Preparação para o Exame Nacional de Filosofia: Karl Popper

1 – Texto A
Aquilo em que nós acreditamos (bem ou mal) não é que a teoria de Newton ou a de Einstein sejam verdadeiras, mas sim boas aproximações à verdade, […] podendo ser superadas por outras melhores.
Karl Popper, O Realismo e o Objetivo da Ciência, Lisboa, Publicações D. Quixote, 1997

1.1 – Concorda com a posição de Popper relativamente ao problema da evolução da ciência?
Justifique a resposta, fundamentando a sua posição em, pelo menos, duas razões.

Respostas: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Filosofia: Karl Popper

Preparação para o Exame Nacional de Filosofia: Descartes e Hume

1. Leia o texto seguinte.

Texto A
Quando lanço um pedaço de madeira seca numa lareira, o meu espírito é imediatamente levado
a conceber que ele vai aumentar as chamas, não que as vai extinguir. Esta transição de pensamento
da causa para o efeito não procede da razão […]. E como parte inicialmente de um objeto presente
aos sentidos, ela torna a ideia ou conceção da chama mais forte e viva do que o faria qualquer
devaneio solto e flutuante da imaginação.
David Hume, «Investigação sobre o Entendimento Humano», in Tratados Filosóficos I, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2002

1.1. Explicite, a partir do exemplo do texto, em que se baseia a ideia da relação de causa e efeito, segundo
Hume.

1.2. Compare as posições de Hume e de Descartes relativamente à origem do conhecimento humano.
Na sua resposta deve integrar, pela ordem que entender, os seguintes conceitos:
−− razão;
−− sentidos;
−− ideias.

Respostas: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Filosofia: Descartes e Hume

Filosofia 11.º Ano – Exercícios de Preparação: Exame Nacional de Filosofia

1. Leia o seguinte texto:

«Todas as cores da poesia, por mais esplêndidas, jamais podem pintar os objetos naturais de tal modo que se tome a descrição pela paisagem real. O mais vivo pensamento é ainda inferior à mais fraca sensação.
Podemos observar uma distinção semelhante; um homem, num acesso de cólera, é estimulado de um modo muito diferente daquele que apenas pensa nessa emoção.»
D. Hume, Investigação sobre o Entendimento Humano, Lisboa, Lisboa Editora, 2006

1.1 A partir do texto, esclareça a distinção que Hume estabelece em relação à perceção dos objetos, ou do conhecimento que deles temos.

1.2 Thomas Kuhn apresenta uma conceção de ciência suportada em paradigmas. Esclareça a importância que os conceitos de paradigma e revolução desempenham na teoria de Kuhn sobre a ciência.

Soluções: Continuar a ler Filosofia 11.º Ano – Exercícios de Preparação: Exame Nacional de Filosofia

Filosofia 11.º Ano – Exercícios: Kopper e o critério de falsificabilidade

1.1. Considere as proposições abaixo expostas.
Selecione, depois, a alternativa que corretamente se lhes adequa.

1. Todos os metais oxidam.
2. Na sétima dimensão, alguns metais oxidam.
3. Este metal oxida.
4. Nenhum metal oxida.

A. só as proposições 1, 3 e 4 são falsificáveis;
B. só as proposições 2 e 4 são falsificáveis;
C. só as proposições 1 e 2 são falsificáveis;
D. só as proposições 3 e 4 são falsificáveis

1.2. Usando o critério de falsificabilidade mostre quais dos enunciados que se seguem são cientificos e quais os que não são:

A. Não existe vida nos planetas do nosso sistema solar.
B. Toda a felicidade está na vida para além da morte.
C. A velocidade da luz é constante.

Soluções: Continuar a ler Filosofia 11.º Ano – Exercícios: Kopper e o critério de falsificabilidade

Filosofia 11.º Ano – Críticas a Karl Popper

Críticas a Popper:

O processo de refutação ou falsificação não é o procedimento mais comum entre os cientistas.
– Alguns autores defendem que a atitude falsificacionista não corresponde exatamente àquela que os cientistas demonstram na atividade científica.

Considerando a história da ciência, não parece que ela possa evoluir por um processo assente nas refutações.
– Ao nível da história da ciência encontramos episódios que parecem pôr em causa a perspetiva falsificacionista e a ideia de que a ciência progride por meio de conjeturas e refutações.

Filosofia 11.º Ano – Karl Popper: O Critério da Falsificabilidade

O Critério da Falsificabilidade:

– Uma hipótese é científica se, e só se, for falsificável;
– Uma teoria é tanto mais falsificável quanto mais conteúdo empírico ela contenha;
– Permite a Popper responder ao problema da demarcação;
– As teorias científicas são diferentes das não-científicas (ou das pseudocientíficas), na medida em que são falsificáveis.

Conclusão:
– Quanto maior for o risco de o enunciado ser refutado, maior informação ele terá;
– Inversamente, quanto menor risco de ser refutado o enunciado correr, menor conteúdo empírico ele evidenciará.

Filosofia 11.º Ano – Karl Popper: Etapas do Método Hipotético-Dedutivo (ou Conjetural)

Etapas do Método Hipotético-Dedutivo (ou Conjetural):

– Formulação da hipótese ou conjetura a partir de um facto-problema:
– O ponto de partida da investigação científica são os problemas ou factos-problemas . Um facto-problema surge, em geral, de conflitos decorrentes das nossas expectativas ou das teorias já existentes. Para o resolver, o cientista terá de propor uma explicação provisória – hipótese (ou conjetura): momento criativo da atividade científica, associado à intuição, à imaginação, ao raciocínio abdutivo (raciocínio criativo) e não à indução.

– Dedução das consequências:
– Depois de a hipótese ter sido formulada, são deduzidas as suas principais consequências. Ou seja, na prática o cientista procura prever o que pode acontecer se a sua hipótese ou conjetura for verdadeira.

– Experimentação:
– Agora será necessário descobrir se as previsões que o cientista fez estão ou não corretas: a hipótese será testada, confrontada com a experiência. Os resultados podem, então, mostrar o “sucesso” ou o fracasso da conjetura proposta.
– Se for validada pela experiência, a hipótese é considerada como credível e passará a ser reconhecida na comunidade científica – teoria corroborada.
– Se não for validada, teremos de a abandonar ou de a reformular – teoria refutada.

Filosofia 11.º Ano – Karl Popper: Método das Conjeturas e Refutações

O método proposto por Karl Popper ficou conhecido por Método das Conjeturas e Refutações, que pode ser resumido em 3 etapas principais:

Problema:
– O ponto de partida para a ciência, ao contrário do que pensavam os indutivistas não pode ser a observação pura e imparcial dos factos, mas sim um problema levantado por uma observação que entra em confronto com as teorias e expetativas de que já dispomos.

Conjetura:
– Depois da formulação do problema compete ao cientista encontrar uma hipótese que seja uma possível resposta a esse problema.
– Essa hipótese pode ser uma suposição arrojada, imaginativa, mas
devidamente fundamentada, concebida para tentar explicar os factos.
– Popper chama conjeturas a este tipo de hipóteses.

Refutação:
– Esta etapa corresponde à fase em que o cientista testa a hipótese.
– Testar a hipótese consiste em confrontá-la coma experiência.
– Basta encontrar na experiência um elemento que contrarie a hipótese para
que esta seja afastada (refutada pela experiência).
– Este teste refutador deve ser conclusivo.

Filosofia 11.º Ano – Karl Popper e a Ciência (insatisfação da proposta indutivista da ciência)

Karl Popper e a insatisfação da proposta indutivista da ciência.

– Faz-se por um processo de construção criativa de hipóteses– conjeturas – para responder a problemas.
– Ao contrário do indutivismo, Popper entende que a observação não é o ponto de partida do cientista, nem as teorias resultam de inferências indutivas.
A ciência parte de problemas (ou factos-problemas) e as teorias começam por ser hipóteses explicativas e criativas (conjeturas) que terão de ser submetidas a testes rigorosos, tendo em vista a sua refutação.

Filosofia 11.º Ano – A conceção de Ciência de Popper – O Método Conjetural

Karl Popper: O Método Conjetural

– Considera que a especificidade metodológica da ciência não pode assentar na indução.
– A construção do conhecimento científico faz-se através de conjeturas e refutações
Rejeita o critério da verificabilidade e da confirmação das hipóteses e teorias científicas tal como proposto pelo positivismo lógico.
– O critério que garante a cientificidade das teorias é o da sua falsificabilidade.