Notícia: Texto de Acordo de Paris

Portugal: 5 anos do Acordo de Paris
Há 5 anos foi possível adotar um Acordo inovador e ambicioso, acordando um texto discutido ao detalhe e que juntou 197 países num esforço partilhado de descarbonizar a economia mundial e de preparar o mundo para os efeitos das alterações climáticas.

Esse Acordo foi o início de uma nova etapa na resposta aos desafios das alterações climáticas, em que, pela primeira vez, foi assumido um compromisso global para mudar a trajetória em que nos encontrávamos. A União Europeia e os seus 27 Estados-Membros, onde se inclui Portugal, partilham a sua Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) ao abrigo do Acordo de Paris e deverão apresentar uma nova NDC, mais ambiciosa, até final de 2020, contribuindo assim para a concretização dos objetivos de longo prazo do Acordo de Paris.

Cinco anos depois, Portugal deu passos importantes neste sentido, diminuindo a vulnerabilidade do seu território e aumentado a sua capacidade de resiliência, tendo ultrapassado as metas por si definidas e estabelecido novas metas, mais ambiciosas, rumo à neutralidade carbónica em 2050.

Disponibiliza-se aqui o texto do ACORDO DE PARIS 2015 – 2020, com textos de enquadramento dos ministros de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto dos Santos Silva, e do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes.

Veja aqui a infografia “PORTUGAL 2015-2020 PROGRESSO ALCANÇADO”.

Fonte: APA, consultado a 12 de dezembro de 2020.

Notícia: Ministério do Ambiente e da Ação Climática e o Acordo de Paris

Ministério do Ambiente e da Ação Climática publica documento com o texto do Acordo de Paris

acordo_paris_acoes_climatica_ministerio_ambiente_clima_desflorestacao

“No documento, os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros refletem sobre a importância da convenção internacional em termos diplomáticos e ambientais, adicionalmente é incluída uma infografia com os progressos alcançados pelo país.(…)

“O nosso futuro, com o Ambiente no centro da ação, é um momento de afirmação. De afirmação de uma tese, a nossa, de que a política ambiental é uma política ativa, que defende os valores ambientais ao erigir um modelo económico sustentável, nele abarcando formas de produzir, de consumir e de proteger recursos. Uma política que recusa o “Não” como princípio cautelar, mas que também não aceita claudicar a interesses de um modelo económico predador e, por isso, sem futuro.”, afirma Matos Fernandes (…)”

Fonte: Greensavers, consultado a 12 de dezembro de 2020.

Notícias – Jovens activistas do clima convidam Greta Thunberg a vir a Portugal

Grupo português pede ajuda a Greta Thunberg para alertar os políticos portugueses sobre o risco ambiental de construir um aeroporto no Montijo, e outros problemas nacionais causados pela poluição e o aquecimento global.
Os jovens portugueses que participam no movimento Greve Climática Estudantil querem a activista adolescente Greta Thunberg em Portugal e enviaram uma carta aberta a convidá-la. Parte do objectivo é ajudar o grupo a alertar os políticos portugueses sobre o perigo de decisões como a construção de um novo aeroporto no Montijo e o desaparecimento de árvores no sul do país devido às mudanças climáticas.
Como Thunberg vai estar em Madrid entre 2 e 13 de Dezembro para a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2019 (COP25), a ideia é que a jovem faça um desvio por Portugal alguns dias antes.

Notícia completa: Greta Thunberg – Portugal

Fonte: Público, consultado a 10 de novembro de 2019.

Notícias: “Salvem o planeta como salvaram a Notre-Dame”, pediu Greta Thunberg.

Greta Thunberg começa a ser uma cara cada vez mais conhecida no Parlamento Europeu. Na participação que fez esta terça-feira, 16 de abril, voltou a apresentar-se como tem feito nas últimas semanas: “O meu nome é Greta Thunberg, venho da Suécia e quero que entrem em pânico”. Desta vez a mensagem que quis passar foi: é preciso tanta urgência na vontade de salvar o ambiente como aquela demonstrada depois da que foi mostrada no incêndio na catedral de Notre-Dame, em Paris, esta segunda-feira.

“Ontem [segunda-feira], o mundo inteiro assistiu com tristeza e desespero ao fogo que assolou a Notre-Dame, em Paris. Mas a Notre-Dame vai ser reconstruída”, disse a jovem que incitou milhões de estudantes a tornarem-se mais civicamente ativos contra as alterações climáticas, em Estrasburgo.

Artigo completo: “Salvem o planeta como salvaram a Notre-Dame”

Fonte: Sábado, consultado a 22 de abril de 2019.

Notícias: DIA DA TERRA 2019: Quantos mais Dias da Terra serão precisos?

Em 1969, após a assistir a um derrame de petróleo em Santa Bárbara, no estado da Califórnia, o senador americano Gaylord Nelson começou a arquitectar a ideia ambiciosa de colocar as questões climáticas na agenda política nacional. A tarefa não seria fácil: canalizavam-se quantidades monstruosas de dinheiro para a exploração de combustíveis fósseis; as indústrias altamente prejudiciais triunfavam num crescimento mundial desenfreado; o cheiro a smog e a poluentes tóxicos nas vilas e cidades era apenas sinal de prosperidade e desenvolvimento económico. Tomar os impactos ambientais em conta nas decisões políticas era ainda extremamente rudimentar. O céu era o limite para o crescimento económico.

Um ano depois, escolheu-se o dia 22 de Abril de 1970 para se comemorar o primeiro Dia da Terra. Uma data que ficaria para a história da América e do mundo contemporâneo: foi a primeira vez que se reconheceu a necessidade de se assinalar um dia específico no calendário para celebrar a Terra e alertar para a destruição ambiental. Nelson, em conjunto com o congressista republicano Pete McCloskey e uma equipa de 85 funcionários, coordenaram e organizaram acções, demonstrações e protestos por todo o país. Vinte milhões de americanos saíram à rua nesse dia, alertando para a urgência de tomar medidas contra a iminente crise climática que se aproximava, e focando-se sobretudo nas questões de saúde pública, como água limpa e ar respirável para todos.

Artigo completo: Quantos mais Dias da Terra serão precisos?

Fonte: Público, consultado a 22 de abril de 2019.

Notícias: Dia da Terra. Planeta perdeu 40% dos animais desde 1970

O dia é da Terra, mas são os humanos que estão sob foco, desde o desaparecimento de animais ao desgaste de recursos do planeta. Estima-se que o homem tenha impactado 83% da superfície terrestre.

Celebra-se esta segunda-feira, 22 de abril, o Dia Internacional da Terra. Mas apesar de o dia ser do planeta, as estrelas somos nós, os humanos. Segundo dados publicados pela associação ambientalista Zero a propósito do efeméride festiva, a situação ambiental no nosso planeta tem-se alterado de forma alarmante desde 1970, ano em que o Dia da Terra começou a ser celebrado: segundo a associação, por exemplo, 40% dos animais do nosso planeta desapareceram desde aquele ano.

De acordo com a Zero, a Terra enfrenta “a maior taxa de extinção desde que perdemos os dinossauros há mais de 60 milhões de anos”. O motivo? Os humanos e as suas atividades. “Alterações climáticas, desmatamento, perda de habitat, tráfico e caça furtiva, agricultura insustentável, poluição e uso de pesticidas”, são algumas das causas humanas para a diminuição da biodiversidade dadas pela associação, que faz o apelo para que o Dia da Terra deste ano seja celebrado a pensar na proteção das espécies.

Artigo completo: Planeta perdeu 40% dos animais desde 1970.

Fonte: Observador, consultado no dia 22 de abril de 2019