Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial – Cidades, Funções Urbanas, Sistema Urbano Alentejano, Rede Urbana Policêntrica, Comunidades Intermunicipais (CIM)

Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial
Questões 8-9

8. A capacidade de uma cidade maximizar e rentabilizar as suas funções urbanas, de gerar emprego e atrair população, atribui-lhe uma determinada importância em relação às outras e, por isso, um lugar na hierarquia urbana de acordo com o nível das funções que fornece.
Fonte: Ramos, A., Redes Urbanas Policêntricas: Operacionalização no Subsistema Sines – Santiago do Cacém – Vila Nova de Santo André,
Dissertação de Mestrado em Gestão do Território, FCSH-UNL, junho de 2014, p. 11 (consultado em fevereiro de 2019). (Adaptado)

A Figura 4 representa o sistema urbano da região do Alentejo.

8.1. Três dos centros urbanos regionais com mais população inseridos em eixos urbanos observados na Figura 4 são
(A) Évora, Elvas e Sines.
(B) Évora, Beja e Portalegre.
(C) Beja, Sines e Estremoz.
(D) Beja, Portalegre e Vila Viçosa.

8.2. Na Figura 4, observa-se uma rede urbana policêntrica, na região do Alentejo, que se caracteriza pela
(A) litoralização de centros urbanos, contrastando com os do interior.
(B) polarização em torno da cidade de Évora, evidenciando assimetrias.
(C) macrocefalia entre o centro urbano de nível hierárquico superior e os restantes.
(D) existência de centros urbanos de dimensões diferentes, mas com influência regional.

8.3. A posição hierárquica da cidade de Sines na rede urbana do Alentejo explica-se pela existência de um porto estratégico, que funciona como
(A) uma plataforma multimodal de acesso de navios de cruzeiros e de desportos náuticos.
(B) uma porta atlântica no acesso de matérias-primas e de recursos energéticos para a indústria.
(C) um cluster integrador do porto e das indústrias ligadas aos recursos dos oceanos.
(D) um hub distribuidor de tráfego ferroviário de passageiros e de energia através de oleodutos.

8.4. À escala regional, o aumento da área de influência de cidades como a assinalada na Figura 4 pela letra X explica-se, entre outras razões, pela
(A) aposta na rede de transportes públicos urbanos.
(B) oferta de funções de nível hierárquico superior.
(C) diversidade de oferta de bens banais.
(D) reorganização administrativa das freguesias.

9. A criação de Comunidades Intermunicipais (CIM) visa a rentabilização de infraestruturas e de equipamentos de apoio à população.
Duas estratégias para melhorar o funcionamento dos serviços das Comunidades Intermunicipais são:
A – o estabelecimento de parcerias no âmbito do saneamento básico;
B – a cooperação no âmbito da saúde.

Selecione uma das estratégias, A ou B. De acordo com a estratégia selecionada, apresente duas vantagens, explicando de que modo contribuem para melhorar o funcionamento dos serviços das Comunidades Intermunicipais.

Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 10 de setembro de 2021.

Geografia – Exercício de preparação para o Exame Nacional (Aprendizagens Essenciais) – A rede urbana e as relações campo-cidade

Sugestão de preparação para o Exame Nacional de Geografia.

Ler e definir os seguintes conceitos do Tema 3 – Os espaços organizados pela população; Subtema: A rede urbana e as relações campo-cidade.
Conceitos: aglomeração urbana, área de influência ou hinterland, bipolarização urbana, policentrismo, centralidade, coesão
territorial, complementaridade, cooperação territorial, descentralização, desconcentração, deseconomia de aglomeração,
economia de aglomeração, lugar central, macrocefalia, rede urbana, arco metropolitano, sistema urbano.

1. Lê e comenta a seguinte notícia.

Cinco municípios do Médio Tejo assinaram acordo de cooperação para a criação de uma rede de espaços de “coworking”.

Esta sexta-feira, dia 30 de abril, no Cine Teatro de Vouzela, as autarquias de Abrantes, Mação, Ourém, Vila de Rei e Vila Nova da Barquinha assinaram um acordo de cooperação para a criação de uma rede de espaços de coworking. O protocolo foi assinado entre a CIM do Médio Tejo e as 5 câmaras municipais referidas, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) e o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Estes espaços de coworking, previstos no Programa de Estabilização Económica e Social (PEES) “vêm contribuir para a dinamização dos territórios do Interior, facilitando a fixação e atração de pessoas e empresas , diminuindo a necessidade de deslocações e a consequente pegada carbónica, melhorando a qualidade de vida das populações do Interior, promovendo a conciliação entre a vida familiar e a vida profissional”, como foi já referido em comunicado pelos ministérios da Coesão Territorial, Solidariedade e Segurança Nacional.

As câmaras municipais ficarão responsáveis pela divulgação deste espaços, disponibilizando fotografias ou vídeos para permitir a realização de visitas virtuais por parte de eventuais interessados, e fornecendo informação relativa às características do espaço, condições de utilização, calendário anual, horário de utilização e custo associado.

Fonte: Adaptado Entroncamento Online, consultado a 2 de maio de 2021.