Exame Nacional Geografia 2018 – 1.ª Fase: As áreas urbanas: dinâmicas internas.

12. Leia o texto seguinte.

Na atualidade, nas cidades de Lisboa e do Porto, assiste-se a alterações significativas no mercado imobiliário. As taxas de ocupação dos alojamentos locais para fins turísticos, nos centros históricos de Lisboa e do Porto, são muito elevadas, o que tem gerado uma sobrevalorização imobiliária. Poucos edifícios requalificados nessas cidades são direcionados para habitação permanente, podendo o arrendamento de curta duração ser feito através de plataformas digitais internacionais de reserva. Nas cidades, multiplicam-se os hostels, o comércio de fast food e o comércio de produtos com apelo gourmet ou artesanal.
Fonte: www.publico.pt (consultado em outubro de 2017) (adaptado).

12.1. Tendo em conta a informação do texto, o aumento do valor da renda locativa nos centros históricos deve-se, entre outros fatores,

(A) à oferta habitacional ser superior à procura nestas áreas.
(B) à gentrificação incentivada pelo turismo nestas áreas.
(C) à generalização da rurbanização nestas áreas.
(D) à aposta na construção em altura nestas áreas.

12.2. A especialização funcional referida no texto, além de contribuir para a projeção internacional das cidades de Lisboa e do Porto, veio permitir

(A) a estabilização do arrendamento a longo prazo.
(B) a subida exponencial da função residencial.
(C) a redução da pressão sobre os recursos naturais.
(D) a regeneração urbana de bairros históricos.

12.3. Apresente duas razões que justificam a relevância das plataformas digitais no aumento da taxa de ocupação dos alojamentos para fins turísticos.

Aqui estão três questões do exame nacional de Geografia, 1.ª fase, de 2018, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (cinco no total) e as respectivas soluções.

Exame Nacional Geografia 2018 – 1.ª Fase: As áreas rurais em mudança

6. A Lezíria do Tejo apresenta uma ocupação cultural diversificada, com tomate, oliveira, trigo, melão, vinha e sobreiro.
Identifique as duas culturas que são temporárias de regadio.

7. O desenvolvimento da região do Alentejo passa pela exploração dos seus recursos endógenos. Duas das estratégias possíveis a fomentar são:
A – o desenvolvimento da fileira associada à extração dos minerais metálicos;
B – o desenvolvimento da fileira associada à extração das rochas ornamentais.

Selecione a estratégia, A ou B, que, como autarca, escolheria para desenvolver a região do Alentejo.
De acordo com a estratégia selecionada, apresente duas medidas, explicando de que modo contribuem para o desenvolvimento da região.

8. Em 2010, a agricultura e a floresta ocupavam cerca de 60% do território continental.
As Figuras 4A e 4B representam, respetivamente, os padrões de uso e ocupação do solo da agricultura e da floresta

8.1. A partir da análise da Figura 4A, identifique as duas regiões agrárias, além da região agrária do Alentejo, onde há maior representatividade dos concelhos com uma área agrícola superior a 40%.

Aqui estão três questões do exame nacional de Geografia, 1.ª fase, de 2018, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (oito no total) e as respectivas soluções.

Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Áreas Urbanas

1. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as afirmações
consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) As funções associadas ao CBD tendem a deslocalizar-se para outras áreas que, pela sua acessibilidade, se vão constituindo como novas centralidades.
b) Na fase centrífuga, a população diminui no centro da cidade e dá-se o crescimento demográfico e das atividades económicas das áreas urbanas envolventes.
c) A suburbanização tem alguns impactes territoriais negativos, como a destruição dos solos agrícolas e de solos ocupados com floresta e a falta de equipamentos sociais das novas áreas residenciais.
d) Nas respetivas áreas metropolitanas, os concelhos de Lisboa e do Porto foram os que registaram um maior crescimento demográfico nas últimas décadas.
e) Nas cidades, a saturação das diferentes infraestruturas nunca é problema porque estas, geralmente, expandem-se à medida das necessidades da população.

Soluções: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Áreas Urbanas

Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Áreas Rurais

1. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as afirmações
consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) Em Portugal foram definidas 10 regiões agrárias, oito no Continente e duas nas Regiões Autónomas.
b) As políticas agrícolas constituem um fator condicionante da agricultura, sobretudo na União Europeia, depois da criação da PAC.
c) Em Portugal, o sistema de cultura extensivo associa-se à policultura e aos campos fechados e irregulares do Noroeste e da ilha da Madeira.
d) Em Portugal predomina a exploração da SAU em sistema de arrendamento, sobretudo no norte do país.
e) Um dos principais objetivos da PAC, aquando da sua criação, foi criar um nível de vida para os agricultores que fosse mais próximo do da população dos outros setores de atividade.
f) A produção da biomassa é uma das atuais formas de promover o desenvolvimento do espaço rural.

Soluções: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Áreas Rurais

Geografia 11.º Ano – A implantação da indústria

3.2 – As áreas urbanas: dinâmicas internas
3.2.1 – A organização das áreas urbanas
3.2.1.3 – A implantação da indústria

A implantação da indústria
Durante várias décadas, o espaço urbano constituiu a área preferencial para a localização da indústria, pois era nesta área que estava concentrada a mão de obra, as infraestruturas, equipamentos e serviços de apoio à produção.
• Com a modernização da indústria, as áreas industriais começaram a precisar de mais espaço, uma maior proximidade das vias de comunicação e um aumento da poluição. Desta forma, as indústrias começaram a deslocar-se para as periferias das cidades.
No interior das cidades ficaram as indústrias não poluentes, que exigem pouco espaço, consumidoras de matérias-primas pouco volumosas e que necessitam de estar perto dos clientes.

Geografia 11.º Ano – Indústria no Espaço Rural

O crescimento industrial fez-se sentir nos distritos do litoral, onde existe, entre outros factores, maior número de mão-de-obra qualificada, melhores vias de comunicação e uma grande número de serviços de apoio às empresas.

– Devido à concentração industrial nas zonas litorais e próximas das duas maiores cidades portuguesas, Porto e Lisboa, as áreas rurais começaram a sentir o efeito do despovoamento (devido ao êxodo rural e à emigração), envelhecimento da população (a população jovem procura áreas mais atractivas) e uma quebra da taxa de natalidade.

Com a melhoria e expansão da rede viária, construção de parques industriais e aproveitamento dos recursos endógenos alguns distritos do interior conseguiram um significativo crescimento industrial. Grande parte das indústrias estão ligadas às actividades tradicionais dos respectivos distritos. Como exemplo deste crescimento, temos Guarda e Castelo Branco.

– Os restantes distritos do interior e as regiões autónomas, estão poucos industrializados e as indústrias existentes estão ligadas à agricultura, exploração dos recursos do subsolo, entre outros.

Para que as áreas rurais sejam mais atractivas, para a indústria e para a população, é necessário:
• Criar infraestruturas para a implementação industrial, como parques industriais, vias de comunicação, criação de serviços de apoio às empresas, entre outros;
• Benefícios fiscais para as indústrias, como redução de impostos, redução do IMI, entre outros;
• Benefícios fiscais para a população para reduzir o êxodo rural e a baixa natalidade, como redução no IRS, aumento do apoio às famílias numerosos, incentivos à natalidade, entre outros;
• Aproveitamento dos recursos endógenos.