Economia 11.º Ano – Questões de Exame Nacional: Unidade 10 – Relações económicas com o Resto do Mundo

Exame Nacional de Economia A
Relações económicas com o Resto do Mundo

Questões de Escolha Múltipla:

1. A Tabela 3 apresenta valores de taxas de câmbio, publicados pelo Banco de Portugal, para o dia 24 de setembro de 2015. Cada uma dessas taxas representa a quantidade de moeda estrangeira que pode ser trocada por um euro.

Com base na Tabela 3, podemos afirmar que, a 24 de setembro de 2015,

(A) com um euro, era possível adquirir menos do que um iene.
(B) com um real, era possível adquirir mais do que uma libra.
(C) com um euro, era possível adquirir menos do que um dólar.
(D) com um dólar, era possível adquirir mais do que um iene.

2.Num determinado país, em 2015, as autoridades decidiram aplicar um direito aduaneiro (ou uma barreira alfandegária tarifária) sobre a importação de batata. Podemos afirmar que esta medida se insere numa política comercial
(A) protecionista, ao contribuir para a redução da concorrência no mercado interno da batata.
(B) protecionista, ao aumentar as vendas, no país, das empresas residentes no resto do mundo.
(C) de comércio livre e visa reforçar a concorrência no mercado externo da batata.
(D) de comércio livre e pretende apoiar as unidades produtoras residentes no país.

3. Em 2013, uma dada empresa, residente em Espanha mas constituída por capitais portugueses, criou, no território económico espanhol, um valor acrescentado bruto de 200 mil euros. Nesse ano, a empresa não distribuiu lucros pelos seus acionistas, nem efetuou outros pagamentos relativos a rendimentos primários ao Resto do Mundo. O valor acrescentado bruto criado pela empresa, em 2013, foi contabilizado

(A) no PIB espanhol e no PNB português.
(B) no PIB português e no PNB espanhol.
(C) no PIB português e no PNB português.
(D) no PIB espanhol e no PNB espanhol.

4. O Quadro 2 apresenta todos os registos efetuados na balança corrente e de capital de um dado país, em 2014.

Com base no Quadro 2, podemos afirmar que, nesse país, em 2014, o saldo da balança corrente foi

(A) 8 milhões de euros.
(B) 48 milhões de euros.
(C) – 408 milhões de euros.
(D) – 360 milhões de euros.

5. Num determinado país, em 2013, o Estado efetuou o pagamento de juros, ao Resto do Mundo, de um empréstimo obtido no ano anterior. Em 2013, nesse país, o valor desses juros pagos pelo Estado foi registado a débito na

(A) Balança de transferências correntes.
(B) Balança de rendimentos.
(C) Balança de capital.
(D) Balança financeira.

Questões de Desenvolvimento:

1. O valor da taxa de cobertura das importações pelas exportações, em 2005, foi de 76,5%.
Explicite o significado deste valor.

2. Explique as consequências de uma desvalorização da moeda de um país na sua Balança de Mercadorias.

Fonte: IAVE, consultado em 22 de junho de 2017

Notícias – Remessas de emigrantes aceleram. Cresceram 15,6% em fevereiro

A maior fatia dos 300 milhões de euros em remessas que chegaram a Portugal, em fevereiro, teve como origem a Suíça a que se seguiu a França.

As remessas dos emigrantes subiram 15,6% em fevereiro, para 298,4 milhões de euros, ao passo que as verbas enviadas pelos imigrantes em Portugal aumentaram 9,25%, para 41,87 milhões de euros.

De acordo com os dados do boletim estatístico do Banco de Portugal, hoje divulgado, o volume maior de remessas de emigrantes veio, como habitualmente, da Suíça, país de origem de 93,01 milhões de euros, o que representa uma subida de 12,1% face aos 82,93 milhões enviados em fevereiro do ano passado.

A seguir à Suíça, o maior volume de remessas por país aconteceu em França, onde os emigrantes portugueses enviaram 72,06 milhões de euros, o que equivale a uma subida de 24,8% face aos 57,73 milhões enviados em fevereiro de 2016.

No que diz respeito aos países lusófonos, o maior destaque vai para a forte descida das remessas enviadas pelos estrangeiros a trabalhar em Portugal, que remeteram para os seus países de origem 2,96 milhões de euros, o que representa uma descida de 29,3% face aos 4,19 milhões enviados no período homólogo do ano passado.

Os portugueses a trabalhar nos países lusófonos, por seu turno, enviaram 13,71 milhões de euros em fevereiro, o que mostra uma subida de 1,3% face aos 13,53 milhões enviados em fevereiro de 2016.

Fonte: Eco Online, consultado em 20 de abril de 2017

Notícias – Exportações e Importações Portuguesas

Exportações lado a lado com importações. Balança piora

A balança comercial de bens até fevereiro está pior do que a registada há um ano: são mais 58 milhões de euros face ao mesmo período do ano passado. As exportações estão a aumentar a um maior ritmo do que as importações, mas a diferença é ligeira. Excluindo os combustíveis, as exportações cresceram 5,5% e as importações aumentaram 4,0%.
“Em fevereiro de 2017, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de, respetivamente, +9,0% e +8,9% (+19,1% e +22,4% em janeiro de 2017, pela mesma ordem)”, explica o INE na nota que divulgou esta segunda-feira. “Excluindo os Combustíveis e lubrificantes, as exportações cresceram 5,5% e as importações aumentaram 4,0% (respetivamente +16,6% e +15,1% em janeiro de 2017)”, acrescenta, referindo que “o défice da balança comercial de bens situou-se em 746 milhões de euros em fevereiro de 2017, representando um aumento de 58 milhões de euros face ao mês homólogo de 2016”.

Notícia completa: Exportações lado a lado com importações. Balança piora
Fonte: Eco Online, consultado a 11 de abril de 2017