Filosofia 11.º Ano – O Ceticismo Moderado de David Hume

Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
– O Empirismo de David Hume
• O Ceticismo Moderado de David Hume

– Ceticismo moderado, capacidade cognitiva que limita-se ao provável.
– Hume é conduzido à conclusão de que existem duas crenças que, embora não possamos viver sem as assumir como verdadeiras, estão para além de qualquer tentativa de justificação racional:
• A crença na uniformidade da Natureza, isto é, a crença de que a Natureza se irá comportar conforme se tem comportado até hoje (ou seja, a crença no Princípio da Indução);
• A crença na existência do mundo exterior, isto é, a crença de que existem objetos exteriores à nossa mente que são responsáveis pelas nossas percepções dos mesmos.

Filosofia 11.º Ano – David Hume: O Problema da Uniformidade da Natureza ou Problema da Indução

Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
– O Empirismo de David Hume
• O Problema da Uniformidade da Natureza

– A nossa experiência de certas regularidades ou certas repetições, pelo que não temos legitimidade para postular a existência de uma força ou poder secreto da Natureza que estabelece uma relação causal entre diferentes objetos ou acontecimentos;
– A ideia de que causas semelhantes terão efeitos semelhantes e chamamos a esta proposição o Princípio da Uniformidade da Natureza.
– Tudo o que posso fazer é dizer que acredito que assim será porque até hoje sempre assim foi.
– Hume considerou que não há maneira de justificar racionalmente a nossa confiança nas inferências indutivas.
– Numa inferência válida, a sua solidez depende da veracidade do Princípio da Uniformidade da Natureza.
– Justificar a nossa confiança numa princípio tendo como base a nossa experiência de que a Natureza se tem comportado de modo uniforme.