Geografia – Exercício de preparação para o Exame Nacional (Aprendizagens Essenciais) – A distribuição da população

Sugestão de preparação para o Exame Nacional de Geografia.

Ler e definir os seguintes conceitos do Tema 1. A população, utilizadora de recursos e organizadora de espaços
Subtema: A distribuição da população:

Conceitos: êxodo rural, assimetrias regionais, capacidade de carga humana, despovoamento, litoralização, ordenamento do território.

Exemplo de Exercício:

1. Lê e comenta a seguinte afirmação.

“A pandemia de Covid-19 acelerou o desenvolvimento da conectividade nas zonas rurais e pode potenciar o êxodo de mais projetos e pessoas para zonas menos populosas do país, considerando a tecnologia um facilitador desse processo. Esta foi uma das conclusões do debate sobre “Mulheres empreendedoras e conectividade rural”, promovido na passada sexta-feira pelo ECO e pela Huawei.”

Fonte: Eco Online, consultado a 11 de abril de 2021

Geografia – Exercício de preparação para o Exame Nacional (Aprendizagens Essenciais) – A população: evolução e diferenças regionais

Sugestão de preparação para o Exame Nacional de Geografia.

Ler e definir os seguintes conceitos do Tema 1. A população, utilizadora de recursos e organizadora de espaços
Subtema: A população: evolução e diferenças regionais:

Conceitos: crescimento natural, saldo migratório, taxa de natalidade, taxa de mortalidade, taxa de mortalidade infantil, esperança de vida à nascença, crescimento efetivo, estrutura etária, taxa de fecundidade, índice de renovação de gerações, índice sintético de fecundidade,
envelhecimento demográfico, índice de dependência de idosos, índice de dependência de jovens, nível de qualificação profissional, estrutura
ativa, desemprego, emprego temporário, taxa de alfabetização, taxa de desemprego, tipos de emprego, desenvolvimento sustentável, qualidade
de vida.

Exemplo de Exercício:

1. Lê e comenta a seguinte afirmação.

“Devem considerar-se três causas fundamentais para o envelhecimento demográfico verificado em Portugal. Por um lado a retração do número de filho. Por outro lado, a diminuição da mortalidade ou o controlo da mortalidade precoce tem induzido ao aumento da esperança média de vida, conduzindo a um maior número de indivíduos com idades mais avançadas. Finalmente, uma terceira causa (mais indireta) que diz respeito aos fluxos migratórios – a saída de população, especialmente de determinados grupos etários (e.g. em idade ativa e em idade fértil), não compensada pela entrada de imigrantes. Adaptado de Oliveira e Gomes.

Fonte: Obervatório das Migrações, consultado a 11 de abril de 2021.

Geografia – Exercício de preparação para o Exame Nacional (Aprendizagens Essenciais) – Módulo Inicial

Sugestão de preparação para o Exame Nacional de Geografia.

Ler e definir os seguintes conceitos do Módulo Inicial:

Conceitos:localização, escala, unidades territoriais (NUTS, distrito, município, comunidade intermunicipal, freguesia e região autónoma),
território, cidadania, espaço lusófono, União Europeia, mercado comum, moeda única e tratados de Roma, Maastricht e Lisboa.

Com o auxílio do manual escolar ou livro de preparação de exames nacionais ou exercícios disponíveis no site, responde à seguinte questão:

Analisar questões geograficamente relevantes do espaço português:
– Reconhecer a importância da localização na explicação geográfica, analisando informação representada em mapas com diferentes escalas e sistemas de projeção.

Exemplo de exercício:

1. Observa os mapas A e B.

1.1. Os mapas A e B representam, respetivamente, os países que integram a
(A) OCDE e União Europeia em 2004.
(B) União Europeia em 2013 e CPLP.
(C) CPLP e União Europeia em 2007.
(D) União Europeia em 2004 e OCDE.

1.2. Portugal aderiu à União Europeia (então Comunidade Económica Europeia) em
(A) 1957.
(B) 1983.
(C) 1995.
(D) 1986.

1.3. A organização do mapa B foi fundada em
(A) 1996.
(B) 1999.
(C) 2001.
(D) 2006.

1.4. A União Europeia teve o seu maior alargamento em
(A) 2004, com a adesão de 8 países.
(B) 2007, com a adesão da Eslovénia.
(C) 2007, com a adesão de dois países.
(D) 2004, com a adesão de 10 países.

1.5. Os países assinalados com os números 1 a 6 são, respetivamente
(A) França, Alemanha, Roménia, Brasil, Cabo Verde e Angola.
(B) Holanda, França, Bulgária, Angola, Brasil e S. Tomé e Príncipe.
(C) Reino Unido, Alemanha, Roménia, Brasil, Angola e Moçambique.
(D) Irlanda, Alemanha, Grécia, Brasil, Angola e Guiné-Bissau.

Soluções:

1. B 2. D 3. A 4. D 5. C

Geografia 10.º Ano – Os recursos dos subsolo português “O petróleo do fundo do mar português”

Leia atentamente o texto seguinte.

O petróleo do fundo do mar português.
Os dados científicos indicam que terão sido geradas quantidades significativas de petróleo nas bacias Lusitânica e Porto, como mostram as numerosas manifestações superficiais e indícios encontrados em sondagens. Na bacia do Algarve, os indícios de petróleo encontrado são menos significativos, apesar de, em duas das cinco sondagens perfuradas até hoje, terem sido detetados indícios de gás natural. Quanto à bacia do Alentejo e às restantes cinco bacias exteriores (no deep-offshore), nada pode ser afirmado perentoriamente, uma vez que nunca foram perfuradas, embora existam razoes para acreditar na existência de um sistema petrolífero nestas bacias.
Fonte: CORREIA, Armando J. D. – O Mar no Século XXI, FEDRAVE, 2010 (adaptado)

1. Justifique a importância da eventual existência de petróleo em território nacional.
2. Aponte dois fatores que possam vir a condicionar a sua exploração futura.
3. Identifique alguns dos riscos associados à exploração deste recurso, referindo:
– riscos ambientais;
– riscos relacionados com o objetivo da Política Energética Nacional de reforçar a diversificação das fontes primárias de energia.

Exame Nacional de Geografia 2019 – Zona Económica Exclusiva

1. Na expedição científica para a conservação marinha Oceano Azul, realizada em 2018, foi descoberto, a 60 milhas náuticas da ilha do Faial, nos Açores, um novo campo hidrotermal, a 570 metros de profundidade.
A expedição insere-se no Programa Bioeconomia Azul, que visa envolver instituições, empresas, startups, entre outros parceiros, na promoção da investigação e no desenvolvimento de uma economia sustentável ligada aos oceanos, nomeadamente, na área dos biomateriais.
Fonte: www.gulbenkian.pt (consultado em outubro de 2018). (Texto adaptado)

1.1. O valor da latitude da ilha do Faial, de acordo com a Figura 1, está compreendido entre
(A) os 35º O e os 40º O.
(B) os 35º N e os 40º N.
(C) os 25º O e os 30º O.
(D) os 25º N e os 30º N.

1.2. Na Figura 1, está assinalada a plataforma continental, cujo limite corresponde à
(A) distância de 100 km a partir da linha de base.
(B) distância de 200 km a partir da linha de base.
(C) profundidade de 100 metros.
(D) profundidade de 200 metros.

1.3. A Proposta de Extensão da Plataforma Continental, apresentada pelo governo português à ONU em
2009, observada na Figura 1, aumenta a possibilidade de Portugal aceder a recursos
(A) hidrotermais no fundo do oceano, na ZEE contígua à costa de Portugal continental.
(B) piscatórios além das 200 milhas náuticas da ZEE portuguesa.
(C) polimetálicos no fundo do oceano, além da ZEE portuguesa.
(D) energéticos na ZEE circundante às Regiões Autónomas de Portugal.

[…]

Aqui estão apenas as três primeiras questões do exame, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (cinco no total) e as respectivas soluções.

Visitantes e dados curiosos


Fonte: StatCounter

Este é o quarto ano que o blogue está online e a cada ano que passa o número de visitantes tem aumentando consideravelmente. Quando comecei, em 2017, nunca esperei que em 2019 conseguisse 444054 page views (páginas consultadas) e 284566 unique visitors (número de visitantes). Estes valores só foram atingidos graças a vocês, por isso o meu muito obrigado!

Um abraço a todos,
Hugo Patrício

Nota: em 2020 é para superar estes valores, por isso fiquem atentos a novidades! E agora, podem também segui-nos no Instagram.

Notícias: Fim de semana chega com chuva e descida das temperaturas

Uma nova vaga de chuva e a descida das temperaturas compõem o menu do tempo em Portugal continental este fim de semana devido à passagem de uma frente fria. Confira a previsão!

Hoje está a ser um dia marcado pela presença acentuada de nebulosidade em grande parte do território, embora haja períodos de céu limpo, especialmente no interior. Depois de uma quinta-feira particularmente chuvosa, especialmente no norte litoral, uma nova vaga de precipitações está a caminho de Portugal continental, descarregando aguaceiros ainda mais potentes já a partir de amanhã, sábado.

Associada a esta frente fria, perturbação frontal de atividade débil a moderada, existirá um notável arrefecimento da atmosfera que resultará no incremento da humidade e na descida das temperaturas. Esta situação é evidente ao analisarmos as previsões traçadas no modelo ECMWF que projeta aguaceiros nas regiões Norte e Centro, sendo que desta vez, a região Sul não escapa, exceção feita ao distrito de Faro.

No domingo a frente fria já se terá dissipado, embora se desenhem no firmamento períodos de céu muito nublado, especialmente nas áreas do litoral. Neste dia, as temperaturas começam a subir ligeiramente, antecipando-se uma subida dos valores nos termómetros para a próxima semana.

Já com o centro de altas pressões bem afastado do nosso país, ficou uma via aberta para a entrada de perturbações frontais procedentes de Noroeste de Portugal continental. Os aguaceiros serão de fraca intensidade, mas em pleno verão são sempre uma novidade, não só porque amenizam o calor que se tem vindo a sentir como também atenuam a sitação de seca meteorológica. Ao mesmo tempo, as temperaturas vão sofrer uma descida, impossibilitando as habituais idas à praia ao fim de semana, sobretudo na manhã e tarde de sábado. Há que esperar pelo domingo.

Notícia completa: Fim de semana chega com chuva e descida das temperaturas
Fonte: tempo.pt

Notícias: O tempo na segunda quinzena de julho

Será que o verão vai finalmente afirmar-se em Portugal? O que nos reserva a atmosfera… trovoadas, aguaceiros e frescura, ou calor e idas frequentes à praia? Contamos-lhe tudo aqui.

Metade do mês de julho já passou e, depois de vários dias frescos e de tempo ameno em relação ao resto da Europa, que viveu episódios de calor verdadeiramente severos, o nosso país também foi alvo de trovoadas, aguaceiros e quedas de granizo localmente intensas nos últimos dias. De resto, a atmosfera tem proporcionado um ambiente ora nublado e relativamente fresco, ora de céu limpo e tempo abafado. A instabilidade do tempo e a variabilidade dinâmica da atmosfera já tinham sido projetadas em antemão na nossa previsão mensal.

Segundo o modelo ECMWF, hipotetiza-se um cenário de calor persistente com temperaturas acima dos valores de referência na quarta semana do mês. As cartas sinóticas demonstram tendência para incremento do calor nos últimos dias de julho. Este cenário não está definitivamente confirmado, mas seria bastante prejudicial se se confirmasse por várias razões, especialmente no que toca aos grupos populacionais com maior vulnerabilidade.

Notícia completa: O tempo na segunda quinzena de julho
Fonte: Tempo.pt

Notícias: Tempo esta semana: chuva continua e temperaturas sobem

Depois de um fim de semana razoavelmente chuvoso, em especial na região Norte e no litoral Centro, o modelo de previsão ECMWF aponta para a continuidade de um padrão atmosférico de tempo instável caracterizado pela presença de chuva fraca, de carácter irregular até quarta-feira (26), incidindo sobre a região Norte e a região Centro. No Sul continua sem haver desenvolvimento de precipitação significativo.Analisando as atuais cartas sinóticas, é percetível o posicionamento de uma depressão a noroeste de Portugal continental que irá descarregar chuvas débeis até meados da semana. Antecipa-se um cenário pautado por uma densa nebulosidade e precipitação fraca nos territórios enquadrados pelas regiões Norte e Centro.

Nestes próximos dias o padrão de estado de tempo, deveras incomum nesta altura do ano, caracterizar-se-á por um centro de baixa pressão a oeste da Península Ibérica que estimulará a deslocação de massas de ar secas e incrivelmente quentes oriundas do norte de África, rumo à Europa Central, Espanha e Reino Unido, atingindo particularmente a França. Esta onda de calor severa atingirá temperaturas na ordem dos 35 ºC a 45 ºC, com sensação térmica de 50 ºC nalgumas cidades europeias. No nosso país o tempo será condicionado pela presença de ar marítimo mais húmido e fresco, proporcionando dias amenos, pouco ventosos e de temperaturas com valores normalizados.

Notícia completa: Previsão – Tempo esta semana: chuva continua e temperaturas sobem, consultado a 25 de junho de 2019
Fonte: Tempo.pt

Notícias – Fim de semana nublado e com pequena subida das temperaturas

Prevê-se um fim de semana marcado pela estabilização do tempo. Regressa o calor, com ligeira subida das temperaturas e afasta-se o padrão de instabilidade associado à precipitação. Confira a previsão!

Após a passagem tempestuosa da depressão Miguel, que ainda provocou alguns estragos na região Norte, a atmosfera vai estabilizar progressivamente ao longo dos próximos dias, antecipando-se um fim de semana com tempo mais estável, marcado sobretudo pela ligeira subida das temperaturas e pelo elevado grau de nebulosidade. Com efeito, esta sexta-feira ainda se foram notando alguns chuviscos pontualmente precipitados e dispersos em alguns territórios da região Norte e também mais a sul, em Coimbra. Pode-se considerar por isso que já houve uma melhoria considerável do estado do tempo em relação à quinta-feira de temporal, marcada pela passagem da Depressão Miguel. O céu vai estar parcialmente nublado e o vento vai reduzir de intensidade, soprando em geral fraco e por vezes, moderado. As temperaturas vão subir ligeiramente, com destaque para toda a região sul e no interior Norte e Centro, mas sem grandes oscilações térmicas nos territórios do litoral.
Projeta-se uma tendência gradual para a subida das temperaturas ao longo do fim de semana, e possivelmente durante a próxima semana. Cenário meteorológico para ir acompanhando de acordo com as atualizações do modelo Europeu de previsão.

Sábado será um dia parcialmente nublado, com a nebulosidade a ser especialmente acentuada no Norte e Centro. A amplitude térmica diária será deveras evidente, com mínimas abaixo dos 10 ºC em várias cidades tais como Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Coimbra, Leiria, Santarém e Évora. As temperaturas máximas mais elevadas serão de 21 ºC em Bragança e Viseu, 25 ºC em Castelo Branco e 23 ºC em Portalegre, 27 ºC em Beja e 25 ºC em Faro.

Artigo Completo: Fim de semana nublado e com pequena subida das temperaturas, consultado a 7 de junho de 2019
Fonte: tempo.pt