Exame Nacional de Geografia A e Critérios de Correção – Ano Letivo 2017/2018

Os alunos do 11º ano realizaram o Exame Nacional de Geografia A.
Podes consultar aqui o enunciado e os critérios de correção do Exame Nacional de Geografia A.

Exame Nacional – Geografia A – 2017-2018
Critérios de Correção

Fonte: IAVE, consultado em 22 de junho de 2018

Notícias – Nasceram menos sete crianças por dia em 2017

Notícias de Geografia:

Dados do Ministério da Justiça registam que há menos 2702 crianças em 2017 do que em 2016. Os registos e notariado indicam 88 150 nascimentos no ano passado, quando no período anterior eram 90 852, uma diferença de, em média, menos 7,3 bebés por dia. E, apurou o DN, os testes do pezinho revelam também uma descida, informação que deverá ser hoje disponibilizada pelo Instituto Nacional Ricardo Jorge.

Notícia completa: Nasceram menos sete crianças por dia em 2017

Fonte: Diário de Notícias, consultado a 11 de janeiro de 2018

Explicações – Regra de 3 simples

Pequeno video explicativo da Regra de 3 simples.

Video:

Fonte: FFMS, consultado a 19 de julho de 2017

Explicações de Geografia – 2.ª Fase dos Exames Nacionais 2017

Explicações de Geografia e Preparação para o Exame Nacional.
Explicações Individuais ou em Grupo (máximo 3 alunos)
Contacto: 918 827 069
Local: Póvoa de Varzim

Notícias – Euro baixa face ao dólar no lançamento das negociações para Brexit

O euro recuou hoje face ao dólar, no dia em que começaram as negociações entre o Reino Unido e a União Europeia para o ‘Brexit’, a saída britânica da UE.

Às 18:20 (hora de Lisboa), o euro seguia a 1,1154 dólares, quando na sexta-feira ao final da tarde negociava a 1,1190 dólares.

O Banco Central Europeu (BCE) fixou hoje a taxa de câmbio de referência do euro em 1,1199 dólares.

O negociador britânico para o ‘Brexit’, David Davis, disse no lançamento das negociações de saída do Reino Unido da UE que Londres quer um “tom positivo e construtivo” que permita alcançar uma parceria “forte e especial”.

Michel Barnier, o negociador europeu, disse por seu turno que as negociações devem “resolver primeiro as incertezas causadas pelo ‘Brexit’ – para os cidadãos, mas também para os beneficiários das políticas europeias e para as fronteiras, em particular na Irlanda”.

Fonte: Diário de Notícias, consultado a 23 de junho de 2017

Notícias – Reino Unido assegura que cidadãos europeus mantêm direitos depois do Brexit

Reino Unido assegura que cidadãos europeus mantêm direitos depois do Brexit

O ministro britânico responsável pela pasta do Brexit deverá iniciar as negociações com as autoridades europeias já na próxima segunda-feira, em Bruxelas.

O Governo britânico vai reunir-se, na próxima semana, com as autoridades europeias, a quem vai propor uma solução “muito generosa” para garantir que os direitos dos três milhões de cidadãos da União Europeia que vivem no Reino Unido se mantêm depois do Brexit.
(…)
Do lado das autoridades europeias, o receio é que a concessão de residência permanente aos imigrantes europeus no Reino Unido levaria a que perdessem alguns dos direitos que têm enquanto cidadãos da União Europeia. “Não sei se é generoso preservar os direitos de pessoas e famílias que estão preocupadas”, refere Michel Barnier, o negociador do Brexit do lado da União Europeia.

Fonte: ECO Online, consultado a 23 de junho de 2017

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: Recursos Marítimos

Geografia A – Recursos Marítimos

Questões de Escolha Múltipla:
1 – As Figuras 2A e 2B representam duas formas de exploração dos recursos marinhos.

1. Os problemas associados às atividades económicas representadas nas Figuras 2A e 2B são, entre outros, respetivamente,

(A) a redução da biodiversidade oceânica e o aumento do preço unitário do produto.
(B) a captura exclusiva de espécies selecionadas e o aumento do preço unitário do produto.
(C) a redução da biodiversidade oceânica e o aumento da produção de efluentes.
(D) a captura exclusiva de espécies selecionadas e o aumento da produção de efluentes.

2. A aquicultura contribui para a gestão racional dos recursos piscatórios, uma vez que

(A) permite a preservação dos stocks de espécies piscícolas em perigo de extinção.
(B) garante o abastecimento dos mercados em espécies piscícolas de águas profundas.
(C) assegura o cumprimento das quotas de pesca atribuídas a cada país.
(D) impede a captura de espécies piscícolas por artes de pesca ilegais.

3. A afirmação «o sector das pescas apresenta uma importância estratégica para a Região Autónoma dos Açores» é

(A) falsa, porque a plataforma continental tem uma extensão reduzida e predomina a pesca costeira artesanal.
(B) verdadeira, porque o sector incrementa o desenvolvimento da pesca turística e evita a extinção de espécies.
(C) falsa, porque o tipo de costa não permite a existência de portos de abrigo e os barcos são de pequeno calado. (D) verdadeira, porque o sector contribui para o abastecimento alimentar da região e promove a criação de emprego.

4. O fenómeno do upwelling ao longo da costa ocidental portuguesa deve-se

(A) ao aquecimento das águas, o que facilita a prática de atividades de lazer associadas ao mar.
(B) à ascensão das águas frias, o que contribui para o aumento dos recursos piscícolas.
(C) ao arrefecimento das águas, o que ajuda a preservar a fauna e a flora da plataforma continental.
(D) à subsidência de águas quentes, o que favorece o crescimento rápido de espécies marinhas.

5. Portugal propôs, nas Nações Unidas, o alargamento da área oceânica sob jurisdição nacional para além das 200 milhas náuticas, o que, a concretizar-se, permitirá

(A) aumentar a área de instalação de aerogeradores offshore.
(B) garantir o controlo do tráfego marítimo em águas nacionais.
(C) fomentar o comércio, por via marítima, entre Portugal e os países americanos.
(D) explorar uma maior diversidade de recursos naturais do fundo do oceano.

Questão de Desenvolvimento:

1 – A Figura 4 representa um troço da costa portuguesa na região de Lisboa.

1. Indique duas das características do tipo de costa que a Figura 4 representa.

2. Refira duas das causas do recuo da linha de costa que se tem verificado em alguns troços do litoral português, como o representado na Figura 4.

3. Apresente duas das medidas contempladas em planos de ordenamento da orla costeira que visam a proteção do litoral.

4. Explique a importância de Portugal ter uma estratégia nacional para o mar, tendo em conta os tópicos de referência seguintes:
• a posição geográfica do país;
• as potencialidades económicas do oceano.

Em cada um dos tópicos, a explicação deve focar dois aspetos.

Fonte: IAVE, consultado a 18 de junho de 2017

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: Cartas Sinópticas

Geografia A – Cartas Sinópticas
Questões de Escolha Múltipla:

Questão de Escolha Múltipla:

1 – A Figura 1 corresponde à carta sinóptica do dia 3 de janeiro de 2014.

1. A depressão barométrica identificada na Figura 1 está centrada na proximidade

(A) da Noruega.
(B) da Islândia.
(C) das Ilhas Britânicas.
(D) das ilhas açoreanas.

2. As isolinhas traçadas na carta sinóptica da Figura 1 denominam-se

(A) isotérmicas.
(B) isóbaras.
(C) isoietas.
(D) isótimas.

3. O estado do tempo que se fez sentir na Região Autónoma da Madeira, de acordo com a Figura 1, caracterizou-se por

(A) estabilidade, com a ocorrência de céu limpo e a ausência de vento.
(B) instabilidade, com a ocorrência de vento fraco e de chuva contínua.
(C) estabilidade, com a ocorrência de forte nebulosidade e de vento moderado.
(D) instabilidade, com a ocorrência de vento forte e de precipitação abundante.

4. Numa depressão barométrica, como a identificada na Figura 1, a circulação do ar à superfície é

(A) ascendente e divergente.
(B) convergente e descendente.
(C) convergente e ascendente.
(D) descendente e divergente.

5. A diferença entre os valores da precipitação registados no noroeste e no nordeste de Portugal continental deve-se, entre outras razões, à

(A) presença de relevo montanhoso na região noroeste.
(B) orientação discordante das montanhas localizadas a norte do rio Douro.
(C) menor profundidade dos vales da bacia do rio Douro.
(D) passagem frequente das perturbações da frente polar, na região nordeste.

6. As medidas destinadas a minimizar os impactes negativos da ocorrência de precipitação intensa são, entre outras,

(A) a construção de diques e a impermeabilização das encostas.
(B) a florestação das cumeadas e a proibição de construção nos interflúvios.
(C) a construção de terraços nas vertentes e o estreitamento dos leitos normais dos rios.
(D) a florestação de vertentes e a interdição da construção nos leitos de cheia.

Questão de Desenvolvimento:

1 -A Figura 5 representa a carta sinóptica de superfície de parte do Atlântico e da Europa, no dia 16 de Fevereiro de 2009. A Figura 6 reproduz uma imagem de satélite do mesmo dia.

1. Apresente duas das razões explicativas da fraca nebulosidade originada pelo centro barométrico que, no dia 16 de Fevereiro de 2009, influenciava o estado do tempo em Portugal Continental.

2. Mencione duas das características do estado do tempo geralmente associadas à passagem de uma frente fria, como a que, no dia 16 de Fevereiro de 2009, influenciava o estado do tempo no arquipélago dos Açores (Figura 5).

3. Refira as duas condições meteorológicas que, além da temperatura baixa, proporcionam a formação de geada.

4. Explique a diferença entre os totais anuais de precipitação que, em Portugal Continental, se registam no Norte litoral e no Alentejo litoral, considerando:
• a influência da latitude;
• as características do relevo.

Fonte: IAVE, consultado a 18 de junho de 2017

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: Recursos do Subsolo

Geografia A – Recursos do Subsolo

Questões de Escolha Múltipla:

1 – O que é que o palácio de Versalhes, em França, o Ground Zero, em Nova Iorque, o edifício do Banco Mundial, no Catar, ou a sede da Petro China, em Pequim, podem ter em comum? Pedra portuguesa.

O mapa da Figura 2 representa a localização dos principais núcleos de exploração de rochas ornamentais, em Portugal continental

1. A maioria das explorações de rochas ornamentais, de acordo com o mapa da Figura 2, localiza-se
(A) na Orla Meridional.
(B) na Bacia do Tejo e do Sado.
(C) na Orla Ocidental.
(D) no Maciço Antigo.

2. A procura internacional de rochas ornamentais portuguesas está associada à

(A) pouca utilização das rochas no mercado nacional.
(B) forte incorporação de design nacional nas peças exportadas.
(C) boa relação qualidade/preço da pedra nacional.
(D) grande dimensão das empresas nacionais do sector.

3. A exploração de recursos do subsolo em minas e em pedreiras gera impactes ambientais como

(A) a descida do nível freático e o aumento de incidência de doenças respiratórias.
(B) a alteração da morfologia do terreno e a contaminação das águas.
(C) a degradação da paisagem e o esgotamento dos solos.
(D) a produção de resíduos perigosos e a redução dos níveis de segurança no trabalho.

4. O sector dos minerais metálicos que, a seguir ao das rochas ornamentais, tem registado maior crescimento engloba a exploração

(A) de cobre, de zinco e de estanho.
(B) de urânio, de ardósia e de quartzo.
(C) de cobre, de urânio e de quartzo.
(D) de ardósia, de estanho e de zinco.

5. A localização de fábricas de produtos cerâmicos no distrito de Aveiro deveu-se, inicialmente, à

(A) proximidade do porto de Aveiro, por onde chega a maior parte das matérias-primas.
(B) abundância de caulinos e de argilas, as principais matérias-primas destas indústrias.
(C) forte concentração de empresas de construção civil que utilizam esses produtos.
(D) utilização de novos materiais, desenvolvidos em colaboração com a universidade.

Fonte: IAVE, consultado a 18 de junho de 2017