Geografia 11.º Ano – Zona Euro

Todos os países da União Europeia fazem parte da União Económica e Monetária (UEM) e alinham as suas políticas económicas pelos objetivos económicos da UE. Alguns países da UE foram ainda mais longe, substituindo as moedas nacionais por uma moeda única, o euro. Estes países constituem a zona euro.

Dos países da UE que não fazem parte da zona euro, a Dinamarca e o Reino Unido recorreram a uma opção de não participação (opt­out) estabelecida em protocolos anexos ao Tratado, embora possam mudar de opinião no futuro se assim o desejarem, e a Suécia ainda não satisfaz as condições necessárias para aderir à zona euro.

Andorra, Mónaco, São Marinho e a Cidade do Vaticano adotaram o euro como moeda nacional por força dos seus acordos monetários com a UE e podem emitir as suas próprias moedas de euro dentro de determinados limites. No entanto, não fazem parte da zona euro, dado que não são países da UE

paises zona euro 19 portugal

Fonte: Comissão Europeia, consultado em 8 de abril de 2019.

Geografia 10.º Ano – Módulo Inicial: A inserção de Portugal em diferentes espaços

Geografia 10.º Ano – Módulo Inicial

A posição geográfica insere Portugal no espaço atlântico do território, cada vez mais vasto, da União
Europeia.

portugal localização na uniao europeia europa mundo

1. Portugal localiza-se nas latitudes médias do hemisfério norte, tendo como limites aproximados
(A) 32°, na Região Autónoma dos Açores, e 6° de latitude oeste, em Portugal Continental.
(B) 30°, na Região Autónoma dos Açores, e 42° de latitude norte, em Portugal Continental.
(C) 32°, na Região Autónoma da Madeira, e 6° de latitude norte, em Portugal Continental.
(D) 30°, na Região Autónoma da Madeira, e 42° de latitude norte, em Portugal Continental.

2. As ilhas assinaladas na Fig. 1, correspondem
(A) a A, à ilha Terceira, e a B, à ilha de Porto Santo, nos Açores e na Madeira, respetivamente.
(B) a A, à ilha de S. Miguel, e a B, à ilha de Porto Santo, nos Açores e na Madeira, respetivamente.
(C) a A, à ilha de S. Miguel, e a B, à ilha da Madeira, nos Açores e na Madeira, respetivamente.
(D) a A, à ilha Terceira e a B, à ilha da Madeira, nos Açores e na Madeira, respetivamente.

3. A União Europeia, cuja primeira designação foi Comunidade Económica Europeia, surgiu em
(A) 1957 pelo Tratado de Roma.
(B) 1992 pelo Tratado de Maastricht.
(C) 1957 pelo Tratado de Amesterdão.
(D) 1962 pelo Tratado de Nice.

4. Portugal apenas aderiu à comunidade em 1986 porque
(A) pertencia a outra associação que lhe garantia uma melhor integração económica e política.
(B) o seu comércio resumia-se às trocas que mantinha com as suas colónias de África.
(C) não queria perder a situação privilegiada que detinha no comércio com as colónias.
(D) não era aceite na Comunidade por manter um regime político democrático.

5. Da Zona Euro fazem parte, entre outros países
(A) Portugal, Espanha, Itália e Polónia.
(B) França, Bélgica, Irlanda e Eslovénia.
(C) Suécia, Finlândia, Holanda e Alemanha.
(D) Áustria, França, Grécia e Reino Unido.

Soluções: Continuar a ler Geografia 10.º Ano – Módulo Inicial: A inserção de Portugal em diferentes espaços

Geografia 10.º Ano – Ficha de Trabalho: Radiação solar global anual em Portugal Continental

Observe a figura relativa à variação espacial da radiação solar global anual em Portugal Continental.

1. Defina radiação global.
2. Identifique os principais contrastes na variação espacial da radiação global, em Portugal Continental.
3. Indique os principais fatores responsáveis por esses contrastes.
4. Relacione a variação espacial da radiação global no território continental com a da insolação, explicando a influência dos seus principais fatores.

Tópicos de correção:

1. Radiação solar global corresponde a toda a radiação solar que incide, de forma direta e difusa, sobre a superfície da Terra.

2. Na distribuição da radiação global no território continental é possível identificar contrastes entre:
– o norte e o sul, verificando-se um decréscimo em latitude, pois a radiação é mais elevada no sul do país, havendo uma diminuição para norte;
– o litoral e o interior (oeste e este), pois a radiação é inferior no litoral e superior no interior, isto é, aumenta do litoral para o interior;
– áreas de maior e de menor altitude, sendo as regiões de maior altitude as registam uma redução da radiação solar global.

3. Os fatores responsáveis pelos contrastes na distribuição da radiação solar global são: latitude; influência do relevo (altitude e orientação das montanhas em relação aos raios solares), influência da proximidade ou afastamento do mar (continentalidade).

4. A insolação e a radiação solar global registam uma variação espacial, que pode ser justificada por:
– latitude: a menor latitude do sul do continente faz com que o ângulo de incidência seja menor, logo a
radiação solar e a insolação serão mais elevados do que o que se verifica no norte;
– altitude: os lugares com maior altitude estão associados ao aumento da nebulosidade, o que reflete uma diminuição dos valores de insolação e de radiação solar. Assim, à medida que a altitude aumenta assiste-se a um aumento da nebulosidade e, consequentemente, uma redução da insolação e da radiação solar;
– orientação das vertentes: em Portugal, as vertentes viradas a norte são umbrias pois o ângulo de incidência dos raios solares é menor e as vertentes voltadas a sul são soalheiras uma vez que apresentam um ângulo de incidência mais elevado;
– proximidade/afastamento do mar (continentalidade): o litoral, devido à maior proximidade do mar (fonte de vapor de água) regista, ao longo do ano, uma maior nebulosidade do que o interior, sobretudo nas regiões localizadas a norte do rio Tejo. Como as nuvens absorvem e refletem parte da radiação solar incidente, as regiões próximas do mar registam uma menor insolação e uma menor intensidade da radiação solar do que as mais afastadas.

Geografia 10.º Ano – Ficha de Trabalho: A variabilidade da radiação solar

A figura que se segue mostra o movimento de translação da Terra.

1. O movimento de translação é
(A) o movimento que o sol executa à volta da Terra.
(B) o movimento que o sol executa em torno do seu eixo.
(C) o movimento que a Terra executa à volta da lua.
(D) o movimento que a Terra executa à volta do sol.

2. No hemisfério norte a quantidade de radiação solar recebida é máxima no
(A) equinócio de setembro.
(B) solstício de junho.
(C) solstício de dezembro.
(D) equinócio de março.

3. Em Portugal Continental, os valores da radiação solar global média recebida
(A) aumentam de norte para sul.
(B) diminuem de norte para sul.
(C) aumentam do interior para o litoral.
(D) aumentam de este para oeste.

4. Os processos que intervêm na quantidade de energia solar que chega à Terra são
(A) absorção, reflexão e concentração.
(B) absorção, reflexão e osmose.
(C) absorção, reflexão e difusão.
(D) absorção, reflexão e compressão.

Soluções: 1. D 2. B 3. A 4. C

Geografia 11.º Ano – Ficha de Trabalho: Áreas Urbanas

Ficha de Trabalho: Áreas Urbanas – Cidades

O grupo das dez maiores cidades manteve-se nos últimos 20 anos, período em que o número de cidades em Portugal passou de 88 para 158.
A imagem representa a população a viver em cidades e as 10 maiores cidades em Portugal.

1. Mencione a classe de dimensão das cidades que concentravam mais população em 1991 e em 2011.
2. Identifique as duas cidades que perderam mais população e as que mais habitantes ganharam entre 1991 e 2011.
3. Refira um fator demográfico e um fator económico que justifiquem o crescimento da população urbana evidenciado na figura.
4. Reflita sobre a rede urbana portuguesa tendo em conta:
– as suas principais características;
– as consequências dessas características.

Soluções:
1. As cidades com mais de 100 mil habitantes.
2. Lisboa e Porto foram as cidades que mais população perderam e Gaia e Braga as que mais habitantes ganharam entre 1991 e 2011.
3. A resposta deve referir como fatores do crescimento da população urbana os fluxos migratórios, o êxodo rural e a imigração, e ainda o maior dinamismo económico das áreas urbanas, que proporciona mais condições de emprego.
4. A resposta deve referir o desequilíbrio da rede urbana nacional, desenvolvendo, para cada um dos pontos, os seguintes aspetos, ou outros considerados relevantes:
– as diferenças na dimensão demográfica das cidades, os contrastes na sua repartição geográfica e no
nível de funções que oferecem, como principais características da rede urbana nacional.
– a fraca capacidade de inserção das economias regionais na economia nacional, a limitação das relações
de complementaridade entre os diferentes centros urbanos e, como tal, do dinamismo económico e
social, a limitação da competitividade nacional no contexto europeu e mundial, pela perda de sinergias
que uma rede urbana equilibrada proporciona.

Geografia 10.º Ano – Ficha de Trabalho: Recursos do Subsolo

Ficha de Trabalho: Recursos do Subsolo

A figura representa o consumo final de energia por setor de atividade, em Portugal.

1. A percentagem de energia consumida em 2005 foi maior
(A) no setor dos transportes, seguido do dos serviços e da indústria.
(B) no setor dos transportes, seguido do da indústria e dos serviços.
(C) no setor da indústria, seguido do dos transportes e dos serviços.
(D) no setor da indústria, seguido do dos serviços e dos transportes.

2. Entre 1995 e 2005 houve uma alteração na estrutura do consumo energético nacional por
setores. Esta afirmação é
(A) falsa, porque a posição relativa dos três setores é a mesma nos dois anos.
(B) falsa, porque cada setor consome sensivelmente a mesma percentagem que consumia.
(C) verdadeira, porque o setor da indústria passou a consumir menos e o dos serviços a consumir mais.
(D) verdadeira, porque os setores da indústria e dos serviços inverteram as suas posições relativas.

3. Em Portugal Continental o consumo de energia é maior nos distritos de
(A) Lisboa, Porto e Aveiro, com mais população e mais industrializados.
(B) Lisboa, Porto e Setúbal, com mais população e maior número de atividades económicas.
(C) Lisboa, Porto e Faro, com maior circulação de transportes e maior número de serviços.
(D) Lisboa, Setúbal e Aveiro, com mais transportes e mais industrializados.

4. Portugal encontra-se numa situação de dependência energética face ao exterior. Esta afirmação é
(A) falsa, porque a maior parte da energia consumida é produzida no País, sobretudo nas centrais hidroelétricas.
(B) falsa, porque Portugal apenas não produz os combustíveis fósseis mas é rico em fontes de energia renováveis.
(C) verdadeira, porque grande parte da energia consumida provém de fontes energéticas que Portugal importa.
(D) verdadeira, porque tem aumentado o consumo de energias renováveis, que Portugal não produz.

5. Entre os objetivos da política energética devem constar
(A) a produção de energia a partir de fontes renováveis endógenas e a racionalização dos consumos.
(B) a utilização exclusiva de energia a partir de fontes renováveis e a racionalização dos consumos.
(C) a redução do consumo de energias renováveis e a diversificação de origens dos combustíveis fósseis.
(D) a produção exclusiva de energias renováveis e a prospeção de reservas nacionais de combustíveis fósseis.

Soluções:
1. A 2. C 3. B 4. C 5. A

Geografia 11.º Ano – Ficha de Trabalho: Áreas Rurais

Ficha de Trabalho: Áreas Rurais – Agricultura

A figura representa uma área de olival.


Fonte: Vida Rural, consultado a 31 de janeiro.

1. O clima húmido do Noroeste
(A) promove a região agrária com maior área de olival.
(B) encontra no território continental português condições favoráveis ao desenvolvimento do trigo.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) traduz uma diversidade de solos essencialmente característica do clima temperado mediterrâneo.

2. O Alentejo
(A) é a região agrária com maior área de olival.
(B) encontra no território continental português condições favoráveis ao desenvolvimento do trigo.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) traduz uma diversidade de solos essencialmente característica do clima temperado mediterrâneo.

3.O azeite, produção mediterrânea por excelência,
(A) promove a região agrária com maior área de olival.
(B) encontra no território Continental Português condições favoráveis ao desenvolvimento.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) traduz uma diversidade de solos essencialmente característica do clima temperado mediterrâneo.

4.A fragmentação do solo
(A) encontrada em Entre Douro e Minho e na Beira Litoral, deve-se por exemplo, às elevadas taxas
brutas de natalidade e à partilha das terras por herança.
(B) tem como objetivo o agrupamento de pequenas explorações, de forma a constituírem-se uni- dades
de maiores dimensões.
(C) favorece o desenvolvimento do milho.
(D) representa a exploração agrícola com um reduzido número de blocos.

5.O associativismo
(A) favorece o carácter tradicional da atividade agrícola.
(B) favorece a extensificação racional de um maior número de explorações agrícolas.
(C) favorece o parcelamento.
(D) favorece a reconversão e modernização da agricultura portuguesa.

Soluções: 1. C 2. A 3. A 4. A 5. D

Notícias – Turismo em Portugal valeu 26,7 mil milhões de euros em 2017

A dinâmica do turismo em Portugal tem permitido mais receitas e a criação de postos de trabalho, com os dados do INE divulgados esta segunda-feira a mostrarem que a procura turística (consumo por parte de estrangeiros e residentes) subiu para os 26,7 mil milhões de euros em 2017, mais 14,5% face a 2016, e passou a pesar 13,7% do PIB (1,2 pontos percentuais acima). Ao nível do valor acrescentado bruto (VAB) gerado pelo sector, este subiu 13,6% para os 12,6 mil milhões (equivalente a 7,5% do VAB nacional).

Na informação hoje apresentada pelo INE, referente à conta satélite do turismo, este são os únicos dados referentes a 2017. De resto, a informação mais pormenorizada reporta-se a 2016. Nesse ano, de acordo com o INE, o turismo receptor (não residentes) representou 63,1% do total, quando em 2015 esse peso era de 61,8%. Ou seja, o que os dados confirmam é que muito do crescimento do sector tem sido suportado pelos estrangeiros, com destaque para os sectores do alojamento (26,5% do total das despesas feitas pelos visitantes que pernoitam em Portugal) restauração e bebidas (26%), e transportes (20,6%).

Fonte: Público, consultado a 30 de dezembro de 2018

Exame Nacional de Geografia A e Critérios de Correção – Ano Letivo 2017/2018

Os alunos do 11º ano realizaram o Exame Nacional de Geografia A.
Podes consultar aqui o enunciado e os critérios de correção do Exame Nacional de Geografia A.

Exame Nacional – Geografia A – 2017-2018
Critérios de Correção

Fonte: IAVE, consultado em 22 de junho de 2018

Explicações – Regra de 3 simples

Pequeno video explicativo da Regra de 3 simples.

Video:

Fonte: FFMS, consultado a 19 de julho de 2017