Exame Nacional de Historia A e Critérios de Correção – Ano Letivo 2017/2018

Os alunos do 12º ano realizaram o Exame Nacional de História A.
Podes consultar aqui o enunciado e os critérios de correção do Exame Nacional de História A.

Exame Nacional – Historia A – 2017-2018
Critérios de Correção
Fonte: IAVE, consultado em 22 de junho de 2018

Artes e Letras: 25 de Abril – Roteiro da Revolução

25 de Abril – Roteiro da Revolução
Uma viagem pelos lugares que marcaram a revolução de José Mateus, Susana Gaudêncio e Raquel Varela

Sinopse:
Terminou no dia 25 de abril de 1974 a ditadura do Estado Novo.
Um grupo de oficiais das Forças Armadas pegou em armas e depôs um regime há muito decadente.
Contra os vários apelos do MFA para que as pessoas ficassem em casa, tem início um processo que ficará conhecido como Revolução dos Cravos.
Siga todos os passos.

Fonte: Livraria Bertrand, consultado a 20 de abril de 2018

História 12.º Ano – A construção da sociedade socialista

Módulo 7 – Crises, embates ideológicos e mutações culturais na primeira metade do século XX
Unidade 1 – As transformações das primeiras décadas do século XX
1.2 – A implantação do marxismo-leninismo na Rússia
1.2.2 – A construção da sociedade socialista

– Com a construção da sociedade socialista, surge a publicação dos primeiros decretos revolucionários:
* Decreto sobre a paz, o novo poder apelava ao fim da guerra.
* Decreto sobre a terra, entrega das terras aos sovietes e camponeses.
* Decreto sobre o controlo operário, atribuia a sovietes de operários a superintendência das grandes empresas e da respectiva produção.
* Decreto das nacionalidades, que punha fim às desigualdades entre os vários povos que integravam o antigo império czarista e reconhecia o direito à autodeterminação ainda que sob a bandeira socialista.

História 12.º Ano – A democracia dos sovietes

Módulo 7 – Crises, embates ideológicos e mutações culturais na primeira metade do século XX
Unidade 1 – As transformações das primeiras décadas do século XX
1.2 – A implantação do marxismo-leninismo na Rússia
1.2.2 – A democracia dos sovietes

– O poder passou a ser exercido por um Conselho de Comissários do Povo, constituído a partir dos sovietes e liderado por Lenine.
– O primeiro acto político do novo Governo foi negociar a retirada da Rússia da Guerra.
– Em finais de 1917, são organizadas eleições para a Assembleia Constituinte. Perante o fracasso bolchevique, Lenine dissolveu a Assembleia e transferiu o poder para o Congresso dos Sovietes.
– Segundo a Constituição de 1918, o órgão máximo de soberania era o Congresso dos Sovietes. Desta forma, a Rússia tornou-se uma República Soviética.
– O poder passava para as mãos dos trabalhadores organizados em sovietes, na prática, era exercido pelo Partido Comunista.

História 12.º Ano – A construção do modelo soviético

Módulo 7 – Crises, embates ideológicos e mutações culturais na primeira metade do século XX
Unidade 1 – As transformações das primeiras décadas do século XX
1.2 – A implantação do marxismo-leninismo na Rússia
1.2.1 – A construção do modelo soviético

Fevereiro de 1917 – A revolução burguesa
• Em 1917, a conjuntura económica e politica da Rússia era extremamente favorável à difusão de sentimentos de contestação e de revolta.
• Movimentos políticos inspirados, uns no liberalismo burguês, outros na ideologia socialista.
Em fevereiro, São Petersburgo é o centro de grandes manifestações populares, greves e motins em que se exige o fim do czarismo. Este descontentamento estendeu-se à burguesia.
• Em março, o czar abdica e entrega o poder a um governo provisório onde preponderam liberais e socialista.
O novo governo adopta o modelo democrático parlamentar de tipo ocidental.

Outubro de 1917 – A revolução socialista
• Com a implementação do modelo democrático parlamentar, as ideias socialistas começaram a espalhar-se com maior facilidade.
• O movimento socialista russo apontava as suas críticas à burguesia.
• Nesta conjuntura, após os movimentos de fevereiro, os sovietes de operários e de soldados voltaram a organizar-se nas respectivas fábricas e quartéis e espalharam-se pela Rússia.
• O soviete que mais sobressaia era o de São Petersburgo, que fora constituído ao lado da Duma e funcionava como um poder paralelo, que dificultava o funcionamento das instituições governativas.
• Entre os principais agitadores revolucionários encontravam-se os bolcheviques (maioritários e defendiam a revolução como forma de conduzir o operariado ao poder) e os mencheviques (minoritários e defendiam a via reformista, aceitando colaborar no Governo Provisório ao lado da burguesia).
• Os bolcheviques aproveitam a fragilidade política da Rússia, tendo em vista a instituição da ditadura do proletariado. Desenvolvem uma forte campanha contra a presença da Rússia na 1.ª Guerra Mundial, denunciam a impotência do Governo Provisório para tirar o país do caos económico e social.
Em outubro de 1917, Lenine e Trotsky tomam o poder e tem início a revolução socialista.

História 12.º Ano – Um novo equilíbrio global

Módulo 7 – Crises, embates ideológicos e mutações culturais na primeira metade do século XX
Unidade 1 – As transformações das primeiras décadas do século XX
– Um novo equilíbrio global
A geografia política após a Primeira Guerra Mundial.
A Sociedade das Nações e a nova ordem internacional.
A difícil recuperação económica da Europa.
A dependência em relação aos Estados Unidos.

História 12.º Ano – A dependência em relação aos Estados Unidos

Módulo 7 – Crises, embates ideológicos e mutações culturais na primeira metade do século XX
Unidade 1 – As transformações das primeiras décadas do século XX
– Um novo equilíbrio global
• A dependência em relação aos Estados Unidos

– Até à primeira metade do século XX, a Europa podia orgulhar-se da sua hegemonia industrial, comercial e financeira, mas a partir de 1914 passou para uma irreversível situação de dependência em relação aos EUA.

– Durante a 1.ª Guerra Mundial, os EUA forneceram à Europa matérias-primas, alimentos e armas.

– No fim do conflito, os EUA forneceram bens de primeira necessidade, financiamentos e investimento financeiro para a reconstrução da Europa.

– Os capitais investidos pelos EUA na Europa foram altamente rentabilizados e acabavam por regressar sob a forma de pagamentos dos débitos contraídos pela Europa.

– No início dos anos 20, cerca de metade do stock mundial do ouro concentrava-se nos Estados Unidos da América.

– Enquanto a Europa se erguia com enorme dificuldade das ruínas da guerra, a economia americana arrancava para um período de desenvolvimento industrial e comercial.