Notícias: O tempo na segunda quinzena de julho

Será que o verão vai finalmente afirmar-se em Portugal? O que nos reserva a atmosfera… trovoadas, aguaceiros e frescura, ou calor e idas frequentes à praia? Contamos-lhe tudo aqui.

Metade do mês de julho já passou e, depois de vários dias frescos e de tempo ameno em relação ao resto da Europa, que viveu episódios de calor verdadeiramente severos, o nosso país também foi alvo de trovoadas, aguaceiros e quedas de granizo localmente intensas nos últimos dias. De resto, a atmosfera tem proporcionado um ambiente ora nublado e relativamente fresco, ora de céu limpo e tempo abafado. A instabilidade do tempo e a variabilidade dinâmica da atmosfera já tinham sido projetadas em antemão na nossa previsão mensal.

Segundo o modelo ECMWF, hipotetiza-se um cenário de calor persistente com temperaturas acima dos valores de referência na quarta semana do mês. As cartas sinóticas demonstram tendência para incremento do calor nos últimos dias de julho. Este cenário não está definitivamente confirmado, mas seria bastante prejudicial se se confirmasse por várias razões, especialmente no que toca aos grupos populacionais com maior vulnerabilidade.

Notícia completa: O tempo na segunda quinzena de julho
Fonte: Tempo.pt

Notícias: Tempo esta semana: chuva continua e temperaturas sobem

Depois de um fim de semana razoavelmente chuvoso, em especial na região Norte e no litoral Centro, o modelo de previsão ECMWF aponta para a continuidade de um padrão atmosférico de tempo instável caracterizado pela presença de chuva fraca, de carácter irregular até quarta-feira (26), incidindo sobre a região Norte e a região Centro. No Sul continua sem haver desenvolvimento de precipitação significativo.Analisando as atuais cartas sinóticas, é percetível o posicionamento de uma depressão a noroeste de Portugal continental que irá descarregar chuvas débeis até meados da semana. Antecipa-se um cenário pautado por uma densa nebulosidade e precipitação fraca nos territórios enquadrados pelas regiões Norte e Centro.

Nestes próximos dias o padrão de estado de tempo, deveras incomum nesta altura do ano, caracterizar-se-á por um centro de baixa pressão a oeste da Península Ibérica que estimulará a deslocação de massas de ar secas e incrivelmente quentes oriundas do norte de África, rumo à Europa Central, Espanha e Reino Unido, atingindo particularmente a França. Esta onda de calor severa atingirá temperaturas na ordem dos 35 ºC a 45 ºC, com sensação térmica de 50 ºC nalgumas cidades europeias. No nosso país o tempo será condicionado pela presença de ar marítimo mais húmido e fresco, proporcionando dias amenos, pouco ventosos e de temperaturas com valores normalizados.

Notícia completa: Previsão – Tempo esta semana: chuva continua e temperaturas sobem, consultado a 25 de junho de 2019
Fonte: Tempo.pt

Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Recursos Hídricos

1. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as afirmações
consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) A ascensão do ar quente numa superfície frontal origina precipitações convectivas.
b) As precipitações convectivas ocorrem, no interior de Portugal continental, durante o verão.
c) Existem três regiões hidrogeológicas, em Portugal, mas todas têm características muito semelhantes.
d) As características do clima mediterrâneo dominam em todo o território português exceto nos Açores.
e) Atualmente, mais de metade da água de abastecimento público provém de reservas superficiais.
f) Mais de 90% da população residente em Portugal é servida pela rede pública de abastecimento de
água.

Soluções: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Recursos Hídricos

Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Radiação Solar

1. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as
afirmações consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) Sem o efeito de estufa não seria possível o aquecimento da camada inferior da atmosfera nem a manutenção de uma temperatura média mais ou menos constante.
b) Nas regiões localizadas entre os 40º e os 90º de latitude há um défice energético.
c) As vertentes voltadas a norte, em Portugal, têm maior insolação, pois estão mais tempo expostas à radiação solar d, por isso, designam-se por encostas soalheiras.
d) De um modo geral, as regiões do interior apresentam uma amplitude térmica anual superior à que se verifica nas regiões do litoral.

Soluções: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Radiação Solar

Notícias – Fim de semana nublado e com pequena subida das temperaturas

Prevê-se um fim de semana marcado pela estabilização do tempo. Regressa o calor, com ligeira subida das temperaturas e afasta-se o padrão de instabilidade associado à precipitação. Confira a previsão!

Após a passagem tempestuosa da depressão Miguel, que ainda provocou alguns estragos na região Norte, a atmosfera vai estabilizar progressivamente ao longo dos próximos dias, antecipando-se um fim de semana com tempo mais estável, marcado sobretudo pela ligeira subida das temperaturas e pelo elevado grau de nebulosidade. Com efeito, esta sexta-feira ainda se foram notando alguns chuviscos pontualmente precipitados e dispersos em alguns territórios da região Norte e também mais a sul, em Coimbra. Pode-se considerar por isso que já houve uma melhoria considerável do estado do tempo em relação à quinta-feira de temporal, marcada pela passagem da Depressão Miguel. O céu vai estar parcialmente nublado e o vento vai reduzir de intensidade, soprando em geral fraco e por vezes, moderado. As temperaturas vão subir ligeiramente, com destaque para toda a região sul e no interior Norte e Centro, mas sem grandes oscilações térmicas nos territórios do litoral.
Projeta-se uma tendência gradual para a subida das temperaturas ao longo do fim de semana, e possivelmente durante a próxima semana. Cenário meteorológico para ir acompanhando de acordo com as atualizações do modelo Europeu de previsão.

Sábado será um dia parcialmente nublado, com a nebulosidade a ser especialmente acentuada no Norte e Centro. A amplitude térmica diária será deveras evidente, com mínimas abaixo dos 10 ºC em várias cidades tais como Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Coimbra, Leiria, Santarém e Évora. As temperaturas máximas mais elevadas serão de 21 ºC em Bragança e Viseu, 25 ºC em Castelo Branco e 23 ºC em Portalegre, 27 ºC em Beja e 25 ºC em Faro.

Artigo Completo: Fim de semana nublado e com pequena subida das temperaturas, consultado a 7 de junho de 2019
Fonte: tempo.pt

Notícias – Depressão Miguel atinge Portugal com vento e chuva forte

Depressão Miguel atinge Portugal continental a partir de amanhã. Vamos sentir mais frio, chuva e vento, com particular impacto no litoral Norte. Previna-se!

Depois de um início de junho verdadeiramente estival, está prestes a atingir-nos uma superfície frontal fria de atividade moderada a forte, como consequência da depressão Miguel, nomeada pelo IPMA (Instituto Português do Mar e da Atmosfera), pela AEMET e pela Météo-France. Chega pela manhã de quinta-feira a Portugal continental. Pelo menos, vai fazer com que nos esqueçamos do tempo anticiclónico e das altas temperaturas que temos vindo a desfrutar nestes último dias. Para além de Portugal, na sua vertente norte e costeira, também Espanha (Galiza, Astúrias e Cantábria) e o oeste de França (costa atlântica) serão afetados. Esta depressão penetrará o continente através do noroeste peninsular e vai afetar particularmente o litoral Norte e parte do litoral Centro, com vento forte e suas potentes rajadas, agitação marítima intensa e enormes acumulados de precipitação. Estes serão os efeitos mais adversos da sua passagem.De acordo com o IPMA, a depressão Miguel situa-se a nordeste do arquipélago dos Açores e está em deslocamento numa orientação para este-sueste, rumo à Galiza.

Notícia completa: Depressão Miguel atinge Portugal continental a partir de amanhã
Fonte: Tempo.pt

Geografia 10.º Ano – Evolução da Frente Polar

Evolução da Frente Polar

1 – Ondulação pouco nítida –Frente Estacionária.
2 – Interpenetração das massas de ar – Superfície Frontal.
3 – Ondulação muito pronunciada – Sistema Frontal.

Frente Quente – quando o ar quente substitui o ar frio:
– a inclinação da superfície frontal é pouco acentuada;
– o ar quente desloca-se lentamente sobre o ar frio;
– formam-se nuvens de fraco desenvolvimento vertical;
– precipitação sob a forma de chuva fraca ou chuvisco.

Frente Fria – quando o ar frio substitui o ar quente:
– a inclinação da superfície frontal é muito acentuada;
– o ar quente ascende rapidamente e violentamente;
– formam-se nuvens de grande desenvolvimento vertical;
– precipitação sob a forma de aguaceiros fortes, acompanhada de trovoadas.

Sistema Frontal – conjunto de uma frente quente e uma frente fria.

Perturbação Frontal – sistema frontal associado a um centro de baixas pressões.

Geografia 7.º Ano – Sistema Frontal: Superfície Frontal, Frente Fria e Frente Quente

Sistema frontal
Superfície frontal – é uma superfície que separa duas massa de ar diferentes.
Frente – linha de interseção entre a superfície frontal e a superfície terrestre.

Frente Quente:
– Na frente quente, o ar quente empurra o ar frio.

Legenda: Frente Quente

Frente Fria:
– Na frente fria, o ar frio empurra o ar quente.

Legenda: Frente Fria

Geografia 7.º Ano – Massa de ar e Tipos de Massa de ar

O que é uma massa de ar?
– É uma extensa porção de atmosfera, com as mesmas características de temperatura e de humidade.

As massas de ar classificam-se tendo em conta:
– A latitude da região de origem;
– As características da superfície terrestre sobre a qual se formou.

Tipos de massas de ar:

– Latitude da região de origem:
Polar -> Temperatura baixa.
Tropical -> Temperatura elevada.

– Características da superfície terrestre:
Marítima -> Elevada humidade sobre a qual se formou.
Continental -> Baixo teor de humidade.

Geografia 7.º Ano – Centro de Baixas Pressões

Centros de baixas pressões ou ciclone oudepressão-barométrica
• Se o valor da isóbara for menor no centro do que na periferia, designa-se centro de baixas pressões, depressão barométrica ou ciclone.
• Céu nublado.
• Possibilidade de ocorrência de precipitação.
• Instabilidade atmosférica.

Movimento do ar:
1. O ar, à superfície, converge e ascende.
2. Ao ascender arrefece.
3. Arrefecendo, o ar contrai-se.
4. Diminui a capacidade do ar conter vapor de água.
5. Aumento da nebulosidade – condensação do vapor de água.
6. Possibilidade de ocorrer precipitação.


Legenda: Centros de Baixas Pressões