energia elétrica em barragens, como as ilustradas nas figuras:
A – a instalação de painéis fotovoltaicos flutuantes no espelho de água das albufeiras;
B – a instalação de aerogeradores na proximidade de barragens equipadas com sistema de bombagem.

Selecione uma das estratégias, A ou B. De acordo com a estratégia selecionada, apresente duas razões, explicando de que modo essa estratégia de complementaridade potencializa a produção de energia elétrica.

5.2. A construção de barragens tem impactes na dinâmica do litoral, como
(A) o avanço progressivo da linha de costa.
(B) a redução do abastecimento de sedimentos.
(C) o aumento da amplitude das marés durante o verão.
(D) a intensificação da deriva litoral, no sentido N/S.

Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 8 de setembro de 2021.

Geografia: Disponibilidades de águas superficiais e subterrâneas

Disponibilidades de águas superficiais e subterrâneas.

Os recursos hídricos são utilizados a nível nacional para diversos fins – abastecimento doméstico, industrial, agrícola e turismo. Importa assim conhecer e acompanhar a evolução das disponibilidades hídricas, sendo este acompanhamento mais relevante nos períodos extremos.

As reservas hídricas superficiais são determinadas pela análise comparativa do armazenamento de água disponível em 62 albufeiras, localizadas nas principais bacias hidrográficas do país. Nesta análise são excluídas as albufeiras a fio-de-água, as de uso privado e com diminuta capacidade de regularização.

O índice de escassez permite relacionar as disponibilidades com as necessidades e assim aferir a procura em relação à oferta de forma a considerar se existe escassez em cada região hidrográfica.

Fonte: REA – APA, consultado a 5 de setembro de 2021.

Geografia: Relatório pede colaboração Portugal-Espanha na gestão de rios cada vez mais secos

Relatório pede colaboração Portugal-Espanha na gestão de rios cada vez mais secos.

A ANP/WWF aponta o aumento do uso de recursos em Portugal, como a irrigação intensiva a partir da barragem de Alqueva, e em Espanha, em Campo de Cartagena, como provas do “colapso provável da biodiversidade e a diminuição da segurança para a natureza e para as pessoas”.
O futuro adivinha-se seco na Península Ibérica, alertou esta segunda-feira a organização ambientalista ANP/WWF, com um relatório em que defende mais colaboração entre Portugal e Espanha para gerir rios e disponibilidade da água.
“De um modo geral, os modelos (climáticos) confirmam uma redução da precipitação em conjunto com um aumento consistente de temperaturas médias, resultando em maior evapotranspiração”, refere a Associação Natureza Portugal, representante nacional da organização internacional World Wide Fund for Nature (ANP/WWF).
O resultado disso, com tendência para um agravamento até 2050, será “menos água no solo, nos rios e nos aquíferos à medida que avançar o século XXI”.
Notícia completa: AQUI

Fonte: Rádio Renascença, 5 de setembro de 2021.

Exame Nacional Geografia 2018 – 1.ª Fase: Os recursos hídricos.

4. Na Figura 3, está representada a rede hidrográfica de Portugal continental, cujas características estão
relacionadas, entre outros fatores, com a natureza das rochas, com os acidentes tectónicos, com as
condições atmosféricas e com a intervenção humana. Também estão representadas as albufeiras do
Sabugal e de Meimoa, cujas cotas do nível base se encontram, respetivamente, a cerca de 760 metros e
a cerca de 560 metros.

4.1. De acordo com a Figura 3, os dois rios que apresentam os troços mais extensos com suscetibilidade
elevada a cheias e a inundações são
(A) o Tejo e o Mondego.
(B) o Tejo e o Sado.
(C) o Mondego e o Vouga.
(D) o Sado e o Vouga.

4.2. A suscetibilidade elevada a cheias e a inundações, representada na Figura 3, deve-se, principalmente,
(A) ao predomínio de relevo de vales largos e pouco encaixados.
(B) à ação da vegetação na retenção do escoamento superficial.
(C) ao perfil transversal do rio em forma de «V» fechado.
(D) à existência de rochas e solos permeáveis no leito do rio.

4.3. Considere as afirmações I, II e III, que se referem aos objetivos da construção de um transvase, como
o identificado na Figura 3, entre o rio Coa e a ribeira de Meimoa.
Selecione a opção que identifica corretamente as afirmações verdadeiras e as falsas.
I. O transvase contribui para atenuar o défice hídrico na albufeira de Meimoa, que abastece o
projeto agrícola da Cova da Beira.
II. O transvase contribui para aumentar a disponibilidade hídrica na bacia do rio Tejo.
III. O transvase contribui para aumentar o caudal do rio Coa.
(A) II é verdadeira; I e III são falsas.
(B) I e II são verdadeiras; III é falsa.
(C) I e III são verdadeiras; II é falsa.
(D) III é verdadeira; I e II são falsas.

5. Um dos objetivos da construção de barragens com albufeira de retenção é minimizar os efeitos da
irregularidade da precipitação.
Refira duas funções das barragens que permitem concretizar esse objetivo.

No Scribd podem consultar e guardar a ficha e as respectivas soluções.

Geografia – Exercícios de Preparação para o Exame Nacional: Bacias Hidrográficas

Grupo I

Na figura estão representadas, por bacia hidrográfica, as principais origens de águas subterrâneas e de águas superficiais que abastecem mais de 10 000 habitantes, em Portugal continental.

1. As bacias hidrográficas assinaladas com as letras X, Y e W são, respetivamente, as correspondentes aos rios
(A) Vouga, Mira e Guadiana.
(B) Lis, Sado e Guadiana.
(C) Mondego, Sado e Guadiana.
(D) Mondego, Mira e Guadiana.

2. A leitura da figura permite concluir que as principais origens de água para abastecimento de mais de 10 000 habitantes se localizam, sobretudo, a
(A) oeste da bacia hidrográfica do rio Guadiana.
(B) sul da bacia hidrográfica do rio Mondego.
(C) sul da bacia hidrográfica do rio Sado.
(D) norte da bacia hidrográfica do rio Tejo.

3. A orientação dos principais rios das bacias hidrográficas assinaladas, na figura, com as letras Y e W são, respetivamente
(A) sul-norte e norte-sul.
(B) norte-sul e sul-norte.
(C) este-oeste e norte-sul.
(D) norte-sul e este-oeste.

4. A principal utilização das águas subterrâneas verifica-se no setor
(A) urbano.
(B) industrial.
(C) agrícola.
(D) terciário.

[…]

Grupo III
A figura representa as cargas difusas de azoto na região hidrográfica Minho e Lima.

1. Mencione as duas principais bacias hidrográficas que integram esta região hidrográfica.
2. Identifique a origem provável do facto representado, referindo o impacte das cargas de azoto sobre os cursos de água desta região.

[…]

Aqui estão seis questões de preparação para o exame, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (treze no total) e as respectivas soluções.

Geografia 10º Ano – Disponibilidades hídricas

Definições essenciais para o tema “Disponibilidades hídricas”:

Precipitação: parte da água precipitada é devolvida para atmosfera através da evapotranspiração e o restante através do escoamento superficial ou escoamento subterrâneo;
Escoamento superficial, infiltração, evapotranspiração dependem: total de precipitação, temperatura, características dos solos, relevo, vegetação, acção humana;
Águas superficiais:
Rios: redes hidrográficas, relevo mais acidentado no Norte explica a maior densidade, maiores rios portugueses (Douro, Tejo, Guadiana, Minho), orientação este-oeste ou nordeste-sudoeste (excepções: Sado, Guadiana), bacia hidrográfica;
Albufeiras: construção barragens, regularização caudais, irrigação agrícola, produção de energia eléctrica, turismo;
Lagos ou lagoas naturais: depressões topográficas, devido à sua dimensão as mais comuns são as lagoas, lagoas de origem marinho-fluvial, lagoas de origem glaciária, lagoas de origem vulcânica;
Águas subterrâneas: resultam da infiltração das águas da precipitação, toalhas freáticas, aquíferos, localizam-se principalmente nas bacias sedimentares, exsurgência, ressurgência;
Águas minerais naturais e de nascente: Recursos do subsolo
Principais problemas na utilização e gestão da água: irregular distribuição da água, poluição, eutrofização, desflorestação, salinização, aumento do consumo de água, sistema de tratamento de águas dos efluentes domésticos e industriais (ETAR);
Eficiência da utilização da água:
Agricultura: técnicas de rega, culturas adaptadas ao clima, reutilização da água;
Industria: utilização de novas tecnologias, tratamento de águas residuais e sua utilização;
Fins domésticos: racionalização do consumo de água.