Exame Nacional de Geografia 2019 – Zona Económica Exclusiva

1. Na expedição científica para a conservação marinha Oceano Azul, realizada em 2018, foi descoberto, a 60 milhas náuticas da ilha do Faial, nos Açores, um novo campo hidrotermal, a 570 metros de profundidade.
A expedição insere-se no Programa Bioeconomia Azul, que visa envolver instituições, empresas, startups, entre outros parceiros, na promoção da investigação e no desenvolvimento de uma economia sustentável ligada aos oceanos, nomeadamente, na área dos biomateriais.
Fonte: www.gulbenkian.pt (consultado em outubro de 2018). (Texto adaptado)

1.1. O valor da latitude da ilha do Faial, de acordo com a Figura 1, está compreendido entre
(A) os 35º O e os 40º O.
(B) os 35º N e os 40º N.
(C) os 25º O e os 30º O.
(D) os 25º N e os 30º N.

1.2. Na Figura 1, está assinalada a plataforma continental, cujo limite corresponde à
(A) distância de 100 km a partir da linha de base.
(B) distância de 200 km a partir da linha de base.
(C) profundidade de 100 metros.
(D) profundidade de 200 metros.

1.3. A Proposta de Extensão da Plataforma Continental, apresentada pelo governo português à ONU em
2009, observada na Figura 1, aumenta a possibilidade de Portugal aceder a recursos
(A) hidrotermais no fundo do oceano, na ZEE contígua à costa de Portugal continental.
(B) piscatórios além das 200 milhas náuticas da ZEE portuguesa.
(C) polimetálicos no fundo do oceano, além da ZEE portuguesa.
(D) energéticos na ZEE circundante às Regiões Autónomas de Portugal.

[…]

Aqui estão apenas as três primeiras questões do exame, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (cinco no total) e as respectivas soluções.

Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Recursos Marítimos

1. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as afirmações
consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) A ZEE portuguesa é a maior da UE e tem uma extensão aproximada de cerca de 1,8 milhões de km2.
b) No litoral continental há uma predominância da costa de praia e a costa de arriba tem menor extensão.
c) A ria de Aveiro formou-se pela regressão das águas do mar e pela acumulação de sedimentos transportados pelo rio Vouga.
d) Na confluência da corrente fria com uma quente, há maior quantidade de fauna marinha.
e) As áreas onde a frota portuguesa efetua maiores capturas são o Atlântico Sudoeste, o Atlântico Centro-Oeste e o Pacífico Sudoeste.
f) O Plano de Ordenamento do Espaço Marítimo destina-se a ordenar a circulação de navios nas águas territoriais portuguesas.

Soluções: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Recursos Marítimos

Geografia 10.º Ano – Perguntas de Exames Nacionais: Recursos Marítimos

Geografia A – Recursos Marítimos

Questões de Escolha Múltipla:
1 – As Figuras 2A e 2B representam duas formas de exploração dos recursos marinhos.

1. Os problemas associados às atividades económicas representadas nas Figuras 2A e 2B são, entre outros, respetivamente,

(A) a redução da biodiversidade oceânica e o aumento do preço unitário do produto.
(B) a captura exclusiva de espécies selecionadas e o aumento do preço unitário do produto.
(C) a redução da biodiversidade oceânica e o aumento da produção de efluentes.
(D) a captura exclusiva de espécies selecionadas e o aumento da produção de efluentes.

2. A aquicultura contribui para a gestão racional dos recursos piscatórios, uma vez que

(A) permite a preservação dos stocks de espécies piscícolas em perigo de extinção.
(B) garante o abastecimento dos mercados em espécies piscícolas de águas profundas.
(C) assegura o cumprimento das quotas de pesca atribuídas a cada país.
(D) impede a captura de espécies piscícolas por artes de pesca ilegais.

3. A afirmação «o sector das pescas apresenta uma importância estratégica para a Região Autónoma dos Açores» é

(A) falsa, porque a plataforma continental tem uma extensão reduzida e predomina a pesca costeira artesanal.
(B) verdadeira, porque o sector incrementa o desenvolvimento da pesca turística e evita a extinção de espécies.
(C) falsa, porque o tipo de costa não permite a existência de portos de abrigo e os barcos são de pequeno calado. (D) verdadeira, porque o sector contribui para o abastecimento alimentar da região e promove a criação de emprego.

4. O fenómeno do upwelling ao longo da costa ocidental portuguesa deve-se

(A) ao aquecimento das águas, o que facilita a prática de atividades de lazer associadas ao mar.
(B) à ascensão das águas frias, o que contribui para o aumento dos recursos piscícolas.
(C) ao arrefecimento das águas, o que ajuda a preservar a fauna e a flora da plataforma continental.
(D) à subsidência de águas quentes, o que favorece o crescimento rápido de espécies marinhas.

5. Portugal propôs, nas Nações Unidas, o alargamento da área oceânica sob jurisdição nacional para além das 200 milhas náuticas, o que, a concretizar-se, permitirá

(A) aumentar a área de instalação de aerogeradores offshore.
(B) garantir o controlo do tráfego marítimo em águas nacionais.
(C) fomentar o comércio, por via marítima, entre Portugal e os países americanos.
(D) explorar uma maior diversidade de recursos naturais do fundo do oceano.

Questão de Desenvolvimento:

1 – A Figura 4 representa um troço da costa portuguesa na região de Lisboa.

1. Indique duas das características do tipo de costa que a Figura 4 representa.

2. Refira duas das causas do recuo da linha de costa que se tem verificado em alguns troços do litoral português, como o representado na Figura 4.

3. Apresente duas das medidas contempladas em planos de ordenamento da orla costeira que visam a proteção do litoral.

4. Explique a importância de Portugal ter uma estratégia nacional para o mar, tendo em conta os tópicos de referência seguintes:
• a posição geográfica do país;
• as potencialidades económicas do oceano.

Em cada um dos tópicos, a explicação deve focar dois aspetos.

Fonte: IAVE, consultado a 18 de junho de 2017

Geografia 10º Ano – A rentabilização do litoral e dos recursos marítimos

Ideias fundamentais para a rentabilização do litoral e dos recursos marítimos:
– Vigilância das águas nacionais;
– Racionalização do esforço de pesca;
– Aquacultura;
– Planos de Ordenamento da Orla Costeira;
– Turismo.

Geografia 10º Ano – Política Comum de Pescas

Síntese da matéria “Política Comum de Pescas”:
– Política Comum de Pescas (PCP): enquadra toda a actividade do sector de pescas em Portugal desde a adesão à comunidade até aos nossos dias;
– Em 2013, o Parlamento Europeu aprovou uma nova reforma da PCP, que tem como principais pontos:
• Proibição das devoluções ao mar;
• Critérios para a repartição das quotas de pesca;
• Frotas de pesca;
• Planos plurianuais;
• Pesca costeira e regiões ultraperiféricas;
• Melhor informação aos consumidores.

Para mais informações podem consultar:
Parlamento Europeu – Reforma da Política Comum das Pescas

Geografia 10º Ano – Actividade piscatória

Resumo da matéria da disciplina de Geografia 10º ano – Actividade piscatória:
Áreas onde é praticada a actividade piscatória:
Pesca Local: é praticada nos rios, estuários, lagunas e na costa até 6 ou 10 milhas; As embarcações são de convés aberto ou fechado, têm até 9 metros de comprimento;
Pesca Costeira: é praticada entre as 6 milhas de costa e as 12 milhas de costa, por embarcações de dimensão superior a 9 metros e com autonomia até 3 semanas, podem trabalhar na ZEE;
Pesca Largo: realiza-se para além das 12 milhas; As embarcações tem uma tonelagem superior a 100TAB, oferecem condições de habitabilidade à tripulação, inclui equipamentos de transformação e armazenamento do pescado pois podem ficar vários meses em alto mar;
Técnicas utilizadas:
Pesca artesanal: técnicas e meios utilizados são tradicionais e o período de permanência no mar são curtos (inferior a 1 dia) e por este factor são estão equipadas com meios de transformação e conservação do pescado;
Pesca industrial: técnicas utilizadas são modernas e sofisticadas, embarcações equipadas com meios de transformação e conservação do pescado;
Infraestruturas portuárias:
• Numerosos e pequenos portos de mar;
• Equipamentos sanitários não adequados na descarga do pescado;
• Falta de meios de conservação do pescado;
• Condições de comercialização deficitárias;
– Frota marítima:
• Pequenas embarcações;
• Embarcações bastante envelhecidas;
• Falta de equipamentos tecnológicos modernos;
– Qualificação da mão de obra:
• Estrutura etária envelhecida;
• Baixo nível de instrução;
• Pouca formação profissional;
– Apoios da União Europeia:
• Modernizar as instalações de frio;
• Equipar lotas com equipamento informático;
• Modernizar as infraestruturas de cargas e descargas.